Superstições: Espirrar e Bater na Madeira

es

Algumas das superstições mais conhecidas e espalhadas pelo mundo refletem gestos simples  e até mesmo respostas orgânicas. É o que acontece com os espirros. Espirrar é uma resposta reflexa do organismo perante algum estímulo irritativo ou alérgico ou é sinal de uma constipação. Porém, há algo de misterioso no gesto súbito que, de repente, nos acomete e surpreende , parecendo arrastar a nossa alma para fora de nós. E é essa a razão pela qual, desde tempos muito antigos, se generalizou uma série de crenças  e  de superstições acerca dos espirros.

Desde épocas muito antigas que se acredita que há uma relação profunda entre a alma e a respiração. E o homem antigo, ao surpreender-se com um espirro, acreditava que, através dele, se  soltava uma parte da sua alma. O espirro causava por isso o receio  de ficar sem alma: e se, ao espirrar, a alma se soltasse toda inteiramente?  Por isso abençoava-se a pessoa  depois de espirrar: «Deus te abençoe» para que a tua alma não te deixe pois isso será a tua morte ou, pior ainda, será deixar-te sem alma. um mero invólucro físico sem substância espiritual .

Este costume de abençoar a pessoa que acabou de espirrar está espalhado por todo o mundo em muitas culturas. Na Europa é conhecido pelo menos desde o final do século 6. E, quando , no século 17, a peste negra dizimou grande parte da população europeia verificou-se que, quando uma pessoa afetada pela doença estava perto do fim, espirrava violentamente. Ora, com tantas mortes era impossível que houvesse um padre perto de cada pessoa nessas condições para a abençoar, razão pela qual o papa decretou que, sempre que alguém espirrasse, devia ser abençoado pois estaria iminente a sua morte (e sem bênção seria difícil ir para o céu).

Para os povos antigos (gregos, romanos, egípcios) o espirro era um instrumento divinatório usado para prever a  boa ou a  má sorte. Avisavam de algum perigo iminente ou previam coisas boas ou más no futuro.  Também era crença comum que ao espirrar, uma pessoa que tivesse maus espíritos agarrados a si libertá-los-ia através do espirro. E, quando alguém, ao conversar, espirrava, isso era sinal de que estava a dizer a verdade.

No século 17 em Inglaterra, quando alguém ao andar na rua, via outra pessoa espirrar tirava o chapéu , cumprimentava e dizia «Deus te abençoe». Já durante o século 19 também em Inglaterra, popularizou-se uma rima sobre o significado de espirrar em diferentes dias da semana. Esta rima recupera a velha ideia dos povos antigos de que os espirros têm o poder de profetizar acontecimentos: espirrar à segunda feira , é prever um perigo; à 3ª feira  é sinal de que vai beijar um estranho; à 4ª feira, prevê a chegada de uma carta; à 5ª feira, prevê algo melhor; à 6ª feira adivinha um pesar; ao Sábado anuncia uma viagem; ao domingo adverte para procurar segurança pois o demónio vai atentar contra a pessoa durante toda a semana.

Outras superstições sobre os espirros afirmam  que espirrar entre o anoitecer e a meia noite é sinal de boa sorte mas, se tivermos o infortúnio de espirrar de manhã quando nos vestimos, teremos má sorte o dia todo. E se temos um gato em casa e ele espirra, isso é sinal de boa sorte para toda a família e o  mesmo acontece quando duas pessoas espirram ao mesmo tempo.

Agora, se ao espirrar viramos a cabeça para a esquerda, isso traz má sorte; o contrário acontece se viramos a cabeça para a direita; se espirramos duas vezes isso é sinal de boa sorte mas, se espirramos uma ou 3 vezes, a má sorte conspira contra nós.

No Japão associa-se o espirro à influência de outra pessoa: se espirramos uma vez, há alguém que está a falar bem de nós; se espirramos duas, alguém fala mal de nós; e, se espirramos  3 vezes, alguém fala com desdém de nós. Mas, se espirramos 4 vezes, a sensatez aconselha a tirar uma conclusão mais prosaica; é sinal de grande e forte constipação!

Outra superstição muito difundida é a de bater na madeira. Bater na madeira é  um gesto muito repetido quando queremos atrair a boa sorte para alguma coisa ou circunstância. A crença associada e muitas vezes esquecida por quem faz este gesto por ele estar culturalmente muito disseminado e desde há muito a sua origem se ter perdido no imaginário coletivo é a de que as árvores são habitadas por espíritos e que bater na madeira é uma forma de «conversar» com alguns deles. Por ex., no folclore irlandês, bate-se na madeira para agradecer aos duendes por alguma bênção ou boa sorte por eles concedida. Bater ou tocar na árvore- por vezes uma árvore específica como um carvalho, por ex.,- chama os deuses para virem dar proteção em relação aos maus espíritos. É o que sucede com o bater 3 vezes na madeira: quando se antevê um momento de boa sorte e para que este não seja destruído pela inveja de algum mau espírito ou pessoa mal intencionada, bate-se na madeira 3 vezes porque esse é o «código» de chamada dos bons espíritos para que venham proteger-nos em relação aos que podem destruir a nossa sorte.

Quando os judeus foram perseguidos no século 15 na Europa pela inquisição, surgiram outras versões da crença. Para fugirem à tortura e à morte pela inquisição, os judeus refugiavam-se em casas de madeira, que surgiram como refúgios para os acolher. Para serem facilmente  reconhecidos, batiam na madeira antes de entrar, como resposta codificada . Muitas pessoas escaparam dessa forma à morte e, mais tarde, o gesto de bater na madeira para ter sorte generalizou-se, tornando-se comum nos séculos 19 e 20.

E assim, repetimos desde então este gesto, como algo que, de tão familiar, se tornou numa forma espontânea de comportamento partilhado por todos.

Voltaremos na próxima semana com mais algumas superstições.