Reflexão de Fim de Semana- Animais como Nós, a Baleia Corcunda

As baleias pertencem à família dos cetáceos , uma das famílias de animais mais inteligentes. As baleias têm sido estudadas mas permanecem, sobre muitos aspectos, misteriosas, desconhecendo-se o real significado de muitos dos seus comportamentos.
Embora pareça estranho, o hipopótamo é o parente vivo mais próximo da baleia. Mas o hipopótamo não é um ancestral da baleia. O que sucede é que ambos tiveram um ancestral comum, que tinha hábitos terrestres. As primeiras baleias- Pakicetus- eram terrestres e carnívoras. Há cerca de 40 milhões de anos, as baleias entraram na água e o seu corpo foi sofrendo modificações para se adaptar ao habitat marinho. Deste modo, e admitindo que o primeiro ancestral comum à baleia e ao hipopótamo terá ele próprio evoluído a partir do mar, a baleia é uma espécie que saiu do mar para o meio terrestre e deste novamente para o meio marinho.
Quando observamos as baleias no seu habitat natural, há vários comportamentos que podemos observar, embora não haja certezas na interpretação de nenhum deles:
  • Nos locais de reprodução, os machos envolvem-se em comportamentos de escolta, vigilância e defesa das fêmeas- tendo por alvo os «grupos activos de superfície», isto é , os grupos de machos que andam à procura de fêmeas para acasalar – e nesta interacção pode haver confronto, que pode ir de interacções breves com os oponentes a não terem contacto físico até ao choque em que há feridas sangrentas nas barbatanas, cauda e cabeça; os machos nesta zona também soltam o seu célebre canto e associam-se com outros machos de forma amigável ou pelo menos não conflituosa. Quanto às fêmeas, conhece-se menos o seu comportamento mas calcula-se que se dediquem ao cuidado e protecção das crias recém nascidas e aos rituais de corte e de acasalamento.
  • Outros comportamentos que podem ser observados nas baleias envolvem a vinda à superfície de várias partes do corpo: a baleia levanta a cabeça verticalmente , ficando estacionária com as barbatanas esticadas sob a superfície da água. De vez em quando varre a água à sua volta com as barbatanas e com a cauda abrindo uma janela na superfície por onde pode olhar de forma nítida através da superfície.;
  • Outro comportamento muito observado é o levantamento da cauda no ar por vezes a altura elevada, expondo a zona genital. Já se observaram baleias nesta posição por um período de 4h, interrompido apenas para respirar. Este comportamento é comum nas zonaas de reprodução, o que leva alguns a pensar que se pode tratar de uma estratégia das fêmeas para afastar  machos indesejáveis, entre outras hipóteses como a de manter regulada a temperatura do corpo;
  • Outro comportamento observado é levantar uma ou as duas barbatanas no ar batendo com elas na superfície da água, uma ou várias vezes (mais de 35). Tem-se especulado que este comportamento pode ser uma forma de chamar a atenção de outras baleias para se juntarem ao grupo ou será um modo de chamar a atenção dos machos:
  • Também se observa, muitas vezes, a cauda da baleia levantada no ar : a baleia levanta a cauda e bate com ela energicamente uma ou muitas vezes; noutras ocasiões, atira a parte de trás do corpo para fora e bate energicamente na água, num comportamento que é considerado o comportamento mais agressivo da baleia corcunda.
  • Outro comportamento muito comum é o de «abrir brechas» na água: o animal salta para fora girando o corpo e voltando a entrar na água repetindo uma ou mais vezes (mais de 35). Têm sido observadas 2 ou mais baleias a fazer isto em simultâneo. Embora não se saiba o significado exacto deste comportamento, calcula-se que ele possa variar em contextos diferentes, podendo indicar mudança de direcção em viagem e este comportamento ser uma forma de comunicar isso.
  • Outro comportamento muito observado é o de uma baleia submersa libertar um rasto de bolhas controlado pelos orifícios de respiração. Tal comportamento tem sido observado nas zonas de reprodução, acreditando-se que seja um comportamento de despiste dos machos que procuram as fêmas, lançado pelos machos rivais pois o rasto de bolhas forma uma cortina visual, impedindo a visão debaixo de água.
  • Outro comportamento bastante observado (e ruidoso) é o da baleia que ergue a cabeça da água e abre as mandíbulas, batendo uma na outra. Este comportamento é usual nas zonas em que os machos lutam por uma fêmea.
Quanto às capacidades cognitivas e mentais das baleias, várias experiências têm mostrado a sua evidência. Por ex., a Drª Naomi Rose referiu, em 1990, num relatório sobre o comportamento das orcas ,aquilo que ela interpretou como desgosto: duas jovens crias, após a morte da mãe, visitaram repetidamente durante vários dias, todos os locais onde a mãe tinha andado nos últimos dias antes de morrer.
Conhece-se também a capacidade de manipulação do seu ambiente, feita pela baleia corcunda: em 2004 um estudo referiu que estes animais fazem um «ninho de bolhas» como armadilha para capturar grande quantidade de peixe para se alimentarem: mergulham fundo e a seguir libertam bolhas que formam as paredes de um cilindro no interior do qual não há bolhas. A seguir, as baleias emitem chamamentos muito altos. O investigador Leighton mostrou que isto faz com que as paredes do cilindro actuem como uma onda -guia criando uma parede de som onde aprisionam o peixe que se refugia no interior do cilindro para estar a salvo do som estridente. Se tentar sair, o ruído insuportável que se faz sentir no exterior impede-o de avançar.
Também se sabe que as baleias corcundas possuem transmissão cultural: a canção entoada pelos machos é transmitida não só entre os grupos de machos de uma determinada população local de baleias como de uma geração para outra. A canção das baleias é uma das formas de comunicação não humana mais complexas que  já foram  estudadas. Acredita-se que esta forma de comunicação está de algum modo relacionado com o acasalamento/ reprodução ou com a competição dos machos entre si. A evidência do seu carácter cultural relaciona-se com o facto de essa canção ser diferente em populações diferentes de baleias. Refere-se ainda uma caso muito curioso de uma mudança radical de canção entre as baleias da costa este da Austrália, no oceano Pacífico . A canção destas baleias foi rapidamente substituida pela canção das baleias da costa oeste da Austrália, do oceano Indico, aparentemente devido à introdução de apenas um pequeno número de «cantores» estrangeiros. Os cientistas concluiram que as baleias corcunda são estimuladas pela novidade, que as leva a mudar.
Biologicamente, existe também evidência das capacidades cognitivas superiores das baleias: nos seus cérebros existe um tipo de neurónios que só se encontram em algumas espécies mais inteligentes, como os grandes macacos, os elefantes ou o homem: são as células «fuso» ou spindercells, cuja terminação é um axónio ou dendrite longos apontando numa direcção específica ao invés de terem muitas ramificações dispersas. Este tipo de células permite a transmissão mais rápida de informação e tem sido referida a sua importância nas capacidades cognitivas como a percepção consciente; estima-se que elas são essenciais na expressão de emoções complexas e na empatia que é fundamental nas espécies com competências sociais.
Entre as baleias existe organização e aprendizagem social , capacidade de cooperação e de actuação em grupo. Muito se desconhece ainda, no entanto acerca do comportamento deste extraordinário animal que, em tantas zonas do Mundo, está ameaçado pelo predador mais perigoso – o homem, sendo urgente uma mudança das mentalidades e um maior respeito por esta espécie que é um exemplo extraordinário da biodiversidade e das opções evolutivas da vida.

Deixe um comentário