Os animais e a Cultura, A Pantera na Cultura Seminole

Procurar um sentido para a vida e as suas experiências é uma necessidade que desde sempre acompanhou o ser humano, um ser que é um contador de histórias, precisa de narrar o que vive para, desse modo, extrair lições de vida.
É neste contexto que devemos compreender a Mitologia- as histórias «de como tudo aconteceu»- porque ela é a forma mais antiga de procurar entender a vida e o mundo no espaço humano partilhado. E, como os animais desde sempre coabitaram com o homem, disputando muitas vezes os mesmos recursos, desafiando-se umas vezes, temendo-se e respeitando-se outras, cada cultura desenvolveu os seus mitos acerca dos animais que «desde o início» foram parte integrante do seu habitat.
O Surgimento da Pantera no Mundo – Índios Seminole da Florida
A Pantera da Florida é, segundo se pensa, uma subespécie do Cougar e tem um significado muito especial na Cultura dos Seminole.
Na sua «História da Criação», eles afirmam que a Pantera- Coo- Wah- Chobee -era o animal preferido do criador, o seu animal de estimação, continuamente afagado e acarinhado. A Pantera sentava-se junto do criador, antes deste  criar a Terra. «Quando a criação estiver pronta, quero que sejas o primeiro animal a pisar a Terra»- disse o criador para a  Pantera; « Tu és majestosa e bela; tens paciência e força; tens qualquer coisa de muito especial. És perfeita para seres a primeira a caminhar na Terra.»
O criador completou seguidamente a sua criação, com todos os animais, tendo dado a cada um poderes curativos especiais e únicos. Colocou-os então dentro de uma grande concha que colocou junto das altas montanhas e disse então aos animais:« Quando o momento chegar, algo ou alguém partirá a concha e vocês sairão, tomando o vosso lugar na face da Terra.» E, dizendo isto, selou a concha e foi embora, guardando no íntimo o desejo de que a Pantera fosse a primeira a sair.
Mas o tempo passou e nada aconteceu. Uma grande árvore que crescia ao lado da concha acabou por envolvê-la com as suas raízes até que abriu nela uma brecha. Mas os animais, incluindo a pantera, não se atreveram a sair. O vento começou então a soprar à volta da concha até que a racha aberta se tornou maior. O vento lembrou-se de que o criador desejava que a Pantera fosse o primeiro animal a sair.
E o vento ajudou a Pantera a sair da concha e a ser a primeira a caminhar na Terra. Este vento,  era o ar que respiramos e  que está por todo o lado. Quando a Pantera saiu finalmente da concha agradeceu ao vento a honra que este lhe dera. A seguir saiu a ave e, logo depois, todos os outros animais, que ocuparam o seu luga na Terra.
O criador observava sem interferir pois achava que cada animal devia encontrar o seu lugar através do seu próprio mérito.
Seguidamente o criador deu nomes aos animais e colocou-os em clãs. Dirigindo-se à Pantera, o criador disse: «O teu clã terá o conhecimento para fazer leis e medicina que cura. Tu terás o conhecimento acerca de todas as coisas. Terás o poder de curar ferimentos e de aumentar os poderes mentais.»
Seguidamente, dirigindo-se ao vento, disse-lhe:« Tu servirás todas as coisas vivas para que elas possam respirar. Sem o vento (ar) tudo morrerá.»
Ainda hoje os Seminole realizam rituais de rejuvenescimento da Terra, em que a Pantera, mais o seu irmão Vento, misturam remédios para as pessoas se curarem.
Para os Seminole, a Pantera é uma expressão do Sagrado, de qualidades únicas que são simbolizadas neste fascinante animal. Vamos agora conhecê-lo um pouco nas suas características para compreendermos porque é que ele merece tanto destaque na história desta cultura.
A Pantera, um Felino Inteligente e Muito Esquivo
A Pantera não é uma espécie propriamente dita mas um nome geral que se dá aos felinos de grande porte, como os leopardos e jaguares, com pelagem escura ou negra. A cor negra da Pantera deve-se a um gene recessivo que, quando existe em ambos os progenitores, produz crias sem pintas e de cor negra ou escura.
A Pantera é um animal poderoso e muito adaptável, sendo encontrada em habitats muito diferentes: existem cerca de 30 subespécies encontradas na Ásia, África sub-sahariana, América Central e do Sul e também em algumas partes dos USA. Encontra-se principalmente nas florestas de folha caduca e tropicais, mas também em zonas pantanosas , desertos e montanhas. A Pantera da Florida, referida na história da cultura Seminole, encontra-se no sudeste dos USA, tem uma pelagem escura e muito brilhante.
A Pantera tem uma cabeça pequena com mandíbulas fortes , olhos verde esmeralda e tem as pernas traseiras ligeiramente mais compridas do que as da frente. É também uma trepadora excepcionalmente forte. É um dos maiores «gatos» existentes e é capaz de rugir.
A Pantera é um animal muito inteligente e tem uma agilidade extraordinária. Dificilmente é avistada no seu habitat, pois é silenciosa e muito cautelosa. Tem hábitos noctívagos, passando o dia a descansar no alto das árvores, saindo à noite para caçar. A pelagem escura torna-a virtualmente invisível, o que lhe dá o elemento surpresa pois é capaz de seguir as presas sem ser vista, emboscando-as num ponto favorável, saltando então repentinamente da árvore onde se escondia.
A Pantera é um animal solitário e é muito territorial e agressiva, razão pela qual é o predador mais temido nas Américas.
As fêmeas têm entre 2 e 4 crias após 3 meses de gestação. As crias nascem cegas, abrindo os olhos com cerca de 2 semanas de vida e são muito vulneráveis quando a mãe as deixa para ir caçar. Quando têm alguns meses de idade acompanham a mãe na caça ; só saem de junto dela quando têm cerca de 2 anos e já têm um território seu.
A Pantera é um carnívoro , caçando herbívoros de médio ou grande porte, ou animais mais pequenos se tiver que ser. O homem é a sua maior ameaça nas Américas. Em África e na Ásia podem ser caçadas por outros predadores mais fortes (como os leões , por ex.,).
Muitas panteras são boas nadadoras e preferem terrenos alagados onde caçam. Em todos os seus habitats, a Pantera está ameaçada pela deflorestação e pela degradação ambiental. Cada vez mais, o epíteto que muitas vezes lhe dão- pelo seu caráter cauteloso e modo silencioso- de «fantasma da floresta» se torna literalmente verdadeiro pois este é um animal cada vez mais raro.
A cautela e a astúcia estratégica da Pantera , reconhecida pelo povo Seminole na sua «história da Criação» tornou-a num animal especial e digno de admiração pois estas qualidades são muitas vezes cruciais para decidir quem vive e quem morre, num mundo feito de batalhas pela sobrevivência.
Para nós que apenas as vemos em algum parque de conservação da vida animal, este é um animal misterioso e, sem qualquer dúvida, muito digno de respeito!

Deixe um comentário