Planetas de Controlo Kármico

karm

Hoje falamos de um tema que atravessa a Astrologia Jyotish, embora nem sempre se fale dele de forma direta: a relação que alguns planetas têm com o «karma». Esta palavra significa «ação» mas, no contexto da Filosofia Védica na qual a Astrologia Jyotish surgiu, ela tem relação com o passado das ações humanas que se revela ativo na existência presente. Ou seja, a Astrologia Jyotish baseia-se na tese da reencarnação, segundo a qual a alma reencarna sucessivamente e enfrenta um contexto de existência que é  determinado pelo seu «karma».  Na investigação desta área da Astrologia, dois autores muito conhecidos nos meios metafísicos- Krishnamurti  e M. C. Jain- desempenharam um papel fundamental, sendo os fundadores de uma corrente da Astrologia Jyotish que é considerada como um sistema próprio nesta ampla e complexa área do saber.

Os aspetos que vamos referir em seguida são baseados no livro do autor R. S. Chillar, Horoscope Construction and Organisation, para cuja leitura remetemos o leitor mais curioso  e interessado por estes temas.  A partir do trabalho dos autores referidos no parágrafo anterior, Chillar revela que existem alguns graus dos signos e planetas  que desempenham um papel essencial na determinação dos eventos da nossa vida. Para os que trabalham com a Astrologia Horária- Prasna, estas referências são particularmente importantes pois o trânsito destes planetas ajuda a definir o momento da ocorrência de determinados eventos, com grande rigor. Tais planetas são considerados «planetas chave» do horóscopo, tendo o papel de efetuar um controlo kármico dos eventos, para o bem e para o mal, de acordo com a sua natureza e as configurações em que estão colocados no horóscopo. Krishnamurti chamava-lhes mesmo planetas regentes.

Estes planetas de controlo kármico são:

  • O regente do dia da semana (do dia de nascimento ou da semana referente a uma dada questão que é feita na Astrologia Horária).
  • O regente do signo onde está colocada a Lua.
  • O regente do signo Ascendente no nascimento.
  • O regente do Nakshatra que corresponde ao grau onde está colocado o Ascendente.
  • O regente do Nakshatra que corresponde ao grau onde está colocada a Lua.

Depois, alguns planetas podem também ser considerados «planetas de controlo kármico» : quando os nodos, Rahu e Ketu estão colocados no signo de um planeta de controlo kármico que está também colocado nesse signo em conjunção com eles, estes tornam-se também planetas de controlo kármico; os planetas colocados no Ascendente são todos considerados planetas kármicos; os planetas colocados em conjunção com a Lua são também considerados kármicos.

Há, no entanto, situações em que um planeta kármico não produz  resultados. Assim, na abordagem astrológica deste sistema, a primeira tarefa do astrólogo é encontrar e listar os planetas de controlo kármico no horóscopo. Depois, é avaliar a sua capacidade para produzir resultados, bons ou maus.

Capacidade dos Planetas de Controlo Kármico  para Produzir Resultados

Esterilidade dos planetas de controlo Kármico a colocação de um planeta kármico no antara* de um planeta que está retrógrado no nascimento ; a  colocação do planeta kármico no antara  de um planeta no  qual este  está debilitado- nestes casos o planeta kármico não «frutifica».

Considerações AdicionaisQuando Rahu e Ketu estão em conjunção com os planetas de controlo Kármico ou quando estão colocados nos signos dos planetas Kármicos, têm precedência em relação a estes e atuam como seus agentes; quando um planeta de controlo kármico está retrógrado mas está colocado no antara de um planeta de movimento direto, é capaz de produzir frutos (válido em primeiro lugar  para a Astrologia Horária) e tais frutos serão produzidos quando o planeta estiver em movimento direto; os planetas que estão colocados no Nakshtra que tem a regência de um planeta de controlo kármico dão os  resultados desse planeta mas não atuam como planetas de controlo Kármico.

Basicamente, podemos considerar que este sistema usa os períodos vimsottari dasha e as suas subdivisões e os trânsitos dos planetas de controlo kármico para prever eventos na vida das pessoas. Os graus dos signos onde estão colocados os planetas de controlo kármico são pontos sensíveis do horóscopo, que marcam o tempo dos eventos kármicos (positivos e negativos) da nossa vida: sempre que o Ascendente, o Sol, a Lua e Júpiter transitam por esses pontos, despoletam eventos significativos que podem assim ser previstos com rigor, o que se torna fundamental para a Astrologia Horária. O trânsito do Ascendente é essencial para indicar um evento num curto espaço de tempo; para um evento que ocorre no espaço de uns dias, usa-se o trânsito da Lua para indicar o dia em que acontecerá; para um evento que ocorre em alguns meses, é usado o trânsito do Sol e, para eventos que ocorrerão no espaço de um ano, usa-se o trânsito de Júpiter.

Este sistema, como referimos, combina as informações dadas pelo período dasha com os trânsitos dos planetas de controlo Kármico, para prever o tempo dos eventos significativos da vida da pessoa. Esta é, sem dúvida, uma abordagem a explorar e conhecer melhor, sobretudo quando desejamos compreender melhor a «fortuna» que nos cabe nesta vida e a «sorte» ou falta dela na nossa vida.

 Notas

*Um Antara é uma  divisão de um signo no contexto de um dasha: cada período dasha com regência de um planeta é por sua vez dividido num subperíodo (designado por bukti ou antara), cada um com 9 subciclos. Cada subciclo tem a regência de um planeta.

O leitor poderá encontrar facilmente os regentes do Nakshatra de todos os planetas e do Ascendente em qualquer software especializado em Astrologia Jyotish, nomeadamente no programa gratuito Jaganatha Hora.

Ascendentes Especiais

mag

Todos os leitores estão familiarizados com o conceito de signo Ascendente. Ao longo de muitos dos artigos que temos publicado, especialmente quando fazemos previsões,  os leitores têm a perceção clara da importância deste ponto de referência do horóscopo. Alguns também já se aperceberam de que na Astrologia Jyotish a Lua e até o Sol podem ser vistos como «Ascendentes» especiais, especialmente a Lua, também para analisar o trânsito dos Planetas e efetuar previsões ou para analisar a força dos planetas que formam combinações específicas (yogas) no horóscopo, no que se refere à sua força ou capacidade para produzir determinados efeitos.  Mas existem outros «Ascendentes especiais», na Astrologia Jyotish, e vamos hoje falar deles.

No capítulo 5  da sua obra Hora Sastra, o sábio Parashara define  uma série de Ascendentes Especiais. Estes vários Ascendentes tomam como ponto de referência do seu cálculo a posição do Sol no momento em que este  nasce, embora se movam em velocidades diferentes em relação aos signos. No parágrafo 9 do referido capítulo, Parashara é bem claro: estes Ascendentes especiais servem para analisar assuntos específicos – mantendo-se a posição dos planetas no momento do nascimento sem alteração, preparar um horóscopo tomando um desses Ascendentes especiais como a 1ª casa , de acordo com aspetos específicos que queremos analisar e interpretar  como fazemos com o horóscopo de nascimento. Apesar de Parashara explicar os cálculos para encontrar estes Ascendentes especiais, não precisamos de nos preocupar com isso pois qualquer software de Astrologia Jyotish (incluindo o gratuito Jaganatha Hora) fazem esses cálculos por nós.

Vamos a seguir apresentar alguns desses Ascendentes especiais e o seu uso:

Hora Lagna

Este Ascendente encontra-se no horóscopo  calculado pelo software, no ponto referido pela  sigla HL).  Muda à razão de 30´por hora ou ½ grau por minuto.   Este Ascendente revela a prosperidade  financeira e dinheiro. Assim, quando levantamos  o horóscopo com este Ascendente , podemos  saber qual o tipo de carreira  a partir da qual a pessoa terá o seu principal meio para ganhar dinheiro  e se será bem sucedida, devendo-se analisar os planetas nas casas a partir tanto do Ascendente comum (Bhava Lagna) como deste Ascendente especial.

Arudha Lagna

Nos vários artigos e livros publicados, o investigador da Astrologia Jyotish Narasimha Rao, que é também o autor do programa de software Jaganatha Hora, dá uma descrição deste Ascendente, por comparação com o Ascendente comum: enquanto este  último mostra a nossa natureza  real e concreta, nomeadamente a física,  o Arudha Lagna mostra o modo como os outros nos veem. Refere-se desta forma à nossa manifestação no mundo material tal como ela é percecionada por aqueles que lidam e interagem connosco. O Ascendente comum mostra o que somos; o Arudha Lagna mostra como os outros veem aquilo que somos. O Arudha Lagna aparece no horóscopo pela sigla AL. Por ex., uma pessoa  com Ascendente Caranguejo  tem  o Sol , Vénus e Mercúrio  na 7ª casa;  é alguém que se  foca fortemente  nos relacionamentos e nas parcerias, sendo atraída por parceiros que são bons comunicadores, atraentes, abastados,  com personalidades fortes e sedutoras. Mas, contando a partir do Arudha Lagna, encontramos Saturno na 7ª casa e a perceção que esta pessoa causa nos outros é  a de que aprecia parceiros eficientes, frios, distantes e conservadores, leais e estáveis nos seus comportamentos mas sem nenhum do glamour que realmente a pessoa procura neles! Há assim um fosso entre a realidade  no modo de sentir da pessoa e a forma como os outros veem  isso, inclusivamente os parceiros com os quais se cruza e isso pode gerar dificuldades na dinâmica dos relacionamentos, especialmente os mais íntimos. Este Ascendente tem deste  modo a particularidade de revelar as ilusões a que estamos sujeitos no plano terreno em que vivemos e a especial concordância ou discordância entre o que somos de facto e aquilo que os outros pensam que somos.

Gathi Lagna

Este Ascendente  move-se à razão de 1 signo em cada 24 minutos. A rapidez com que se dá esta mudança faz com que o Gathi Lagna só deva ser  tido em conta quando sabemos a hora exata do nascimento pois, num só minuto, este Ascendente muda 1º e 15 ‘ e pode por isso dar erro quando existem apenas alguns minutos de erro na hora de nascimento.  Este Ascendente aparece nos cálculos do horóscopo pela sigla GL.

O Gathi Lagna deve ser usado quando queremos ver o potencial de poder, fama e autoridade que uma pessoa pode alcançar, substituindo o Ascendente comum por este. A análise deve ter em conta os significadores normais para o sucesso e a fama, como a colocação de Vénus em relação com a 5ª casa, uma 5ª e 10ª  casas fortes a partir deste Ascendente, o Sol na 6ª ou 10ª a partir deste Ascendente, ou  Sol exaltado ou Rahu na 6ª,  etc. Planetas colocados na 5ª casa a partir do GL e em aspeto com planetas benéficos como Júpiter e Vénus são bons indicadores do sucesso que este Ascendente revela.

O Ascendente comum mostra o self. Os Ascendentes especiais mostram o self a partir de um determinado ponto de vista: a perceção dos outros- Arudha Lagna; o dinheiro que ganharemos- Hora Lagna; o poder, a fama e a autoridade que alcançaremos- Gathi Lagna.

Parasahra admite que os planetas –karakas – (cada planeta tem significados especiais, como por ex., a Lua representa a mãe , o Sol representa o pai, etc.) podem ser vistos como «Ascendentes especiais». Estes planetas devem ser observados em cada uma das cartas divisionais e, quando um planeta é especialmente importante desta forma, mais importante do que o Ascendente comum, então aparece como «Ascendente Karaka» e deve ser-lhe dado um peso especial, contando-se as casas a partir dele, que surge então como «1ª casa». Este último exemplo é bem ilustrativo do caráter simbólico da Astrologia e de como cada símbolo assume diversas camadas de significados conforme o contexto.

Os Sistemas de Casas do Horóscopo na Jyotish

 

cas

Algumas questões que os leitores têm levantado ultimamente, referentes às diferenças na conceção das casas do horóscopo, quando estão em comparação as casas – e o Ascendente- na Astrologia Ocidental e na Astrologia Jyotish- fizeram-nos sentir oportuna a escrita  deste artigo. Basicamente, ele tem a ver com a questão «onde começa verdadeiramente uma casa do horóscopo?» e «qual é o melhor sistema, o da Astrologia ocidental ou o da astrologia Jyotish?» (ou melhor, quais são os melhores sistemas, dentro da Astrologia ocidental e dentro da Astrologia Jyotish pois em ambas existem diversas opções).

Neste artigo não vamos fazer referência à diferença entre os dois Zodíacos seguidos por estes diferentes sistemas pois já o fizemos em outro lugar.  Mas queremos alertar o leitor para a realidade de que, tanto na Astrologia Ocidental como na Astrologia Jyotish, há várias formas de calcular as casas. Cada sistema tem o seu conjunto de elementos que, combinados entre si, funcionam. Porém, como já temos alertado os leitores, não se devem misturar os sistemas , que partem de abordagens diferentes.

O horóscopo , em qualquer sistema, é dividido em 12 partes, cada uma designada por  «casa n do horóscopo». Porém, os pressupostos dessa divisão variam. Todos os sistemas concordam em que o conceito de «cúspide» de uma casa é um ponto de máxima intensidade ou força dos significados de cada casa. Agora, o que nem todos concordam é qual é o ponto de  cada casa que corresponde à cúspide. Na Astrologia ocidental, maioritariamente, a cúspide corresponde ao início de uma casa. Mas há sistemas- Porfírio, na tradição ocidental e Sripati na tradição da Astrologia Jyotish- que consideram que a cúspide corresponde ao «meio» de uma dada casa. Para interpretar  os efeitos das configurações do horóscopo, cada sistema de casas obedece a princípios próprios que passamos a resumir para dar uma ideia aos leitores:

Principais Sistemas de Cálculo das Casas  do Horóscopo

Sistema «um Signo inteiro uma casa»Este é considerado o sistema mais antigo de calcular as casas do horóscopo e é o mais seguido pela Astrologia Jyotish. Neste sistema, cada signo completo corresponde a uma casa do horóscopo. Encontrado o grau do Ascendente, o signo onde este cai torna-se na 1ª casa e os signos seguintes correspondem às restantes casas.  Neste sistema a questão da «cúspide» de cada casa é irrelevante.

Sistema de Casas Iguais iniciando na  Cúspide Neste sistema, as cúspides estão todas em intervalos iguais em relação umas às outras. Imaginemos que a 1ª casa cai no 4º grau de Balança. As casas seguintes iniciam-se  no grau 4 dos signos seguintes e vão até ao 4º grau do signo seguinte.  Este sistema é seguido pelos adeptos do subsistema de Astrologia Jyotish KP. Alguns astrólogos adaptam um conceito usado por Ptolomeu, ( ponto afático, usado por este no cálculo da longevidade) e colocam o início de cada casa  5º antes do grau correspondente ao do  Ascendente. Assim, se este cai a 10º de Leão, por ex., subtraem-se 5º e ficamos com o 5º grau que, em cada signo, corresponde ao início de cada casa. Na astrologia Jyotish recente, a «Abordagem Sistémica» de V.K. Choudhry, cuja abordagem consideramos muito interessante, o autor concilia o sistema tradicional «um signo inteiro uma casa» com o conceito de cúspide,  ao fazer corresponder, em cada casa do horóscopo, o grau em cada signo, correspondente ao do Ascendente, e que considera como o «ponto mais efetivo de cada casa», ou seja, aquele onde os significados da casa atingem o seu ponto máximo de força para produzir efeitos.

Sistema de SripatiEste sistema  considera que a «cúspide» de uma casa ou ponto de máxima intensidade dos significados dessa casa corresponde ao meio da casa.  A carta  Chalit  baseia-se neste conceito.  Conhecido o grau do Ascendente, adiciona-se 180 º e obtém-se o ponto oposto, referente à 7ª casa; conhecido o «mid heaven» ou ponto da cúspide da 10ª casa, adiciona-se 180º e obtém-se a 4ª casa.  Assim, obtêm-se os 4 ângulos do horóscopo .Este sistema é idêntico ao usado por Porfírio na Astrologia ocidental, nestes cálculos iniciais. Porém, difere a seguir pois, ao contrário do sistema de Porfírio, considera a cúspide como o meio da casa e não como o seu início. A seguir, divide cada um dos segmentos assim encontrados – da 1ª para a 4ª; da 4ª para a 7ª; da 7ª para a 10ª da 10ª para a 1ª – em partes iguais, sem ter em conta fatores como a latitude geográfica.  Para encontrar o início de cada casa , calculamos primeiro o «ponto médio da casa e aí, subtraímos 15º para encontrar o início ou adicionamos 15º para calcular o final da casa.

Sistema de PlacidusEste sistema é o mais usado pelos astrólogos ocidentais. Procede como o sistema de Sripati para encontrar as casas angulares do horóscopo mas depois diverge pois,  não divide as casas intermédias em partes iguais, divide-as de acordo com a declinação do Sol e a latitude, pelo que cada casa tem tamanhos diferentes. Neste sistema, a cúspide da casa corresponde ao seu início, sendo o ponto mais intensamente significativo de cada casa.

Agora, posto isto, que dizer do sistema mais usado na Jyotish  e também o mais tradicional? Ele não tem em conta o conceito de «cúspide» mas conta com uma ferramenta auxiliar que dá à Astrologia Jyotish a sua espantosa capacidade de previsão que é sem igual em outros sistemas astrológicos: as cartas divisionais, obtidas a partir da divisão de cada signo em diversas partes. Assim, complementando a análise da carta de nascimento- Rasi ou  D-1- com a análise das cartas divisionais,  temos um sistema que é o mais completo de todos e o mais rigoroso , desde que a hora de nascimento seja conhecida com precisão.  Esta é a razão pela qual a maioria dos astrólogos da Jyotish preferem a análise de casas iguais pois ela tem dado excelentes resultados desde a antiguidade. Cada Astrólogo escolhe normalmente um dos sistemas de casas para trabalhar. Mas, aceite um deles, funciona com os pressupostos teóricos daí decorrentes. Misturar os sistemas de forma indiscriminada é desaconselhável e problemático em termos de resultados.

Identificar os Yogas no Horóscopo – um Exemplo

happ

Vamos exemplificar, para melhor compreensão dos nossos leitores, a identificação dos sinais de sucesso no horóscopo aplicando os princípios teóricos explicados nos artigos  Sinais de sucesso no horóscopo #1Sinais de sucesso  no Horóscopo #2 ; Sinais de sucesso  no  Horóscopo #3 ; Sinais de Sucesso  no Horóscopo #4; Sinais de Sucesso  no horóscopo #5; Sinais de Sucesso no Horóscopo # 6.

Para este efeito  vamos analisar o horóscopo de uma mulher e aplicar de forma simples as técnicas que explicámos naqueles artigos.

Manuela Sousa

22 Setembro de 1968, 15 h

Bragança, Portugal

rosa gaspar d-1

Trata-se de um horóscopo  com Ascendente Capricórnio e a Lua e o Sol em Virgem.   Os planetas funcionais maléficos são o Sol, regente da 8ª casa, e Júpiter, regente da 12ª casa. A 6ª casa não está ocupada por um signo Mooltrikona pelo que não consideramos o seu regente.

Quanto à força dos planetas, notamos que Saturno, regente do Ascendente, está debilitado e encontra-se fraco devido a estar colocado no Avastha da infância, a menos de um grau do signo Carneiro. Acresce ainda que esta colocação corresponde a um ponto gandanta, de passagem entre o signo de Peixes e o signo de Carneiro. Deste modo, o regente do Ascendente está severamente enfraquecido e tem dificuldade, por isso, em proteger o horóscopo.

Os nodos, Rahu e Ketu, estão bem colocados por signo mas estão pobremente  colocados nos signos.

Vénus está bem colocado no signo Mooltrikona, Balança, mas encontra-se no avastha da infância e perde na «guerra planetária» (yudha graha) com Mercúrio.

O Sol e a Lua estão em conjunção próxima , com orbe de 2º, o que significa que a Lua está combusta embora tenha a seu favor o facto de estar numa longitude acima da do Sol, o que significa que se trata de uma conjunção separativa, menos difícil de superar. A conjunção entre o Sol e a Lua indica a  fusão entre a mente e o ego, num eclipse solar em relação à Lua que conduz à introversão das experiências e à dificuldade em exteriorizar e objetivar os estados de pensamento. Esta tendência, no entanto, tende a alterar-se após a maturidade, entre os 25 e 32 anos, altura em que a pessoa consegue libertar-se do estado mental algo confuso e caótico, provocado pela fusão das energias solar e lunar.

Júpiter e Marte estão bem colocados por signo mas mal colocados por casa embora, no caso de Júpiter, como este rege a 12ª casa, alguns astrólogos são de opinião de que a sua colocação na 8ª casa traz benefícios após perdas e crise (yoga Viparita Raj yoga).

Mercúrio está bem colocado por signo e por casa embora tenha força média por estar ainda no avastha da infância.

Quanto aos aspetos dos planetas, Vénus e Mercúrio lançam aspeto para o regente do Ascendente (condição essencial para que o yoga que formam produza efeitos, pois tem que haver uma ligação entre os planetas que formam o yoga e o Ascendente ou o seu regente); Saturno, regente do Ascendente, lança aspeto para  o Ascendente; Júpiter está em aspeto com o regente do Ascendente; os nodos lançam aspeto para o Ascendente. O facto de tantos planetas estarem conectados com o Ascendente é positivo, pois assegura que os seus efeitos serão sentidos pela pessoa a nível concreto.

Identificação dos Yogas Formados

Malavya este é um dos Pancha Maahapurusha yogas, formado pela colocação de Vénus na 10ª casa e no próprio signo. Este yoga produz uma aparência atraente e sensual e criatividade. Além disso, Vénus está colocado na 10ª casa e é regente da 5ª pelo que é também um yogakaraka,  um planeta capaz de  trazer sucesso material para a vida da pessoa.  E está conjunto com Mercúrio, que por sua vez é o regente da 9ª casa e isso forma outro yoga:

Raja Dharma- Karma yogaEste yoga é formado pela conjunção dos regentes da 9ª e 10ª casas colocados numa casa kendra. E indica que a pessoa pode alcançar grandes realizações, sendo também respeitadora do dever.  A conjunção entre Vénus e Mercúrio produz ainda  um:

Rajyoga o regente da 5ª casa e o regente da 9ª casa estão conjuntos na 10ª casa. Esta é também uma forte assinatura de sucesso no plano material.

Rajyoga–  os regentes da 1ª casa e da 5ª casa estão em aspeto completo mútuo. Menos forte do que o anterior, este yoga é também indicador de sucesso material.

Raja-Lakshmi–  os regentes da 1ª e da 9ª casa estão em aspeto mútuo total. Este é um yoga que significa boa sorte e altas realizações.

Guru-Mangala–  Este  yoga é formado pela conjunção entre Marte e Júpiter  e indica bom caráter e capacidade energética. Forma-se na 8ª casa, uma casa maléfica e, por isso, os seus efeitos são menos positivos.

E temos em seguida os «yogas tesoura» envolvendo o Sol e a Lua:

Ubhayachara– planetas que não a Lua presentes tanto na 12ª como na 2ª casa a seguir ao Sol. Este yoga dá boas qualidades à pessoa, riqueza e capacidade de influência, bem como bons amigos. Marte, um natural maléfico, está na 12ª casa antes do Sol e produz tendência para o despesismo, falta de vitalidade etc. mas os restantes planetas são todos benéficos, o que faz prevalecer os efeitos positivos.

Subhavesi yogaplanetas benéficos na 2ª casa a partir do Sol indicam uma pessoa com capacidades intelectuais, virtuosa,  com interesse por assuntos espirituais e com força de caráter. Tem a capacidade de traçar objetivos e de os alcançar. E, como os planetas na 2ª casa a seguir ao Sol caem na 10ª casa e são ambos benéficos, formam ainda outro yoga:

Amala yoga– indica que a pessoa gozará de conforto e de bens luxuosos e será uma pessoa virtuosa e respeitada.

Agora, após a identificação dos yogas, há que avaliar a sua capacidade de produzir resultados pois a descrição geral dos efeitos do yoga não assegura que este produzirá efeitos num horóscopo determinado. De todos os yogas, os formados por Mercúrio e Vénus são os que têm mais hipóteses de frutificar. Não é de esperar, no entanto, dada a força média dos planetas envolvidos, que produzam efeitos extraordinários. A debilitação do regente do Ascendente impede que esta pessoa alcance em elevado grau o sucesso que estes yogas prometem à primeira vista. É verdade que Saturno está retrógrado e que, segundo a Astrologia Jyotish, isso torna um planeta mais forte (para o bem e para o mal). Porém, a nossa experiência tem mostrado que os planetas retrógrados  tendem a atuar no plano mais interno do que externo da vida da pessoa.

Usando o software  gratuito que recomendámos aos nossos leitores, vemos que o dasha de Júpiter está operante desde 2004  e até 2020. Júpiter é um funcional maléfico e regente da 12ª casa das perdas e por isso este não é o melhor período par alcançar sucesso material. Poderá no entanto receber dinheiro de indemnizações ou legados/heranças, seguros, etc. O subperíodo atual é o do Sol,  até julho de 2015. Como o Sol rege a 8ª casa, este é um período de obstruções e não é o melhor para alcançar o sucesso. Esta situação poderá melhorar, no entanto, a partir de julho de 2015  quando se iniciar o subperiodo da Lua , que irá até novembro de 2016.

Quanto aos melhores períodos para alcançar os resultados formados pelos yogas envolvendo Mercúrio e Vénus, vemos que o dahsa de Mercúrio se iniciará apenas em 2056, tarde na vida, por isso termos que procurar, nos restantes dashas, os subperíodos de Mercúrio e de Vénus que serão os mais favoráveis para obter o sucesso material. Assim, no próximo dasha de Saturno, o subperíodo de Mercúrio ocorre entre março de 2023 e novembro de 2025 e o de Vénus entre março de 2027 e março de 2030.Durante estes períodos deverão ser aproveitadas as oportunidades para obter ao máximo os resultados prometidos por estes yogas.

Sinais de Sucesso no horóscopo #6- Cancelamento dos Aristha Yogas

flo

No último artigo falámos de algumas assinaturas no horóscopo que indicam má fortuna , doença, obstáculos, má sorte- os Aristha yogas. Porém, a  Astrologia Jyotish, milenarmente associada à sabedoria védica, estabeleceu desde sempre que, num bom número de casos, os maus efeitos presentes no horóscopo podem ser cancelados ou reduzidos- são os Aristha- Bhanga yogas. É deles que falamos hoje e, quando se olha para um horóscopo à procura de algum Aristha yoga que ponha em risco a possibilidade de os bons yogas frutificarem na nossa vida, deve-se olhar também para a possibilidade de tais yogas serem cancelados por outras assinaturas. Tal como sucede com a vida humana, cheia de nuances e de diferentes texturas, também a leitura de um horóscopo implica o conhecimento de múltiplas possibilidades, evitando as abordagens lineares, sempre simplistas.

Vários autores clássicos falaram dos Aristha yogas e do seu cancelamento (Aristha-Bhanga), encontrando-se referência a eles no Brihat Samhita de Varaha Mihira e Saravali de Kalyana Varna. Outros autores da atualidade também lhes fazem referência, como é o caso do livro Yogas in Astrology  ou Subtleties of Medical Astrology do  Dr K. S. Charak. A partir destas fontes, podemos indicar algumas das condições que têm a capacidade de anular os Aristha Yogas no horóscopo de nascimento, para os nossos leitores.

Em primeiro lugar, é preciso lembrar a importância do Ascendente e do seu regente e da Lua. Estes elementos fortes no horóscopo são uma primeira garantia de que os resultados nefastos apresentados por algumas  más combinações terão  um efeito diminuto ou mesmo nenhum na vida da pessoa.

Cancelamento dos Aristha yogas- o Papel da Lua e do Ascendente
  • A Lua forte e o regente do Ascendente forte protegem contra todos os males indicados no horóscopo.
  • O regente do Ascendente é forte e recebe o aspeto de um benéfico e não recebe aspetos de maléficos, estando colocado numa casa kendra (1ª, 4ª, 7ª ou 10ª). Traz fortuna e vida longa à pessoa.
  • Quando a pessoa nasceu à noite e a Lua estava numa fase brilhante (menos de 6 dias após a Lua cheia) ou nasceu de dia, na fase da Lua minguante. Mesmo que a Lua esteja colocada nas maléficas 6ª e 8ª casas, a pessoa é protegida de todas as aflições.
  • Segundo o Dr Charak, quando o nativo nasceu no período dos 24 minutos antes ou depois do meio dia ou da meia noite- abhijiit muhurta- (hora local)  os efeitos do Aristha são reduzidos.
  • Quando a Lua ou o Ascendente estão sob a influência de um planeta benéfico natural como Júpiter ou Vénus (ou Mercúrio forte) os maus efeitos são cancelados.
  • A colocação de Júpiter forte no Ascendente.
  • A Lua cheia colocada entre 2 benéficos.
  • Quando a Lua está colocada num signo ou divisão Navamsa regido por um benéfico e recebe o aspeto de Vénus.
  • A Lua cheia ocupando o Ascendente da varga D-12 e o Ascendente desta varga tem regência de um benéfico.
  • Quando o regente do signo onde está colocada a Lua ocupa o Ascendente e recebe o aspeto dos planetas que formam o yoga, este é cancelado.
  • A Lua colocada na 3ª, 4ª ou 6ª casa a partir do Ascendente e recebendo o aspeto de planetas benéficos.
  • Quando a Lua está colocada na 1ª casa e recebe o aspeto de planetas benéficos e Vénus está em aspeto com a Lua.
  • Quando a Lua está no signo de exaltação e recebe o aspeto de Vénus.
  • Quando a Lua numa fase brilhante no nascimento recebe o aspeto de todos os planetas envolvidos.
  • Quando a Lua está colocada na divisão drekkana regida por Mercúrio ou Júpiter cancela os Aristha, mesmo quando a Lua está colocada na 6ª ou 8ª casas.
Outros Aristha- Bhanga yogas- Cancelamento dos Aristha yogas
  • Qualquer planeta benéfico forte colocado numa casa kendra – Vénus, Mercúrio ou Júpiter fortes em qualquer casa kendra, cancelam todos os Aristha.
  • Quando um planeta maléfico envolvido num Aristha yoga está cercado por benéficos, os maus efeitos são cancelados.
  • Quando Rahu está colocado na 3ª casa, Saturno está colocado na 11ª e Marte está colocado na 6ª casa há cancelamento do mau yoga.
  • Júpiter, Vénus e Mercúrio juntos numa das vargas do conjunto shadvarga (6 divisões) mesmo quando a Lua está colocada na 6ª ou 8ª casas.
  • Vénus , Mercúrio, a Lua e Júpiter colocados em signos com regência de benéficos , tanto no horóscopo de nascimento como nas vargas (cartas divisionais).
  • Quando há planetas maléficos a ocupar as vargas de benéficos (divisões, que dão origem às cartas divisionais das quais a Navamsa é a mais conhecida mas há muitas outras) e recebem o aspeto de planetas benéficos que também estão colocados em vargas regidas por benéficos: todos os Aristha são cancelados. Nota: a melhor forma de ver isto é consultar a posição dos planetas nas várias cartas divisionais, o que pode ver num software de Astrologia Jyotish, de que é exemplo o programa gratuito Jaganatha Hora)
  • Quando Rahu está colocado na 3ª, 6ª ou 11ª casas e recebe o aspeto de planetas benéficos, todos os Aristha são cancelados.
  • Quando todos os planetas estão colocados nos signos de Gémeos, Leão, Virgem, Balança, Escorpião ou Aquário ( signos Shirodaya) todos os Aristha são cancelados.
  • Quando nenhum planeta benéfico está em conjunção com um planeta maléfico (em sentido lato, isto ocorre quando os planetas ocupam a mesma casa/signo). Os planetas envolvidos no Aristha yoga deixam de poder produzir efeitos.
  • Quando Júpiter está colocado na 10ª casa a partir da Lua, há maléficos na 11ª casa  e Vénus e Mercúrio estão colocados na 12ª, todos os Aristha yogas são cancelados.
  • Quando Rahu está colocado no Ascendente nos signos de Carneiro, Touro ou Caranguejo, remove as aflições.

Deste modo, devemos ter em atenção que qualquer previsão de «má fortuna» no horóscopo deve ser acompanhada   da  análise  de todos os Aristha yogas   e procurar no horóscopo  se há algum Aristha- Bhanga yoga  que cancele os anteriores pois o «mal» dos Aristha Yogas pode ser reversível em muitos casos.

Sinais de Sucesso no horóscopo #5- yogas de Má sorte, Aristha yogas

bad

No artigo anterior  explicámos como identificar Rajyogas no horóscopo, sendo que a sua presença indica sucesso , fama, riqueza e poder. Porém,  a nossa existência é composta por bons e maus momentos, numa mistura complexa   que torna as nossas vidas algo difícil de interpretar de forma linear. As  vidas humanas estão longe de ser, na maioria dos casos, um percurso em linha reta, tanto em termos de sucesso como de insucesso. Por isso, para além de procurarmos a presença de assinaturas ou yogas de sucesso, devemos estar atentos à presença de assinaturas de insucesso e de fracasso- são os Aristha yogas.

«Aristha» é uma palavra que, em sânscrito, significa «má sorte» ou má fortuna. E, apesar de sabermos todos que as experiência de má sorte trazem, como as de boa sorte, lições importantes para cada ser humano aprender, a verdade é que todos gostaríamos de  não ter que passar por elas. Alguns de nós têm a sorte de o conseguir, mas a maioria tem, pelo menos, uma ou duas assinaturas de «má sorte» no horóscopo. Estes yogas de «má sorte» afetam a felicidade da pessoa e indicam obstruções e obstáculos na  vida.  Quando  estes yogas são fortes, podem reduzir ou até impedir o florescimento dos Rajyogas e Dhana Yogas.

Reconhecer os Aristha Yogas

O Ascendente, bem como o seu regente, são os fatores mais importantes do horóscopo: é o Ascendente que nos enraíza na existência e que representa o nosso corpo , bem como a saúde e a longevidade. Por essa, razão, se estiver envolvido em algum Aristha yoga, isso pode pôr em causa a nossa capacidade para usufruir dos bons resultados de qualquer Dhana ou Rajyoga: se não tivermos saúde ou se a nossa vida for breve, de nada nos servirá ter assinaturas fantásticas de sucesso e de riqueza no horóscopo. Assim, a associação por aspeto mútuo , conjunção  ou receção mútua entre o Regente do Ascendente e os regentes da 6ª, 8ª ou 12ª casas compromete os resultados de sucesso e de felicidade na vida.

Os planetas regentes da 6, 8ª e 12ª casas associados  por aspeto mútuo, conjunção ou receção mútua com os regentes das restantes casas  também causa estas assinaturas de má fortuna:

– Quando  associados com os regentes da 2ª e da 11ª casas ( os regentes destas casas , quando estão em associação com as casas/regentes da 1ª, 5ª e 9ª casas formam assinaturas de riqueza, Dhana yogas), impedem o aumento de riqueza e podem transformar a riqueza que a pessoa tem em pobreza.  E, caso haja algum Dhana yoga envolvendo os regentes da 2ª e da 11ª casas, a associação com os regentes das casas maléficas impede que estes deem fruto.

– Quando  associados com os regentes da 1ª (esta casa é simultaneamente trikona e kendra), 4ª, 7ª e 10ª afetam o sucesso dos objetivos , da felicidade, da vida familiar e conjugal da pessoa.

– Quando  associados com os regentes da  1ª, 5ª e 9ª casas, as que estão relacionadas com a sorte da pessoa para esta existência, o sucesso, sorte e  cumprimento do propósito de vida da pessoa são impedidos ou muito dificultados.

Os efeitos dos Aristha yogas podem ser piores, se os planetas envolvidos no yoga também estão  associados com planetas naturais maléficos ou com os regentes das casas maraka- 2ª e 7ª.

Aristha yogas Comuns envolvendo a Lua

A Lua é um elemento da máxima importância  no horóscopo e, por isso, a sua associação com planetas ou casas maléficas ou o estado de fraqueza da Lua é, por si só, indicação de má fortuna e dificuldades de vária ordem. Segundo os vários autores e astrólogos da Jyotish, mostramos a seguir algumas das combinações  causadoras deste yoga:

  • A colocação conjunta da Lua, Marte, Saturno e o Sol no Ascendente ou na 9ª ou 8ª casas. Este yoga pode ser cancelado se Júpiter estiver em aspeto com a casa onde estão estes planetas.
  • A Colocação da Lua, Marte, Saturno e o Sol nas 4 casas kendra, as casas que formam a estrutura do horóscopo. (a Lua fica, neste caso, sob a influência  de, pelo menos, 2 dos maléficos, podendo mesmo receber o aspeto de 3 deles: Ex. a Lua colocada na 4ª casa com o Sol na 10ª casa e Saturno na 7ª e Marte na 1ª).
  • A Lua minguante colocada na 12ª casa e simultaneamente um planeta maléfico colocado no Ascendente e na 8ª casa. A situação piora se também houver algum planeta maléfico com a Lua na 12ª casa.
  • A existência de aspetos de planetas maléficos para a Lua quando esta é fraca.
  • A Lua colocada na 4ª, 7ª ou 8ª casa cercada por planetas maléficos ( na casa anterior e na casa posterior à da Lua).
  • A Lua colocada em associação com um planeta maléfico na 1ª ou 8ª, 5ª, 7ª, 9ª ou 12ª sem receber o aspeto de nenhum planeta benéfico, sobretudo Vénus ou Júpiter- esta configuração indica a possibilidade de morte na infância.
 Outros Aristha Yogas Comuns
  • Conjunção entre o regente do Ascendente ou do planeta que rege o signo onde se encontra colocada a Lua com o Sol sem receber o aspeto de nenhum planeta benéfico e, simultaneamente, a presença, nas casas kendra (1ª, 4ª, 7ª, 10ª) de planetas maléficos: segundo a tradição, esta configuração mostra morte no início da vida adulta.
  • Planetas maléficos associados com as casas maléficas- 6ª, 8ª, 12ª- ou com os seus regentes.
  • A colocação conjunta do Sol, Marte e Saturno na 5ª casa.
  • Marte e Saturno ou o Sol, na 8ª casa.
  • O aspeto de planetas maléficos para o Ascendente quando este é fraco, ou para o Sol .
  • A colocação do Sol, Marte, Rahu ou Saturno no Ascendente (pelo menos 2 deles).
  • A colocação de Marte e Saturno na 2ª casa e de Rahu na 3ª.
  • A colocação de Rahu na 4ª casa e da Lua na 6ª ou 8ª.
  • A colocação de Marte na 7ª casa, Vénus na 8ª e o Sol aflito na 9ª.
  • Maléficos na 7ª e 12ª casas.
  • A colocação de Júpiter, o Sol, Rahu e Marte nos signos de planetas maléficos e Vénus colocado na 7ª casa.
  • Regente do Ascendente associado com um planeta maléfico ou cercado por 2 planetas maléficos (um na casa anterior e outro na casa posterior) e um planeta maléfico colocado na 7ª casa.
  • A colocação de Saturno na 8ª casa e da Lua no Ascendente ou de Vénus conjunto com a Lua na 6ª ou 8ª casas.
  • A Lua e Mercúrio na 6ª ou 8ª casas.

A boa notícia, após verificarmos a existência tão comum de muitos destes «yogas da desgraça», é que eles podem, pelo menos em parte, ser cancelados. Assim, no próximo artigo abordaremos as condições e as combinações que, no horóscopo, permitem o cancelamento destes yogas de má fortuna.

Sinais de sucesso no Horóscopo#4- Rajyogas

din

Continuamos a analisar os indicadores de sucesso no horóscopo, hoje com uma referência específica ao papel dos Rajyogas e à determinação da sua força no horóscopo. Isto porque não basta constatar a existência de Rajyogas no horóscopo para podermos  concluir de imediato que uma certa pessoa alcançará poder e riqueza, é preciso que estes floresçam na vida da pessoa e, para isso acontecer, certas condições devem ser observadas. É claro que é preferível haver Rajyogas num horóscopo do que não haver nenhum pois, neste último caso, isso revela que a pessoa terá que trabalhar duramente para alcançar o sustento e o que  precisa para prover às necessidades da vida mas, só por si, a presença de um Rajyoga não chega para vaticinar maior facilidade no acesso à riqueza e ao sucesso.

Um Rajyoga – a palavra significa «combinação real»- é uma  combinações planetária que promete prosperidade, riqueza e sucesso no plano material e mundano.

Existem centenas de Rajyogas referidos nos textos antigos mas os mais  expressivos e fáceis de determinar são os seguintes:

Reconhecer um Rajyoga
  1. Quando 3 ou mais planetas estão no próprio signo ou no signo de exaltação no horóscopo. Esta pessoa alcançará sucesso, propriedade de bens móveis e imóveis, se tiver nascido numa família com meios e que lhe permita atingir uma posição proeminente na sociedade. Caso isso não tenha sucedido, ainda assim será bem sucedida, elevando-se acima da média na aquisição de riqueza , de poder e influência ;
  2. Quando 4 ou 5 planetas estão colocados no próprio signo ou no signo de exaltação. Esta pessoa atingirá fama e poder «como um rei», independentemente de qual tiver sido o seu ambiente familiar, mesmo tendo nascido em circunstâncias desfavorecidas.
  3. Quando os regentes da 5ª e da 9ª casa estão em conjunção , em aspeto mútuo (aspeto de 7 casas de separação) ou receção mútua (este último aspeto é designado na Jyotish por «parivartana yoga» e ocorre quando um planeta está colocado no signo que o outro rege e vice-versa: ex- a Lua está em Sagitário e o Júpiter  está no signo de Caranguejo. Esta associação forma uma ligação entre  as casas onde se encontram os dois planetas como se houvesse um aspeto entre ambos  e as casas que ambos regem no horóscopo). Este Rajyoga  é também um «dhana yoga» ou assinatura de riqueza pelo que produz sucesso na área profissional e financeira.
  4. Quando o regente de uma casa trikona (1, 5,9) e uma casa kendra  (4,7,10) estão em conjunção, aspeto mútuo ou receção mútua. Ou quando, alternativamente,  um só planeta  rege duas dessas casas, sendo nesta circunstância designado por yogakaraka. Este yoga também ocorre quando o regente de uma  casa kendra está colocado numa casa trikona ou vice-versa.

Tendo aprendido a reconhecer um Rajyoga no horóscopo, agora é preciso aprender as determinar a sua força para produzir resultados.  A primeira coisa a analisar é a força do Ascendente e do seu regente. Se estes forem fracos por alguma razão  ou  se estiverem sob a influência de planetas maléficos, os efeitos  dos yogas poderão ser muito reduzidos ou nem sequer se manifestar na vida da pessoa.

A Astrologia Jyotish tradicional recorre à análise de diversos fatores para determinar a força do horóscopo.  A Navamsa é um elemento adicional importante, seguido por muitos astrólogos. Apesar de o autor deste artigo concordar com a posição de  que a Navamsa só por si não pode trazer nada que não esteja prometido no horóscopo de nascimento, alguns autores defendem que, quando o regente do Ascendente e o Ascendente do horóscopo de nascimento estão fracos mas  o Ascendente e o seu regente na Navamsa estão fortes, os nativos poderão subir na vida, após muito esforço e muitas lutas.

O regente do Nakshatra de Nascimento, determinado  a partir da posição da Lua no momento de nascimento (pode considerar também o do Ascendente e  o do Sol) é outro fator importante para determinar a força dos planetas. Cada planeta (e o Ascendente) está colocado num determinado  pada ou parte de um Nakshatra , com regência de um determinado planeta -que o leitor pode consultar em qualquer software , como o que  sugerimos em outro local . Pode, em alternativa, consultar a tabela dos Nakshatras que publicámos neste blogue, se souber o grau e o signo em que se encontram os planetas em análise. Tendo encontrado o signo onde se encontra o regente do referido Nakshstra   relativo à posição  onde se encontra a Lua /o Ascendente, vemos a seguir onde é que este está colocado nas Cartas divisionais, começando com a Navamsa e depois também onde está nas restantes 11 ou 15 vargas,  as que habitualmente são consideradas na Jyotish e anotamos os resultados.  No software esta informação aparece em percentagem nas «forças Vimsopack »  para os vários planetas nas cartas divisionais.  Fazemos no entanto a observação de que esta consulta às cartas divisionais pressupões que você conhece ao minuto e segundo a hora do seu nascimento, caso contrário, ignore este passo pois as conclusões não são fiáveis.  Se em todas ou na maioria das vargas os planetas estiverem colocados em boas casas- trikona e kendra- e em signo amigo, próprio signo ou signo de exaltação- não há dúvida de que estes Rajyogas darão bons e grandes frutos na sua vida .

Seguidamente, há outro aspeto ainda a considerar: o dispositor dos planetas que formam o Rajyoga. Estritamente falando, apenas regentes dos signos Mooltrikona  podem ser considerados dispositores. Um dispositor é simplesmente o planeta que rege o signo onde um outro  planeta está colocado. É claro que, quando o planeta está colocado no próprio signo  ele próprio dispõe;  nos restantes casos, a ação do planeta está restringida pela força e ação do planeta dispositor. Nenhum planeta pode produzir efeitos superiores aos do planeta dispositor. Consideramos ainda o regente do Nakshstra onde o planeta está colocado como um dispositor importante. Quando o planeta que forma o yoga não está colocado num signo Mooltrikona, damos mais importância ao regente do Nakshatra onde o planeta se encontra e  cuja força, neste caso, se torna principal.

Quando os planetas dispositores estão colocados nas casas maléficas- 6ª, 8ª, 12ª- ou quando estão colocados no signo de debilitação ou num  signo inimigo, os efeitos dos Rajyogas são prejudicados, embora menos quando  estão simplesmente  em signo inimigo. Os dispositores devem estar colocados em signo amigo, próprio signo/signo de exaltação e numa casa kendra ou trikona, para poderem dar máximos resultados . se estiverem colocados em outros signos que não o de debilitação nem  signo inimigo, ainda poderão dar bons resultados mas menos impressionantes.

Finalmente, e tendo em conta a importância que a Lua tem na Astrologia Jyotish, analisamos ainda  a posição dos planetas tendo em conta um Ascendente alternativo, o Chandra Lagna, que consiste simplesmente em tomar a posição da Lua como o «Ascendente» colocando o resto dos planetas na mesma posição que tinham na carta natal e observar se os planetas continuam colocados em boas casas ou se, pelo contrário, ficam enfraquecidos em casas maléficas.  Vemos ainda, nesta «carta da Lua», qual a força do seu Ascendente. Se for fraco (se receber a influência de planetas maléficos ou debilitados, etc.) e o Ascendente natal também o for, há poucas possibilidades de ver florescer os Rajyogas na vida.   Devemos avaliar se os planetas que, no horóscopo de nascimento formam Rajyoga continuam a formá-lo na «Carta da Lua». Se não acontecer que formem Rajyoga também nesta carta, as possibilidades de aceder de forma fácil ao sucesso , à riqueza e ao poder diminuem.

Assim, em síntese,  anotamos a força dos planetas que formam o yoga, e posição por signo/casa; vemos se os planetas recebem aspetos de outros planetas e se são benéficos ou maléficos; verificamos a força dos dispositores (regente do signo onde o planeta se encontra e regente do Nakshatra correspondente) ;verificamos se o Rajyoga se forma também na «carta da Lua» e eventualmente outros Ascendentes (faremos menção deles num outro artigo). Observamos  se o Rajyoga se forma também na Navamsa e em outras divisionais. Quanto mais elementos se repetirem nas várias vargas mais hipóteses há de que o yoga frutifique.

Os Rajyogas, tal como outras assinaturas no horóscopo, florescem no dasha ou no subperíodo dos planetas envolvidos no yoga.

Sinais de Sucesso no horóscopo #3

frt

Continuamos no presente artigo a expor o método do Dr B. V. Raman para analisar os yogas no horóscopo, a partir da obra «300 Yogas importantes». Voltamos a lembrar que, para evitar controvérsias, o autor lembra que a sua classificação dos «bons e maus regentes»  se refere especificamente à análise dos yogas e é neste contexto que deve ser entendida.

Assim, para avaliar os efeitos dos yogas, e de acordo com o explicado no artigo anterior, devemos identificar os regentes das casas que são benéficos, os que são neutros e os que são maléficos. O autor (B. V. Raman) segue, nesta caracterização, os princípios expressos pela Astrologia Védica tradicional :

Regentes das casas benéficos– o da 1ª, 5º e 9ª (casas trinas) e os regentes das casas kendra (4ª, 7ª e 10ª – a 1ª casa é considerada simultaneamente trina e kendra mas é um caso especial pois o regente do Ascendente nunca é considerado como maléfico) quando os seus regentes são maléficos naturais (e apenas neste caso).

Regentes das casas maléficos-  os da 3ª, 6ª e 11ª e os regentes das casas kendra quando são naturais benéficos.

Regentes das casas neutrosos regentes da  2ª e da 12ª casas e também o regente da 8ª casa. Parashara considerou que o Sol e a Lua são os únicos regentes da 8ª casa considerados neutros num horóscopo na interpretação geral (para os Ascendentes respetivamente de Capricórnio e Sagitário) e o Dr B. V. Raman aceita esta classificação mas, como existem astrólogos que consideram todos os regentes da 8ª casa como maléficos, o autor de «300 Yogas Importantes» reafirma que é  para o propósito da interpretação dos yogas  que o Sol e a Lua devem ser considerados neutros quando regem a 8ª casa. Estes planetas dão resultados a partir das associações com outros planetas.

Agora há que ter em conta que, à exceção do Sol e da Lua, que regem apenas um signo, todos os outros planetas, na Astrologia Jyotish, regem dois signos. E pode acontecer que um planeta pode ser considerado benéfico num dos signos/casa que rege e maléfico ou neutro na outra e, por isso, teremos que conhecer bem quais os planetas benéficos e quais os maléficos ou neutros para cada Ascendente. Devemos também ter presente que o Ascendente é um ponto central para avaliar a força dos yogas. Quando o regente do Ascendente ou a 1ª casa recebem aflições, todas as áreas de vida da pessoa ficam comprometidas e dificilmente os yogas revelarão todo o seu potencial.

Para facilitar a avaliação dos yogas , indicamos a seguir o carácter benéfico, maléfico ou neutro de cada planeta para cada signo Ascendente:

Ascendente Carneiro

 Planetas benéficos

Sol- rege a 5ª casa; Marte- regente da 1ª e da 8ª; Júpiter- regente da 9ª e 12ª.

Planetas neutros- Não existem.

Planetas maléficos– Lua- regente da 4ª casa; Mercúrio- regente da 6ª casa; Vénus- regente da 2ª e da 7ª; Saturno- regente da 10ª e 11ª.

Ascendente Touro

Planetas benéficos – Sol- regente da 4ª casa; Marte-regente da 7ª e 12ª ; Mercúrio- regente da 2ª e 5ª; Saturno-regente da 9ª e 10ª.

Planetas neutros- Vénus- regente da 1ª e da 6ª

Planetas maléficos- Lua- regente da 3ª casa; Júpiter- regente da 8ª e 11ª;

 Ascendente Gémeos

Planetas benéficos – Mercúrio- regente da 1ª e 4ª; Vénus- regente da 5ª e da 12ª.

Planetas neutros- Lua- regente da 2ª casa.

Planetas maléficos- Sol- regente da 3ª casa; Marte- regente da 6ª e 11ª; Júpiter- regente da 7ª e da 10ª; Saturno-regente da 8ª e 9ª.

Ascendente Caranguejo

Planetas benéficos- Lua-regente da 1ª casa; Marte- regente da 5ª e da 10ª; Júpiter- regente da 6ª e da 9ª;

Planetas neutros- Sol- regente da 2ª casa; Saturno- regente da 7ª e da 8ª.

Planetas maléficos- Mercúrio- regente da 3ª e 12ª; Vénus- regente da 4ª e da 11ª.

Ascendente Leão

Planetas benéficos- Sol- regente da 1ª casa; Marte- regente da 4ª e 9ª;

Planetas neutros- Lua-regente da 2ª casa; Júpiter- regente da  5ª e 8ª ; Saturno- regente da 6ª e 7ª.

Planetas maléficos- Mercúrio- regente da 2ª e 11ª; Vénus- regente da 3ª e 10ª.

Ascendente Virgem

Planetas benéficos- Vénus- regente da 2ª e 9ª.

Planetas neutros- Sol- regente da 12ª; Mercúrio- regente da 1ª e 10ª; Saturno- regente da 5ª e 6ª.

Planetas maléficos- Lua- regente da 11ª: Marte- regente da 3ª e 8ª; Júpiter- regente da 4ª e 7ª;

Ascendente Balança

Planetas benéficos- Marte – regente da 2ª e da 7ª; Mercúrio- regente da 9ª e 12ª; Vénus- regente da 1ª e 8ª casas; Saturno- regente da 4ª e 5ª.

Planetas neutros- não existem.

Planetas maléficos- Sol- regente da 11ª; Lua- regente da 10ª; Júpiter- regente da 3ª e 6ª.

Ascendente Escorpião

Planetas benéficos- Sol- regente da 10ª casa; Lua- regente da 9ª casa; Júpiter- regente da 2ª e 5ª

Planetas neutros– Marte- regente da 1ª e da 6ª; Saturno- regente da 3ª e 4ª.

Planetas maléficos- Mercúrio- regente da 8ª e 11ª; Vénus- regente da 7ª e 12ª;

Ascendente Sagitário

Planetas benéficos- Sol- regente da 9ª casa; Marte- regente da 5ª e 12ª;

Planetas neutros- Lua- regente da 8ª casa; Júpiter- regente da 1ª e 4ª;

Planetas maléficos- Mercúrio- regente da 7ª e 10ª; Vénus- regente da 6ª e 11ª; Saturno- regente da 2ª e 3ª.

Ascendente Capricórnio

Planetas benéficos- Mercúrio- regente da 6ª e 9; Vénus- regente da 5ª e 10ª; Saturno- regente da 1ª e da 2ª.

Planetas neutros- Sol- regente da 8ª casa;

Planetas maléficos- Lua- regente da 4ª casa; Marte; regente da 4ª e 11ª;Júpiter- regente da 3ª e 12ª.

Ascendente Aquário

Planetas benéficos- Sol- regente da 7ª casa; Marte- regente da 3ª e 10ª; Vénus- regente da 4ª e 9ª; Saturno- regente da 1ª e 12ª.

Planetas neutros- ; Mercúrio- regente da 5ª e 8ª

Planetas maléficos- Lua- regente da 6ª ; Júpiter- regente da 2ª e 11ª.

Ascendente Peixes

Planetas benéficos- Lua- regente da 5ª casa; Marte- regente da 2ª e 9ª;

Planetas neutros- Júpiter- regente da 1ª e 10ª

Planetas maléficos- Sol- regente da 6ª; Mercúrio- regente da 4ª e 7ª; Vénus- regente da 3ª e 8ª; Saturno- regente da 11ª e 12ª.

Quando algum destes planetas está envolvido num yoga, é preciso avaliar a força de ambos os planetas para prever os resultados desse yoga. Pedimos ao leitor que consulte o primeiro artigo  sobre este tema  para se inteirar da metodologia de avaliação proposta por B. V. Raman e que consiste em atribuir pontos positivos ou negativos aos planetas. Tal como explicámos nesse artigo, se os pontos positivos forem superiores aos negativos e se o planeta yogakaraka estiver forte; se o nativo tiver oportunidade de experienciar o dasha do planeta mais forte envolvido no yoga (determinado a partir da força shadballa e vimsopack, visíveis nos cálculos do software como referimos, haverá uma elevada probabilidade de os yogas do horóscopo trazerem  benefícios para a vida da pessoa, quando são positivos. Os yogas negativos ou arishtas também podem trazer problemas para a vida como explicaremos em posteriores artigos.

Finalmente, deixamos mais uma nota ao leitor sobre a classificação dos planetas por Ascendente, proposta pelo Dr B. V. Raman: esta  é a tradicional da Astrologia Jyotish. O Leitor poderá ler outras posições, para a leitura geral do horóscopo, na série de artigos que publicámos «Planetas benéficos e maléficos para cada signo Ascendente neste blogue. Para evitar a controvérsia ou a confusão de alguns leitores menos familiarizados com a Astrologia Jyotish, tenha em mente que, de acordo com a própria posição deste ilustre investigador da Jyotish, a classificação dos planetas apresentada neste artigo deve ser tida em conta especificamente para a análise dos yogas no horóscopo.

Em artigos seguintes ilustraremos outros aspetos a ter em conta na análise dos yogas no horóscopo.

Sinais de Sucesso no Horóscopo #2- Analisar os Yogas

boa

Num horóscopo é raro haver sinais exclusivo de « boa» ou de  «má» sorte, existindo, na maioria dos casos, uma mistura de ambos. Para saber qual dos «lados» predominará na vida da pessoa, temos que aprender a avaliar as assinaturas do horóscopo- as combinações de planetas ou yogas. Para tal, hoje apresentamos  o método de análise e avaliação do reputado Dr B. V. Raman. O presente artigo é feito por referência ao livro «300 importantes Yogas» deste conceituado investigador e astrólogo da Astrologia Jyotish.

Para podermos prever o sucesso num horóscopo, precisamos de saber analisar e avaliar tanto os indicadores de «fortuna», sucesso ou sorte, como os indicadores  de má fortuna ou insucesso ou má sorte no horóscopo- os aristha yogas. Antes de analisarmos estes indicadores- tanto os de boa sorte como os de má sorte- precisamos de saber como interpretar os yogas em geral. Não há apenas um método de o fazer na Jyotish, mas hoje expomos o que é proposto por este nome grande da Astrologia Jyotish, na referida obra, por ele ser uma referência fundamental  e incontornável do trabalho de investigação e de interpretação astrológica.

O Dr B. V. Raman  considera que os yogas são referenciais de sucesso- saúde, boas qualidades da personalidade, sucesso mundano – social, político- e financeiro, boa educação, força mental e física, qualidades positivas do cônjuge , dos filhos, dos amigos, das relações sociais, qualidades morais expressas na conduta e, de modo geral, todas as fontes de prazer e de felicidade para o nativo. Os aristhas, por sua vez, são referenciais de todo o tipo de preocupações, tristeza e infelicidade, incluindo todos os problemas, misérias e perturbações – do corpo e da mente, doenças, deformidades físicas, perdas financeiras, qualidades negativas do cônjuge, dos filhos, dos  amigos, dos relacionamentos sociais e também do próprio nativo, indicando por vezes uma natureza malévola- e todas as fontes de tristeza e infelicidade na vida.

Neste contexto, yogas e aristhas formam-se quando dois planetas, regendo determinadas casas, estão em associação, em aspeto ou receção mútua. E, de acordo com B. V. Raman, a primeira coisa a fazer ao avaliar qualquer  combinação destas- yoga benéfico ou aristha maléfico- é analisar se a natureza dos planetas envolvidos, de acordo com as casas que rege, é benéfica ou maléfica. Se for maléfica, o yoga pode não dar resultado positivo. Seguidamente, devemos ter em conta se os planetas envolvidos no yoga estão em aspeto ou associação com algum planeta maléfico ou benéfico. A Astrologia Jyotish tem um  caráter quantitativo e, por isso, o método de análise do Dr. Raman consiste em atribuir 1 ponto positivo para cada um dos resultados obtidos quando estes são positivos, e um ponto negativo para cada resultado negativo obtido.

Ex.: o planeta  envolvido num determinado yoga é regente de uma casa auspiciosa, recebe 1 ponto positivo; se o outro planeta envolvido está no signo de debilitação, recebe um ponto negativo, etc.

Se, no final, os pontos positivos predominarem, o yoga dará bons resultados na vida do nativo. Entre os dois planetas envolvidos, o que tiver maior força desempenha o papel principal nos resultados do yoga e dará fruto durante o seu dasha; quanto ao outro planeta, produzirá efeitos nos seus subperíodos em outros dashas, embora segundo B. V. Raman, de forma menos significativa. Na determinação da força dos planetas, o Dr. Raman dá bastante relevo à força shadbala (hoje facilmente calculada pelo software especializado, como o programa gratuito Jaganatha Hora) e, embora ele considere como relevantes outras forças como a vimsopack bala  obtida  pela avaliação da colocação desses planetas nas cartas divisionais (também calculada pelo software referido), bem como à natureza funcional dos planetas para cada signo Ascendente, na determinação de qual dos planetas no yoga é mais forte, a força shadbala aparece como a principal porque se refere à força intrínseca do planeta em causa.

Ainda segundo este investigador, a natureza dos resultados de um yoga tem a ver com a casa onde o yoga ou combinação desses planetas ocorre. A força global dos planetas envolvidos no yoga determina a grandeza ou relevância desses resultados.

Complementarmente, devemos avaliar a força do planeta yogakaraka do horóscopo e determinar a sua força para produzir resultados positivos na vida da pessoa. Para casa signo Ascendente, existem planetas que têm a capacidade de trazer sucesso, riqueza e status ao nativo- yogakarakas-  devemos analisar a força desses planetas, de forma simples: ver se está no signo de exaltação, no  próprio signo , signo amigo/signo inimigo, debilitação e se está em associação com algum outro planeta, maléfico ou benéfico e, para cada um desses aspetos atribuir pontos positivos ou negativos:

Se o planeta yogakaraka é um planeta benéfico- +1 ponto

Se está com um regente de outra casa benéfico- +1 ponto

Se recebe o aspeto de um planeta benéfico- +1 ponto

Se está exaltado ou no próprio signo- +1 ponto

Se, pelo contrário, o planeta yogakaraka :

É um planeta maléfico- -1 ponto

Está com um regente de casa maléfico- -1ponto

Recebe o aspeto de um planeta maléfico- -1ponto

Está colocado no planeta de debilitação- -1 ponto

 Planetas Yogakarakas por Signo Ascendente

Signo Carneiro- Sol—–Signo Touro- Saturno —–Signo Gémeos  Mercúrio —–Signo Caranguejo- Marte —–Signo Leão- Marte —–signo Virgem- Mercúrio ——Signo Balança- Saturno —–Signo Escorpião- Lua —–Signo Sagitário- Sol —–Signo Capricórnio- Vénus —–Signo Aquário-  Vénus —–Signo Peixes- Lua

Se os pontos positivos predominarem, isso influencia positivamente o florescimento dos yogas benéficos e haverá principalmente resultados positivos nestes yogas; se, pelo contrário, os pontos negativos predominarem, os yogas benéficos dificilmente darão bons resultados.

No próximo artigo indicaremos quais os planetas benéficos, neutros e maléficos para cada signo Ascendente, no que se refere à interpretação dos yogas (e especificamente neste contexto, pois existe alguma controvérsia em relação à classificação da natureza funcional benéfica e maléfica dos planetas, na Astrologia Jyotish, como escrevemos em outro lado) e referiremos os princípios básicos da interpretação dos yogas segundo o Dr. B. V. Raman.

Sinais de sucesso no Horóscopo- #1

cmbn

A Astrologia Jyotish tem meios para avaliar com  bastante rigor   qual o potencial de sucesso nas várias áreas de  vida, interpretando as assinaturas ou yogas (combinações) que ligam certos planetas e certas casas do horóscopo numa influência mútua e concentrada. Existem milhares destas combinações possíveis mas algumas permitem ver, numa primeira abordagem do horóscopo, quando estão presentes,  grau de sucesso que uma pessoa pode ter na vida. Falaremos de algumas destas combinações – yogas- em vários artigos e começamos por  referir alguns indicadores que permitem ao público menos treinado na interpretação astrológica olhar para um mapa astrológico e encontrar facilmente importantes  indicadores de sucesso.

Quando olhamos para um horóscopo, há uma primeira forma muito simples de saber qual o potencial de sucesso de alguém: quantos planetas estão colocados no próprio signo e no signo de exaltação? Se não houver nenhum, a pessoa pode ter sucesso mas será mediano. Se houver pelo menos um, será de esperar  um sucesso razoável embora não extraordinário. Mas, se houver 3 ou 4 planetas no próprio signo e/ou no signo de exaltação, essa pessoa terá, sem dúvida, um excelente potencial de sucesso. Complementarmente, verificamos quais as casas em que os regentes das casas mais auspiciosas – 1ª, 5ª, 9ª, 10ª- estão colocados. Se estiverem em alguma destas, o potencial de sorte e de sucesso é maior; se estiverem nas restantes casas, à exceção da 6ª, 8ª, e 12ª, o sucesso pode ainda ser razoável; mas se estiverem na 6ª,na  8ª,ou12ª casas, o sucesso será muito dificultado senão impossível, de acordo com o numero de casas maléficas ocupadas por esses regentes.

Devemos também ver se existem planetas debilitados. Se houver  um ou mais, será  de esperar que a pessoa experimente dificuldades nas áreas de vida representadas pelo planeta e pelas casas que ele rege e também pela casa onde está colocado. Se houver mistura de  planetas debilitados e planetas no próprio signo/signo de exaltação, a pessoa terá resultados mistos na vida. O mesmo acontece se tiver um planeta no próprio signo/signo de exaltação e outros em signos amigos/inimigos ou algum debilitado; se não houver nenhum planeta colocado no próprio signo/signo de exaltação mas  a maioria estiver em signos amigos e em boas casas – teremos um sucesso mediano, como acontece com a maioria, dependendo da força dos vários planetas mas não será de esperar que nos destaquemos para além do que é o destino comum.

Quando iniciamos a leitura de um horóscopo devemos ver onde está colocado o regente do Ascendente e ver quais os aspetos para o  Ascendente pois o Ascendente é o ponto de partida e o centro da nossa existência individual. E, em igualdade de forças, segundo a tradição da Astrologia Jyotish, vemos também a Lua. Uma regra básica da Jyotish é que qualquer assinatura de prosperidade (Maha Yogas, Pancha Mahapususha yogas, Rajyogas) só dá plenos efeitos se estiver associada de algum modo ao Ascendente ou ao regente do Ascendente ou, em alternativa, associada à Lua, vista como um Ascendente Alternativo (Chandra Lagna) na Jyotish. Caso não exista essa associação mas haja ligação com alguma das casas mais auspiciosas, a pessoa ainda terá sucesso mas em menor grau. Em seguida vemos onde está colocado o regente da 9ª casa , a casa da sorte e da fortuna para esta vida.

As casas mais auspiciosas do horóscopo são a 1ª, 5ª, 9ª, 10ª: Se o regente do Ascendente e o regente da 9ª casas forem fracos mas os regentes da 5ª e da 10ª casas tiverem força, um sucesso muito razoável será ainda possível. Em casos excecionais, os regentes destas casas estão todos  relacionados entre si e influenciam todos eles uma destas casas auspiciosas. Quando isso acontece ,forma-se um Maha Yoga  de primeira qualidade mas  é raro encontrar  um horóscopo no qual todos estes elementos estejam ligados. Porém, se alguns destes regentes estiverem associados e influenciarem uma determinada casa, então a área de vida representada por essa casa florescerá na vida da pessoa de  forma muito notória e visível.

Quando a 9ª casa do horóscopo contém planetas maléficos ou o seu regente está enfraquecido pelo aspeto de planetas maléficos, mesmo que o regente do Ascendente esteja bem colocado, a pessoa experimentará má sorte na vida. Do mesmo modo, quando vários planetas maléficos influenciam uma determinada casa, isso indica sofrimento ou dificuldades nos significados  da área de vida representada pela casa: quando um planeta maléfico influencia uma casa do horóscopo, haverá dificuldades nessa área mas a pessoa poderá, na maioria dos casos, superar isso; quando são dois a estender a sua influência maléfica sobre uma casa, isso indica muitas lutas e dificuldades na vida relacionadas com essa área de vida; se são três ou mais, será difícil  superar as dificuldades que atingirão a pessoa nessa área.

Quando há planetas benéficos colocados nas  casas kendra- 1ª, 4ª, 7ª e 10ª- as possibilidades de sucesso da pessoa aumentam exponencialmente. Isto acontece porque são estas casas que constituem os alicerces do horóscopo. Finalmente, para que o sucesso seja possível, o regente do Ascendente e da Lua não devem estar colocados em casas maléficas- 6ª, 8ª ou 12ª . Em artigos seguintes analisaremos algumas das assinaturas de sucesso no horóscopo.