Planetas Benéficos , Maléficos e Neutros para o Ascendente Caranguejo

Para uma introdução a este tema, apresentada no primeiro artigo desta série, por favor clique aqui.
Conhecer os planetas mais benéficos ou mais maléficos para cada signo Ascendente é importante porque nos ajuda a prever os efeitos dos períodos dasha e dos seus subperíodos. Com efeito, a Astrologia Jyotish considera que, ao longo da nossa vida e por um número diferenciado de anos, cada planeta é o «regente principal» da nossa carta astrológica. E é nesses períodos principais ou nos seus subperíodos que os significados gerais e específicos dos planetas em causa se fazem sentir na nossa vida. Por exemplo, o período principal de Vénus dura 20 anos. Se Vénus for um planeta funcional benéfico para o nosso Ascendente, ao longo desse tempo veremos florescer os seus significados gerais e específicos de forma positiva. Será um tempo para sentirmos a nossa vida decorrer de acordo com os nossos objetivos e desejos: vénus simboliza conforto, luxo, prazer, amor e beleza, etc. e, de acordo com a sua posição no nosso horóscopo e com as casas que rege, adquire ainda outros significados para nós. Todos eles se ativarão durante esse período, em conjugação com os significados dos planetas que operam nos subperíodos desse dasha. Mas, se Vénus for um planeta funcional maléfico para o nosso Ascendente, sofreremos dificuldades e privações durante esses períodos. Assim, sabendo antecipadamente quais são as tendências gerais de cada período da nossa vida – qualquer bom software de Astrologia Jyotish apresenta os cálculos com as datas de todos os períodos dasha e respetivos subperíodos da nossa vida – poderemos tomar algumas medidas que ajudem a reforçar os aspetos positivos e a minorar os negativos.
 
 Planetas Benéficos e/ou Neutros para o signo Ascendente Caranguejo- Abordagem da Astrologia Jyotish Clássica
. 1º- Marte, pela regência da 5ª e da 10ª casas, o que o torna um planeta yogakaraka, ou seja, por si só constitui um Rajayoga ou planeta capaz de trazer poder , riqueza e fama.
2º- Júpiter, que rege a 6ª e a 9ª casas . a regência da 6ª casa é má, porém, a abordagem tradicional da Jyotish considera que a regência da 9ª, a casa mais forte do horóscopo, torna Júpiter um planeta temporalmente benéfico para este Ascendente. Porém, no período e nos subperíodos do planeta, serão também experienciados conflitos, excesso de despesas , dívidas, etc. Alguns quantificam Júpiter como sendo 90% benéfico e 10% maléfico para este Ascendente.
3º- A Lua é regente da 1ª casa e, por esse facto, é considerado um planeta benéfico temporal devido à regência do Ascendente.
4º- O Sol ,pela regência da 2ª casa, que é uma casa Maraka, é considerado neutro temporal. No plano do desenvolvimento material e da aquisição de riqueza, se estiver forte, permite acumular muitos bens.
Planetas Maléficos para o Signo Ascendente Caranguejo- Abordagem da Astrologia Jyotish Clássica
1º- Saturno. Saturno rege a 7ª e a 8ª casas. E, se é verdade que a 7ª é uma casa kendra e que os planetas maléficos perdem a natureza má quando regem estas casas, a 8ª casa é ocupada pelo signo Mooltrikona de Saturno e, sendo uma casa de morte, reforça o significado de Saturno como planeta maraka, pois a 7ª casa que ele rege é uma casa maraka (capaz de produzir a morte).
2º- Vénus. Rege a 4ª e a 11ª casas. Vénus é um planeta benéfico natural e, ao reger uma casa kendra, perde o caráter benéfico. A 4ª casa é ocupada pelo signo Mooltrikona de Vénus, o que reforça este aspeto. Por outro lado, a 11ª casa é considerada uma das casas de egoísmo e, assim, Vénus é considerado um planeta maléfico temporal.
3º- Mercúrio. Mercúrio rege a 3ª e a 12ª casas, tendo o seu signo Mooltrikona na 3ª casa e é considerado um planeta maléfico temporal devido ao facto de a 3ª casa ser uma das casas relacionadas com os desejos e, por isso, inclinando para a prossecução de objetivos egoístas.
Planetas Benéficos e Planetas Maléficos segundo V. K Choudhry e a Abordagem Sistémica da Astrologia Jyotish
Esta abordagem é extraordinariamente simples e respeitadora dos princípios clássicos da Jyotish, embora com adaptações que a tornam muito eficaz na análise e nas previsões. Além do mais, permite ultrapassar as contradições de alguns velhos princípios da Jyotish que radicam muitas vezes na tradição oral e com os quais se digladiam muitos astrólogos védicos hoje, aceitando nuns casos o que rejeitam noutros, embora usem os mesmos princípios, o que se torna contraditório.
Segundo esta abordagem, um planeta funcional maléfico é aquele cujo signo Mooltrikona ocupa uma das casas maléficas que, nesta abordagem são apenas : a 6ª, a 8ª, a 12ª.
Para o Ascendente Caranguejo, são os seguintes os planetas funcionais maléficos: 
Júpiter , Saturno, Rahu e Ketu . Júpiter é considerado funcional maléfico porque o seu signo Mooltrikona ocupa a 6ª casa das obstruções , das dívidas, dos conflitos, dos inimigos e das doenças. Saturno é o mais maléfico, devido à regência da 8ª casa, onde está o seu signo Mooltrikona, Aquário.
Para o Ascendente Caranguejo são os seguintes os planetas funcionais benéficos:
Sol, Lua, Marte, Mercúrio, Vénus. Nesta abordagem Vénus é mesmo considerado o planeta mais benéfico pois o seu signo Mooltrikona ocupa a 4ª casa, considerada estruturante na nossa vida. Vénus pode trazer muitos bens, fama e popularidade a estes nativos, se estiver bem colocado no horóscopo e sem receber aspetos de planetas maléficos funcionais. Para os leitores que se mostrem perplexos pelo facto de, em duas abordagens da Astrologia Jyotish um planeta ser considerado bom, funcionalmente e noutra ser considerado mau (Já lemos a opinião de alguns astrólogos védicos segundo a qual Vénus seria o pior planeta para este Ascendente) pedimos que se lembrem de que, tal como qualquer outro saber, o saber astrológico não é absoluto, estando sujeito a divergências, algumas das quais têm a ver com a definição do que é «bom» ou «mau». É esta a razão pela qual preferimos a abordagem de V. K. Choudhry, em que a consideração de um planeta bom ou mau se refere exclusivamente à regência de casas más pois os seus efeitos trazem efetivamente problemas, perdas, doença, inimigos, etc, para a vida das pessoas. Mas muitos astrólogos classificam um planeta como mau porque ele inclina a pessoa a prosseguir objetivos egoístas. É o caso do planeta Mercúrio, por ex., para este Ascendente. Porém, quando vemos os efeitos de Mercúrio como regente da 3ª casa do horóscopo, percebemos que, se o planeta estiver forte e bem colocado dá inteligência, dons de discurso e de escrita, iniciativa para levar a cabo qualquer empreendimento… e compreendemos que é por uma questão de valores e não por uma razão objetiva, que se classifica o planeta como «mau» para este Ascendente. Consideramos por isso que a abordagem de V. K. Choudhry é melhor porque é fundamentada e objetiva.
Esta classificação baseia-se na conceção de que há apenas 3 casas maléficas, que são a 6ª, a 8ª e a 12ª e de que, por isso, são apenas os regentes destas casas – quando ocupadas por signos Mooltrikona – que não conseguem proteger os seus significados gerais e particulares num horóscopo.
Isto não significa que os restantes planetas deem necessariamente bons resultados, pois isso depende da sua força e do facto de não estarem aflitos nem colocados numa das casas maléficas. Porém, com esta classificação, focamos o interesse na análise dos fatores que realmente importam e que têm a ver com a capacidade dos planetas produzirem resultados num horóscopo, o que acontece durante os trânsitos pelas posições natais em relação ao Ascendente e pelas casas, principalmente no seu ponto mais efetivo e durante os subperíodos dos planetas: os planetas funcionais benéficos trazem bons resultados de acordo como os seus significados; os funcionais maléficos trazem obstruções, conflitos, doença, perda de estatuto e de rendimento, etc. Adicionalmente, um planeta funcional benéfico fraco não consegue fazer florescer os seus significados no horóscopo, a menos que receba aspetos de planetas funcionalmente benéficos e fortes.