Os Cenários da Nossa Vida: As Casas do Horóscopo

 

Os Cenários  da Nossa  Vida : As Casas do Horóscopo

As casas do horóscopo são o domínio da ação dos planetas. São elas que mostram como os planetas agem nas diferentes áreas da nossa vida. Cada casa está  associada a um planeta que é o seu regente e pode ter um ou mais significadores: os planetas simbolizam as características e experiências  do ser humano por isso, naturalmente relacionam-se com as casas. 
As casas são doze divisões mutáveis do Zodíaco,  diferentes para cada indivíduo, uma vez que  o início de cada uma é calculado de acordo  com as coordenadas espácio -temporais associadas ao  seu nascimento. 
As casas do horóscopo reflectem  a posição  da Terra na rotação diária à volta do equador. Dependendo da hora do nascimento,  ao longo das 24 horas qualquer grau dos 12 signos pode ser o começo da 1ª casa do horóscopo.
O ponto  do Zodíaco directamente elevado  em qualquer lugar da Terra  torna-se o « ponto zénite  do céu» ou 10ª casa da carta natal.  As restantes casas encontram-se a partir do Ascendente e do Meio do Céu.
Cada lugar da Terra, ao longo das 24 horas, verá passar cada grau do Zodíaco, abrangendo a totalidade dos  12 signos.
 
O ponto do Zodíaco a elevar-se no Este é a 1ª casa ou Ascendente (Janma Lagna) no horóscopo individual. Este é o ponto do horóscopo com  uma assinatura mais individual exprimindo o espaço/tempo   que definirá a existência em termos individuais. É  o parâmetro mais variável em cada carta natal:
O signo do ascendente  muda a cada 2 h em cada lugar da Terra,por isso, é ele que permite efectuar  as previsões mais pessoais e específicas. Por comparação, o signo da Lua muda a cada dois dias e meio e o signo do Sol muda a cada mês. 
Cada  casa do horóscopo está associada a um dos quatro propósitos de vida: Dharma (Vocação, missão de vida), Artha,( Acumulação de riqueza), Kama (Desejo, motivação, energia para a acção), Moksha (Libertação das ligações ao mundo material, procura da salvação e da espiritualidade).
As casas do horóscopo  não simbolizam apenas assuntos relacionados com o nativo a nível  individual. Sendo este um ser relacional,  com progenitores e, eventualmente, irmãos e outros familiares;  sendo alguém que vive na sociedade e se relaciona com  os outros, que tem amigos, parceiros, que constituirá família e terá eventualmente filhos,  tudo isso está simbolizado nas casas do horóscopo natal,  conjuntamente com todos os aspecto gerais da vida da pessoa. 
Isto  torna a interpretação da carta natal uma tarefa muito complexa, pois complexa é também a vida dos seres humanos. E exige do Astrólogo competências diversificadas e muito exigentes.
 

A Simbólica da Interpretação das Casas do Horóscopo

As casas  estabelecem relações entre si. A mais primária é a que se refere à dialéctica de oposição e complementaridade: 1ª e 7ª; 2ª e 8ª; 3ª e 9ª; 4ª e 10ª; 5ª e 11ª ; 6ª e 12ª. Cada casa só é plenamente compreendida quando vista  na relação com a outra complementar.
Outro aspecto importante a considerar é o princípio da correlação das casas: à excepção da 1ª casa ou Ascendente,deve aplicar-se este princípio para compreender completamente os significados de cada casa.
Assim, para analisar os resultados da 2ª casa, precisamos de analisar também a 3ª, sua correlata;
Para  analisar a 3ª casa, precisamos de ver a 5ª sua correlata;
Para analisar a 4ª casa, precisamos de ver a 7ª, sua correlata;
Para analisar a 5ª, precisamos de ver a 9ª, sua correlata;
Para analisar a 6ª, precisamos de ver a 11ª, sua correlata;
Para analisar a 7ª, precisamos de ver a 1ª, sua correlata;
Para analisar a 8ª, precisamos de ver a 3ª, sua correlata;
Para analisar a 9ª, precisamos de ver a 5ª, sua correlata;
Para analisar a 10ª, precisamos de ver a 7ª, sua correlata;
Para analisar a 11ª precisamos de ver a 9ª, sua correlata;
Para analisar a 12ª precisamos de ver a 11ª, sua correlata.
 
Este princípio de correlação das casas mostra  que as casas correlatas têm significados comuns  e, até certo ponto, significam o mesmo . Deste modo, se queremos compreender os resultados que uma  terá na vida do nativo, teremos também que compreender a outra. 
Isto torna  o  simbolismo das casas bastante complexo e a sua interpretação exige um treino muito grande para aprender a discernir, em cada caso, os significados predominantes e essenciais, os elementos mais fortes  mostrados por cada par de casas. Esses elementos comuns explicitam os tipos de experiência que constituem as promessas natais  da vida da pessoa.
O princípio simbólico seguido para a interpretação das casas é o da analogia. E, de acordo com este princípio, há outro factor importante que permite lançar luz sobre os significados das casas: o nº de casas que separa duas casas entre si, tem também significados adicionais relacionados com aquela que estamos a analisar  e que nos serve de ponto de partida:
Por exemplo,  o nº  12 refere-se à casa do horóscopo que simboliza perdas, gastos, etc. Então, quando eu tomo qualquer casa do horóscopo como ponto de partida, contando a partir desta, que conta como primeira,  12 casas, a 12ª  em relação a essa também me mostra as perdas associadas à casa que estou a analisar. 
Quando a casa que é o meu ponto de partida é ela própria uma casa de perdas (8ª, por ex,) a 12ª a partir dessa mostra como é que eu posso anular ou compensar essas perdas (ela revela a perda das perdas, isto é, a sua anulação). Se, por outro lado, uma casa simboliza acumulação de riqueza (como a 2ª), a 12ª a contar dessa mostra a casa onde essa riqueza se consome ou perde. Etc.
A interpretação astrológica é, deste modo, como se depreende da análise geral da simbólica  relacional das casas, muito mais do que um mero receituário mecânico previamente estabelecido e aplicado da mesma forma na análise de cada  carta astrológica.
 Deste modo, o astrólogo precisa de conhecer os significados isolados de cada assinatura  e colocação dos planetas no horóscopo mas não pode limitar-se a somar todos os elementos.  Esses elementos isolados são como palavras separadas do seu contexto. Ele precisa de ser capaz de os integrar numa visão global de todos os factores particulares  envolvidos, atendendo a que os significados de cada planeta  se alteram  de acordo com a sua localização nas casas do horóscopo.
Isto não é uma tarefa fácil.  Exige muito treino, muita sensibilidade e conhecimento .  Para ajudar esta tarefa, a Astrologia Jyotish  dispõe de métodos quantitativos que são um importantíssimo aliado do astrólogo para  uma interpretação rigorosa dos significados presentes no horóscopo.

A par destes métodos, a Astrologia Jyotish também dispõe de uma outra ferramenta extraordinária e exclusiva (não existente na Astrologia ocidental) que são as Cartas Divisionais, pelas quais os assuntos de cada casa/área do  horóscopo de nascimento são desdobrados e explicitados numa carta especial que permite compreender todos os aspectos pormenorizados de uma dada área de vida  da carta natal.

As Cartas Divisionais são uma técnica que considera o grau exacto da posição dos  planetas  nas casas do horóscopo e analisa , com os métodos quantitativos próprios da Jyotish, o seu impacto na vida da pessoa.  Esta técnica é complementada com o estudo dos trânsitos e dos períodos planetários ou Dasha.
Muito se tem discutido acerca do sistema de determinação das casas do horóscopo. Na Astrologia Jyotish também há casos em que é importante determinar a cúspide  exacta de uma casa, podendo esta situar-se em diferentes  graus de um determinado signo (como na Bhava Chalit, por ex.).
Porém, o princípio seguido pela maioria dos astrólogos védicos/Jyotish é que cada casa corresponde a um signo inteiro,independentemente de o signo Ascendente ou o Meio do Céu  se situarem no 1º  ou 12º ou outro grau qualquer dos 30 que compõem  um signo.
Este é um pressuposto característico da Astrologia Jyotish.

ajude-nos a melhorar, deixe o seu comentário