Os signos Opostos na Identidade- Leão e Aquário, a Criatividade no Centro do Eu e do todo

 leo

O eixo Leão/Aquário  representa, no Zodíaco,  o desenvolvimento do Ego e dos seus modos de expressão. A identidade é algo que se constrói ao longo da existência e este eixo representa esse desenvolvimento nas suas 2 dimensões essenciais: a individual (Leão) e a coletiva (Aquário): nascemos numa sociedade, já formatada por um conjunto de regras, de valores, instituições, etc. Tais regras vão influenciar-nos mas precisamos de encontrar um caminho próprio,  pessoal e único que nos permita ser verdadeiros indivíduos. Mas, por outro lado, quando nos descobrimos  na nossa singularidade, não vivemos nem podemos viver isolados e precisamos de contribuir, através do nosso caráter único, para o todo da sociedade e da humanidade  de que fazemos parte. É desta dinâmica que trata o eixo Leão/ Aquário

 O signo Leão  é um signo de elemento Fogo e de natureza fixa. Como todos os signos de fogo é enérgico e autoconfiante; com um grande sentido do «jogo» e da diversão, representa o caráter experimental  pelo qual o Ego, representando papeis nos quais ele é o centro, se torna consciente das múltiplas  possibilidades que cria para si próprio.

Leão é muitas vezes associado com a «representação dramática» pois tem a tendência para se exibir, procurando ver reconhecido o seu caráter nobre e único, as suas qualidades de liderança e de expressão que o destacam da multidão. Esta necessidade de ser reconhecido como «único» faz parte da dinâmica simbólica do signo, que representa a descoberta da individualidade como expressão criativa individual. É por isso que  o nativo de Leão tem uma necessidade tão grande de sobressair e a sua aparência revela em cada gesto as marcas de uma nobreza orgulhosa, auto-confiante e aristocrática.

O nativo do signo Leão sente-se um herói, nobre, orgulhoso mas também generoso e, no seu íntimo, rejeita tudo o que é desonesto, hipócrita e fraudulento. Toda a sua aparência, os gestos e comportamentos, transportam estes sinais de opulente brilho e cada circunstância é mais um contexto onde este nativo pode sentir-se orgulhoso no desempenho de um grandioso papel.

A expressão criativa esbarra muitas vezes com a incompreensão e a pequenez dos hábitos e dogmatismos enraizados e, por isso, Leão está associado ao desejo de liberdade e à coragem, para exprimir a sua marca pessoal no mundo. A criação do Ego que se dá em Leão tem as marcas do jogo e do prazer: uma obra de arte, a geração de um filho,  as experimentações  no plano dos relacionamentos  românticos, tudo isto são  formas de expressão que permitem ao ego desenvolver-se nas suas possibilidades com um caráter experimental e sem muitas limitações. Neste signo é o prazer da  experiência vivida que está em causa, mais do que as responsabilidades e os deveres;  possui uma enorme alegria de viver, um otimismo natural de quem ainda não sofreu as marcas limitativas do mundo mas está plenamente focado na descoberta do seu próprio poder pessoal e da capacidade que esse fogo interno tem para se criar a si próprio no encontro com o mundo e com os outros.  E  gosta tanto deste jogo que pode bem «apaixonar-se pelo seu próprio brilho», qual Narciso petrificado em frente à sua imagem.  O orgulho e a vaidade, associados ao desejo de ser «o melhor» e o «primeiro ou o centro» de tudo podem fazer deste nativo uma pessoa elitista, autoritária e egocêntrica, com dificuldade em abordar ou compreender outros pontos de vista diferentes do seu. Mas o seu vigoroso entusiasmo  e força de vontade, associados a uma expressão quase infantil e inocente dos seus desejos faz com que os outros se rendam perante a sua manifestação aristocrática e exuberante.

Leão gosta de se vangloriar, procura a admiração dos outros e o seu apreço e reconhecimento porque eles são o espelho de que ele precisa; são eles que lhe permitem  reconhecer o seu «eu» como o foco de luz capaz de dar o exemplo que os outros naturalmente devem seguir. Nesta simbólica, Leão representa o poder e a autoridade pessoal baseados no carisma da individualidade pessoal.

signo Leão , para além destes aspetos referidos, representa uma dimensão importantíssima do desenvolvimento da identidade pessoal, que não depende da influência do coletivo nem da acomodação a regras e a normas mas depende inteiramente da liberdade de expressão individual:  representa a liberdade que, em cada indivíduo, nos permite ser únicos e especiais e, por isso, este signo mostra aquele conjunto de características que fazem de nós verdadeiros  indivíduos, «aristocráticos» porque, quando aplicamos os dons criativos que são  os nossos, tornamo-nos semelhantes aos «deuses».

 aqua

Aquário é um signo de Ar e também com energia fixa. E, tal como Leão, também está relacionado com a liberdade e com a criatividade, mas numa perspetiva diferente de Leão: este refere-se aos poderes de criação individual ou pessoalAquário refere-se aos poderes de criação da liberdade da humanidade no seu todo e, num plano mais restrito, do coletivo social de que fazemos parte.  Se nós  associamos o signo de Leão com mito de Narciso, sem dúvida  que o signo de Aquário é mais legitimamente associado com o mito de Prometeu, que se sacrificou para permitir que toda a humanidade beneficiasse de características que até então os deuses reservavam só  para si próprios.

Aquário é um signo exuberante e extravagante ou excêntrico, tal como Leão. Mas, enquanto este procura os outros como audiência ou «séquito», para ser aclamado ou admirado, sem se misturar verdadeiramente com eles, Aquário  esbate a identidade pessoal para se identificar com o grupo. Em termos um pouco simplistas, diremos que Leão representa a nossa identidade  pessoal e autobiográfica enquanto Aquário representa a nossa identidade sociocultural que, em articulação com a identidade pessoal, permite a constituição de um ego integrado e pleno no seu desenvolvimento, tanto físico como social, cultural e  espiritual.

 Aquário é um signo revolucionário e visionário, alimentado por uma utopia na qual pretende que toda a humanidade, sem exceção, seja livre de exprimir a sua criatividade pessoal para o enriquecimento de todos. Anseia por ver todos os seres humanos inseridos numa comunidade  de seres livres e fraternos, unidos pela racionalidade que lhes permita entenderem-se e respeitarem-se como semelhantes e iguais em direitos e deveres.

Para Aquário  as instituições que perpetuam as desigualdades e limitam os direitos de grupos de indivíduos são decrépitas e devem ser substituídas: no seu mundo não há lugar para categorias como «classe» ou «casta», diferenças de «sexo, de «raça», de «ricos e pobres», etc.: todos os seres humanos sem exceção estão unidos pela natureza de serem membros da «humanidade» e é esta categoria universal que lhe interessa.

Assim, Aquário não hesita em atacar as instituições que considera retrógradas, unindo-se a outros que pensam como ele, seja um grupo político, uma organização reformista, uma sociedade secreta, etc.. É focado no progresso e na inovação da humanidade e da sociedade no seu conjunto, procurando  a síntese das energias coletivas  para criar a realidade humana que ele considera «que deve ser».

 No plano individual, Aquário exprime-se, tal como Leão, de forma original, muitas vezes rebelde e não convencional, diferenciando-se do modo de ser comum. Mas esta diferença no modo de expressão não se deve ao desejo de sobressair, como em Leão, deve-se ao seu foco numa realidade que mentalmente ele idealiza e que, por ser muitas vezes revolucionária para a mentalidade da época em que vive, é considerada estranha ou extravagante  pela maioriaAquário está sempre focado no «futuro» e por isso tende a desligar-se do «aqui e agora» circunstancial, o que produz uma abordagem desligada , interpretada como fria , distante ou imprevisível porque rompe com convenções ou rotinas, levando a que, por vezes, os outros o considerem um inadaptado.

Tanto Leão como Aquário simbolizam experiências de alguma solidão, ainda que por razões diferentes: Leão é solitário porque, em todas as relações que forma, na verdade procura-se sempre a si próprio, em referências que lhe permitam «saber quem é»; Aquário é solitário porque se afasta da realidade convencional para tentar concretizar os seus ideais coletivos que, historicamente, ainda que com um desfecho longe de perfeito, foram configurados pela primeira vez na Revolução Francesa  e nos seus princípios de «igualdade, liberdade e fraternidade»; ao colocar-se na utopia, que vive mentalmente, afasta-se da realidade concreta imediata para a criticar e tentar superar: e antes de ela ser mais do que uma ideia acarinhada, ele age como se ela fosse já um princípio partilhado com os outros seres humanos.

 Agora,  como é que estes dois signos se completam e complementam um ao outro?

Leão  vive todas as suas experiências a partir de um centro que é o próprio ego; de certo modo o mundo existe para ele se mirar nele – começa e acaba na expressão individual  do «eu». O nativo de  Leão  precisa de  alargar os limites do seu ego de modo a integrá-lo na comunidade mais vasta dos outros: os outros humanos, a cultura, a sociedade…. Precisa de aprender que os fundamentos do ego não se reduzem à expressão da vontade individual, que esta tem um contexto pré – existente , coletivo, que marca também inelutavelmente o desenvolvimento pessoal; precisa de aprender que, para além da subjetividade e das experiências imediatas, existe um plano de compreensão mais universal e objetivo; precisa, em suma, de ser capaz de se colocar no lugar do outro e de tentar compreender a perspetiva do outro sem querer aglutiná-la ou reduzi-la à sua.

 Aquário representa a integração da identidade pessoal no coletivo e a criatividade que, no plano mental, idealiza um mundo melhor com ideais racionalmente mais justos: mas o foco excessivo no plano mental e na identidade coletiva afasta-o muitas vezes da realidade concreta, pessoal: Aquário tem muita dificuldade em exprimir-se de modo pessoal, sente-se mais confortável numa expressão impessoal ou universalista. Mas isso faz com que se afaste da vida real concreta, perdendo os significados mais pessoais de todas as experiências humanas. O plano coletivo é um importante ingrediente da vida humana porque todos vivemos em sociedade mas as experiências pessoais, vividas na primeira pessoa são igualmente importantes para crescermos como pessoas completas. Deste modo , Aquário precisa de ir além da excentricidade com que por vezes esconde a sua insegurança a nível pessoal e aceitar a fragilidade das experiências vividas na primeira pessoa, sobretudo no plano emocional, sem se esconder atrás de conceitos muitas vezes brilhantemente  desenhados, mas impessoais.

2 comentários em “Os signos Opostos na Identidade- Leão e Aquário, a Criatividade no Centro do Eu e do todo”

    1. A sua pergunta pressupõe o conceito, da Astrologia ocidental, de «queda» de um planeta. Na Astrologia Jyotish esse conceito não é utilizado mas, d facto, quando está em Aquário, o sol está num signo inimigo pois o Sol e Saturno são grandes inimigos e, por esse facto, a energia solar tem dificuldade em manifestar-se. Simbolicamente, o que isso sinifica é que o Sol, que representa a individulaidade e o poder da vontade, tem essas características diluídas no signo Aquário, que representa a identidade coletiva ou a identificação com a vontade universal.Mas isso não impede o sol em Aquário de dar bons resultados , só por si.

Deixe um comentário