Animais como Nós, o Esquilo, um Ladrão de Nozes Inteligente


Os esquilos  fazem parte do nosso imaginário, crianças  que crescemos  mergulhadas no universo da Disney. Mas, para além do plano da fantasia, que sabemos acerca destes irrequietos e inteligentes animais? Os que não convivem com eles  diariamente, não se  apercebem das suas espantosas características. 
Já aqueles que têm relações de vizinhança com estes simpáticos membros da família  dos roedores, aprenderam há muito que não é fácil demovê-los de roubar sementes ou nozes que tenhamos ao alcance, pois desmontam habilmente  todas as armadilhas que montamos  para os afastar. Adaptam-se e aprendem com uma facilidade incrível.
O esquilo  está disseminado por um largo território, habitando nas Américas , Eurásia, África, mesmo na Austrália, onde foi introduzido. Faz parte da  grande família dos Rodentia, que constitui o maior grupo dos mamíferos.  Existem três grandes grupos de esquilos: os que vivem no chão-  de pelo avermelhado- os que vivem nas árvores- de pelo cinzento- e os «voadores», que têm hábitos predominantemente nocturnos. 
Os esquilos são principalmente herbívoros alimentando-se de sementes e nozes mas também comem ovos, insectos e pequenos animais. Possuem uma cauda que se destaca mas  que não é um mero adorno: usam-na como escudo em relação à chuva, abanam-na de trás para  a frente  para aliviarem o excesso do calor do Sol, serve-lhes para se aquecerem quando dormem e a enrolam no corpo, apara-lhes a queda quando saltam de ramo em ramo…
Estes animais passam muito tempo no chão a procurar comida. No Inverno escavam as nozes armazenadas em vários locais, tenham ou não sido enterradas por eles- sempre que podem não se eximem de roubar comida. Não é certo se, ao escavarem comida, o fazem por se lembrar dos locais onde a enterraram ou se a encontram pelo cheiro.  Uma coisa é certa: este hábito de enterrar as nozes e sementes é uma forma de ajudar a reflorestar as várias áreas onde vivem
Os esquilos não são animais muito sociais, embora os esquilos cinzentos sejam mais gregários do que os de pelo avermelhado. Na época de reprodução, que é diferente em ambas as espécies – nos esquilos cinzentos a fêmea está receptiva apenas durante algumas horas – o macho e a fêmea podem ambos acasalar com mais do que um parceiro. As crias nascem passados 45 dias e demoram cerca de 7 semanas a desenvolver-se. Permanecem ainda mais algumas semanas na toca com a mãe aprendendo as técnicas fundamentais da alimentação e sobrevivência. 
Estudos comprovaram que os esquilos aprendem muito rapidamente tudo aquilo que é essencial para a sua sobrevivência e aprendem  observando os seus pares, cujo comportamento  bem sucedido imitam, especialmente se tem a ver com comida.  Os juvenis machos das várias espécies abandonam então a toca e iniciam uma vida solitária. As fêmeas, se houver comida suficiente, podem permanecer perto da zona territorial da mãe. 
Os esquilos usam várias formas de comunicação que incluem sons variados e bastante ruidosos, usados  em situações de perigo- para avisar da aproximação de predadores- para cortejar, afastar outros do território, etc; também usam cheiros que colocam nos ramos, usando hormonas especiais de que dispõem e urina. Conseguem reconhecer um familiar através do seu cheiro.
A época em que este animal está mais activo é o Outono, pois precisa de armazenar comida para o Inverno. É também nesta época que come mais, para criar uma camada  de gordura que o ajude a aguentar a falta de alimentos e a pouca mobilidade durante o Inverno. Os esquilos não hibernam, no sentido estrito da palavra mas podem ficar enrolados durante vários dias nas tocas quando o tempo está mais frio.
Os esquilos usam a fuga – corrida rápida- para se protegerem. Tem sido observado que uma das estratégias mais usadas por eles, quando se confrontam com um possível predador, é colocarem-se atrás de algum objecto vertical que se interponha entre eles e o atacante. Por ex., se um ser humano se  aproximar demasiado de um destes animais, ele coloca-se sempre de modo a que o tronco da árvore esteja entre ele e o outro. 
Um estudo de 2009 mostrou que os esquilos aprendem por observação e por imitação sobretudo no que respeita à satisfação das necessidades de sobrevivência, como acontece com a procura de comida. Numa experiência, os animais tinham que escolher entre dois potes, tendo observado previamente  um outro animal a tirar uma noz de um deles.  Os investigadores recompensaram os esquilos que tinham escolhido o pote certo mas também os que tinham escolhido o pote vazio e  os resultados mostraram que os que escolheram o pote errado aprenderam mais depressa do que os outros.(consideraram mais relevante a ausência de comida).
Esta experiência mostrou também que os esquilos aprendem rapidamente a reconhecer um potencial ladrão de comida, seguindo-o para poderem tirar partido da situação. Estes animais podem ser muito inteligentes, aprendendo a manipular objectos para se alimentarem, beberem, etc. 
Os esquilos quando em cativeiro podem viver até 18 anos. No ambiente selvagem vivem entre 6 a 12.  Os seus predadores são falcões, raposas, coiotes, por vezes também os gatos domésticos. Mas os automóveis são a maior causa da mortalidade destes simpáticos animais: morrem aos milhares todos os anos, devido ao tráfego automóvel . Algo deveria ser feito, pois, no sentido de evitar tais mortes tão desnecessárias.