Um Outro Olhar sobre os Nakshatras- Bharani

 Bharani

O Nakshtra de Bharani  tem  regência planetária de Vénus.  A árvore sagrada deste Nakshatra é a Emblica Officinalis ou «groselha da Índia». Este Nakshstra ocupa a extensão que vai desde 13º 20’ a 26º 40’ de Carneiro. A pedra associada é o Diamante branco ou a Safira branca. A divindade associada é Yama, que está ligada à ideia de restringir, disciplinar , auto restringir. Também significa concentração mental, nascimento de gémeos de sexo diferente, o número dois. Yama é o deus que preside aos Pitris (Pais) e governa o mundo dos mortos, é o juiz e o que pune os espíritos dos mortos.  Habita uma das regiões do submundo, sendo equivalente a Plutão ou Hades da mitologia greco-romana. Na mitologia védica  mais tardia é considerado um deus terrível  que inflige horríveis torturas. É um dos  8 regentes do mundo, responsável por uma parte do Sul. É considerado o regente do planeta Saturno como filho de Vivasvata e Chaya. É aquele que «amarra» o espírito prendendo-o depois deste se libertar do corpo na morte física.

O Nakshtra de Bharani está relacionado com  a capacidade para adquirir riqueza e  todo o tipo de posses mas também, igualmente, com o «carregar um fardo», qualquer que este seja, incluindo carregar o peso (material) da própria riqueza: este peso que a pessoa carrega pode ser muito variado, podendo ser um fardo físico ou psíquico: carregar a dor pela perda de um filho (aborto), o peso de ser obeso, um fardo pelas condições de vida, por ser objeto de injustiça , um peso nos ombros, de modo geral, os eventos da vida estão associados ao sentimento de carregar um fardo, mesmo  os que são de natureza auspiciosa como acumular uma fortuna.  Assim, este Nakshatra implica a ideia básica de que a vida terrena se  apoia num conjunto de  condições que são, todas elas, de uma forma ou de outra, limitativas e restritivas: das responsabilidades aos deveres, da necessidade de ganhar o sustento  ao peso das responsabilidades e deveres; pagar as dívidas contraídas no passado, tanto materiais como kármicas, toda a vida  terrena é, por natureza , um fardo que obriga a fazer esforço para nela permanecer. É o plano  no qual é preciso «acertar contas» carregando o fardo respetivo enquanto isso for necessário, sem poder escapar.

Assim, os prazeres sensuais, a música, a procura de riqueza, a sexualidade são, na verdade, uma nuvem de ilusões do mundo sensorial, em que todas as conquistas são efémeras e em que tudo o que se possui acabará por se esboroar retirando o sentido a todas as lutas que se fazem neste mundo para adquirir mais e mais posses.

O Nakshstra de Barani está associado com os contratos e acordos , com a conquista de riqueza financeira resultante de parcerias, alianças, interesses partilhados, em simultâneo com o fardo necessário para manter este mundo criado pela civilização e todos os papeis e funções que suportam o mundo social e os seus privilégios.

Barani está associado com a ideia de manter e carregar algo, inclusivamente no útero, como na gravidez; manter, suportar, nutrir,  pagar um  salário. O símbolo deste Nakshatra, um recipiente de barro   que significa o poder passivo da energia criativa feminina, tem a regência de deus Yama, que é o deus da morte.

Em textos como Atharva Veda Barani é, na verdade, o último Nakshtra, associado com o final da vida;   expresso em outros símbolos, este é o Nakshatra que representa as águas que carregam tudo e lavam de impurezas. Daí que o poder (shakti) deste Nakshstra seja precisamente o de remover  e limpar as impurezas .

O Gana ou temperamento de Barani é humano e o seu primeiro impulso é o de procurar riqueza e prosperidade.  O regente Vénus  indica fortes desejos de natureza sexual e a criatividade  associada.

Os nativos de Bharani desejam  ser respeitados pelos mais velhos e pelos seus pares. Sentem-se restringidos pelo dever e também querem receber o que lhes é devido, tanto em termos materiais como espirituais. Segundo os clássicos, os nativos influenciados por Bharani podem não ser alvo de muita estima por parte dos outros, embora sejam puros de coração. Não agem contra a sua consciência e isso causa-lhes problemas na vida.  Não se importam de destruir o relacionamento com os que lhes são próximos, mesmo por coisas sem importância. Mas são capazes de reconhecer que fizeram mal e mudar de comportamento se a sua consciência reconhecer o erro. São arrogantes e não obedecem a ninguém, embora sejam puros de coração. Não aceitam subordinar-se a ninguém nem se rebaixam perante ninguém. Do mesmo  modo, não aceitam conselhos  dos outros. Têm em geral uma boa educação e dão-se bem numa carreira pública. Podem no entanto sofrer perdas financeiras e são também alvos constantes de críticas por parte dos outros. São altamente ambiciosos, gostando de sobressair perante os outros e gostam de liderar os outros. A sua vida passa por muitos altos e baixos e têm que enfrentar muitos fracassos.  Gostam de espalhar rumores e lutam por princípios que, em último caso, lhes trarão problemas.  Mas não haverá períodos longos muito maus nem muito bons, simplesmente terão que enfrentar o bom e o mau ao longo da vida. Precisarão que cuidem deles mas não conseguem manter relacionamentos permanentes com ninguém e os amigos virar-se-ão contra eles em várias ocasiões. Após os 33 anos terão uma melhoria nas condições de vida em termos gerais.  O casamento ocorre por volta dos 27 anos e é feliz e o cônjuge tem boas qualidades. Estes  nativos gostam da família e  não gostam de estar separados dela. Os principais problemas de saúde envolvem os dentes, diabetes, apoplexia, dores no corpo, febres altas. Deverão ter cuidado com a água, viagens por água  e ao tomar banho no oceano ou em rios.  Podem ser feridos  na testa e entre os olhos. Em geral comem pouco e podem fumar muito, o que exige cautela com os pulmões. Os nativos homens de Bharani podem tornar-se advogados, especializados em assuntos financeiros. Podem igualmente dar-se bem na gestão de testamentos e outras matérias relacionadas com os mortos. São também especialistas na realização de contratos e acordos. O seu temperamento impulsivo leva-os a enfrentar vários problemas, gerando antagonismo dos outros em relação a si. Os seus princípios morais não são irrepreensíveis. Podem ter um ligeiro defeito na parte do corpo abaixo da cintura.

De acordo com os antigos textos, as mulheres de Bharani são briguentas e traiçoeiras por natureza, tendo tendência para pensamentos malvados e de inveja, sobretudo em relação a outras mulheres mas também relativamente ao marido e amigos. São arrogantes, calculistas, astutas e frias.

Segundo Parashara, as ações de Bharani incluem competitividade, ações cruéis, lidar com venenos, escavar poços, coisas da agricultura, coisas relacionadas com o fogo.

1º pada- 13º20’  a 16º 40’ Carneiro- Regência do Sol-  Este pada tem a ver com a criatividade e a interioridade do self. Os nativos com planetas aqui podem ser muito egocêntricos e perder de vista a perceção do outro podendo por isso ter respostas inadequadas sentidas pelos outros como insensíveis ou ofensivas. Mas a  energia do pada pode ser usada de forma positiva desde que o horóscopo no seu todo seja forte e o permita.  O Sol, Marte e Júpiter são fortes neste pada. Os nativos   serão ricos, terão o respeito de irmãos e irmãs, terão vários veículos.  Mas poderão perder riqueza devido a maus investimentos. Tendem a pensar apenas no momento, sem preocupação pelo futuro.  A pele destes nativos é corada, o cabelo é castanho ondulado, os olhos mortiços com pontos vermelhos. São determinados mas nem sempre inteligentes, egoístas mas fáceis de levar. Confiam pouco nos outros. Têm pouca iniciativa, fazem o que lhes mandam.

2º pada – 16º 40 a 20º de Carneiro–  Regência de Mercúrio– A ênfase deste pada é o trabalho árduo e a capacidade de serviço aos outros. Os planetas aqui colocados tendem a exprimir a sua faceta mais altruísta. Mercúrio, Marte e Rahu são os que dão melhores resultados neste pada. Os nativos são felizes na maior parte da vida. Recebem herança do avô materno. Têm uma boa  educação e relacionam-se com pessoas instruídas com as quais podem trocar ideias. Têm sorte no emprego  e têm  patrões justos e amigáveis.  Os homens são dados ao flirt , têm fracos princípios de moral, provavelmente aproveitar-se-ão dos amigos e da família. Cultivam uma imagem de polidez e de delicadeza que engana os outros em geral. São diretos na forma de falar. São alvo de crítica dos outros. Podem perder riqueza financeira.

3º Pada- 20ª a 23º 20’ de CarneiroRegência de Vénus–  Este pada tem a capacidade de criar articulação e harmonização entre  características opostas . Trata-se porém de uma energia  muito sexualizada que propende para procurar incessantemente relacionamentos e sexo. Este é um pushkara navamsa pada e, por isso, permite que o nativo preencha todos os desejos. Mercúrio, Vénus e Rahu são os que dão resultados melhores neste pada. Os nativos têm 2 cônjuges. São muito respeitados e estimados por muitos. São compassivos para os pobres e os que sofrem necessidades. Gostam de bebidas quentes. Ganham a partir de negócios de seda e algodão, produtos agrícolas, hotelaria.  Os homens são dados ao flirt , têm fracos princípios de moral, provavelmente aproveitar-se-ão dos amigos e da família. Cultivam uma imagem de polidez e de delicadeza que engana os outros em geral.

4º pada- 23º20’ a 26º 40’ de CarneiroRegência de Marte–  Esta parte do Nakshatra tem uma energia que é propensa a extremos. Os planetas aqui colocados têm a tendência para atuar de forma primitiva, sem reconhecer limitações. Se esta energia for canalizada de forma apropriada, grande inovação e criatividade podem surgir. Apesar de o Sol , Marte ou Ketu serem fortes neste pada, não é certo que deem resultados positivos. Júpiter e Vénus são os mais capazes de usar a energia deste pada de forma criativa e não destrutiva. Os nativos do pada  têm um caráter questionável, podem ser malvados. Podem ser objeto de cirurgia. Podem trabalhar  numa área de transportes navais ou trabalhar na área da química. Os homens são dados ao flirt , têm fracos princípios de moral, provavelmente aproveitar-se-ão dos amigos e da família. Cultivam uma imagem de polidez e de delicadeza que engana os outros em geral.