Um Outro Olhar sobre os Nakshatras- Aslesha

um outro olhar sobre os Nakshstras- Aslesha capa

Aslesha é o nono Nakshatra. Ocupa a extensão entre 16º 40’ até 30º de Caranguejo. Localiza-se astronomicamente na constelação de Hydra, a serpente marinha composta por 6 estrelas. A palavra «aslesha» significa «entrelaçar», simbolizando a dependência que geramos  através de todos os desejos sensoriais aos quais nos apegamos.

As divindades que presidem este Nakshatra são os Naga, ou Reis Serpente. O regente astrológico é Mercúrio.

O poder (shakti) associado a este Nakshtra é o de derrotar todos os oponentes ou inimigos. Segundo a mitologia, os deuses e os demónios estavam em guerra e os deuses fizeram uma oferenda a Ashlesha. Isto fez com que os demónios desistissem da luta. Assim, o Nakshatra simboliza o poder do veneno, adquirido pelos nativos, para derrotar os inimigos. Todos os nativos de Ashlesha são poderosos oponentes, com armas poderosas (simbolizadas pelo veneno da serpente). Este poder tem porém outras conotações associadas à energia kundalini, «enrolada» na base da espinha. A energia Kundalini é considerada muito poderosa mas perigosa, se for despertada sem a devida preparação, por aqueles que procuram alcançar poder para dominar energias subtis.

O temperamento ou Gana deste Nakshatra é Rakshasa (demónico).  O símbolo do Nakshatra é uma serpente enrolada. A motivação primária é Dharma.

A Árvore sagrada deste Nakshatra é a Árvore de «Madeira Ferro» cientificamente designada por Mesua Ferrea.

A pedra da sorte para este Nakshatra é a Esmeralda.

O Nakshatra Aslesha  está associado aos significados abraçar, apertar ou atar, prender e agrilhoar.

Os nativos de Ashlesha são bastante sensitivos: podem ser escritores, editores e organizadores, planeadores, administradores, diretores cinematográficos, etc. Estas pessoas precisam de controlar tudo à sua volta e nenhum pormenor lhes escapa nem pode ser escondido da sua capacidade brilhante de atenção aos pormenores. São excelentes na gestão de proximidade. Este é o seu talento essencial, podendo falhar quando precisam de gerir uma rede mais alargada. Deste modo o seu talento floresce essencialmente quando gerem uma organização pequena, na qual conhecem cada uma das pessoas que dirigem. Também possuem afinidade com os produtos relacionados com a vida marinha e tudo o que está relacionado com a exploração dessa vida marinha, incluindo os artefactos usados pelos marinheiros.

Influenciados por Mercúrio, o regente de Aslesha, os nativos podem mudar com frequência as suas opiniões.

Este é um Nakshatra que tem afinidade imediata com prender, fixar, delimitar (com cordas), restringir, apertar, agrilhoar. Extorquir (financeiramente) e explorar (emocionalmente).  Cintos, cordas, cadeias, grilhões, estabilizadores, são algumas  palavras- chave para esta constelação.

Quando estes nativos têm um relacionamento parental com os filhos ou  com outro familiar ou emocional com algum parceiro, desenvolvem modelos de relacionamento pelos quais manipulam os comportamentos dos outros, definindo regras e permissões e estabelecendo um perímetro bem definido além do qual não é permitido ir.  Este comportamento é especialmente utilizado em relação aos familiares mais próximos, através de formas subtis de controlo como manter os familiares adultos a trabalhar para o nativo, conseguindo, dessa forma, continuar a exercer táticas de controlo subtil e de «prisão» e adquirir total controlo sobre o que  estes podem e não podem fazer. Isto nunca é assumido frontalmente e será imediatamente negado, se os que sofrem estas formas de controlo apertado se «queixarem» disso. É antes disfarçado através de formas subtis que aparentam respeito pela liberdade do outro. Trata-se assim de uma «proteção manipulativa» que é peculiar destas pessoas.

Parashara afirmou que este Nakshstra está ligado às coisas que têm a ver com as serpentes, com  ações  muito competitivas e rudes, coisas relacionadas com venenos ; mas também ao início de um negócio e à troca de dinheiro. Outros significados são abraço apertado, união sexual, hipnotizar, colar e fixar, estabilizar, armar uma armadilha a uma vítima.

Ashlesha é muitas vezes designado por o «Nakshatra Serpente» e não é considerado muito auspicioso para se nascer devido aos seus significados de «restringir ou prender», criação de ligações involuntárias e armadilha. Na Índia fazem-se rituais 27 dias após o nascimento para libertar o nativo destes constrangimentos.

Segundo os clássicos, as pessoas de Ashlesha têm uma aura com um brilho penetrante. Podem ser dúplices em termos de caráter e têm dificuldade em mostrar gratidão. Têm qualidades de liderança e podem ser políticos. Possuem uma aura de mistério e falam de forma intrigante. São muito inteligentes e falam de forma suave e insinuante mas passam em geral por arrogantes. Gostam de obter reconhecimento pelas boas ações que fazem mas têm dificuldade em reconhecer aqueles que precisam realmente de ajuda.  Podem perder a paciência com facilidade e explodir com mau génio em situações inapropriadas. Podem ter dificuldade em gozar a sorte pessoal devido a más associações. Podem formar-se na área comercial e terão promoções rápidas mas também passarão por revezes inesperados. Entre os 35 e 36 anos terão pesadas perdas de dinheiro e, aos 40, terão uma aquisição inesperada de «dinheiro não ganho».

No que se refere à vida familiar, assumem grande parte das responsabilidades, por serem os mais velhos. Podem ter discussões conjugais por causa de dinheiro.

Quanto à saúde, podem sofrer de problemas intestinais. Deverão ter cuidado com dependência de drogas e medicamentos  e com possíveis intoxicações.

As mulheres de Ashlesha não são muito bonitas e podem ser descuidadas com a apresentação e o modo como se vestem. Gostam de estar em casa. Podem ter uma parte do corpo ou da face desfigurada. Têm uma natureza muito fechada e secreta e são propensas à amargura, sendo pouco felizes. São pouco generosas e  são rudes nas interações com os outros.  Por tudo isto não são muito apreciadas. Mas diga-se em abono da verdade que estas mulheres são tímidas por natureza e isso é interpretado muitas vezes como arrogância quando ,na verdade, usam por vezes palavras pouco simpáticas como forma de se defenderem da vulnerabilidade emocional.

Os homens de Ashlesha são notados pelas suas características insociáveis e desagradáveis. Adaptam-se com dificuldade às circunstâncias envolventes e agem de forma muitas vezes embaraçosa. Têm dificuldade em manifestar bondade e delicadeza ao interagir com os outros.  São reservados e pouco atentos aos outros e às suas necessidades.

Todos os nativos de Ashlesha trabalham melhor sozinhos, situação na qual põem em ação a sua excelente capacidade de organizar e planear e são muto produtivos. Sentem internamente um conflito entre a sua natureza emocional e lógica, devido à ação de Mercúrio e da Lua e isso nota-se bastante. Mas têm talento para a escrita pois alguns dos melhores escritores nasceram em Ashlesha. No plano subconsciente, estas pessoas sentem um receio irreprimível de serem presas contra vontade. Também receiam a pobreza, mesmo quando têm bastantes recursos financeiros. Muitas vezes perdem um dos pais, com frequência a mãe. Estas pessoas vivem na infância um período em que sentem necessidades não satisfeitas e isso torna-as manipulativas e sedentas de controlo dos seres que lhes são mais próximos. Os pais são em geral pouco atentos em relação á criança, gerando nesta uma sensação de perda  que permanece na vida adulta. Isto é a causa da necessidade que os nativos de Ashlesha têm de fixar as pessoas, seja de forma física, prendendo-as e limitando a sua liberdade ,seja emocionalmente ou verbalmente, prendendo-as á palavra dada, a uma promessa, acordo ou contrato. Quando perdem um dos pais, especialmente a mãe, podem  criar laços profundos com um dos irmãos ou irmã, especialmente se a Lua estiver em conjunção com Mercúrio, Marte ou Vénus.

Apesar da má reputação deste Nakshatra, associado à ideia de restrição ou «aperto», a verdade é que o impulso de «retenção» é igualmente importante e este Nakshatra representa a capacidade de permanecer, agarrar e conter a energia que é necessária nos momentos em que a concentração energética pode fazer toda a diferença.  Ashlesha representa a capacidade para «capturar e segurar num ponto, fixar a esse ponto, pessoas ideias, etc.. O problema advém de que, para estas pessoas, o «fixar» , ao invés de fazer parte de um processo dinâmico que  deve dar lugar, inevitavelmente ,ao «soltar», pretende tornar-se definitivo assumindo uma forma de controlo ou de poder absoluto sobre aquilo ou o ser que se «fixou» ou «abraçou». O resultado é o estrangulamento ou o sufoco e isso faz deste Nakshatra algo difícil de se lidar.

Nativos do 1º Pada- 16º40’ a 20º do signo Caranguejo- Regência de Júpiter.  Estes nativos têm capacidade para efetuar trabalho árduo. Serão ricos, inteligentes e generosos embora possam também confrontar-se com inimigos e situações de doença. Ganharão a vida trabalhando com automóveis. Terão boa reputação e não causarão problemas aos outros..São trabalhadores e prestadores de serviços. São determinados e corajosos  mas têm pouca consideração pelos outros. São cruéis, ingratos, zangam-se facilmente; podem vender e usar drogas; causam ansiedade e infelicidade à mãe; contraem com frequência doenças venéreas.

Nativos do 2º pada- 20º a 23º 20’ de Caranguejo-Regência de Saturno– Este é um pada que lida com as pessoas. A elevada ambição leva-os a usar de todos os truques e traços negativos do Nakshatra para alcançar o que desejam. Não conseguem separar-se das suas posses. Este é um Ganda Mula Pada sendo por isso prejudicial para a vida financeira.  Estas pessoas não conseguirão manter grandes quantidades de dinheiro. Podem ser ladrões ou pessoas que pedem emprestado sabendo de antemão que não irão pagar.

Nativos do 3º pada – 23º20’ a 26º 40’ de Caranguejo- Regência de Saturno– Esta é uma parte do Nakshatra mais ligada ao oculto e os seus nativos prezam o segredo acima de tudo. Podem ser muito inventivos a encontrar formas de criar esquemas para enganar os outros. Os planetas colocados neste pada afetam de forma adversa a mãe do nativo.  Pode haver discórdia familiar. O nativo sofrerá de doenças venéreas. Se a Lua estiver colocada neste pada, a relação com a mãe será perturbada. Quando o nativo é homem, o Ascendente em Ashlesha afetará financeiramente o pai devido a ações efetuadas pelo nativo.

Nativos do 4º pada- 26º40’ a 30º de Caranguejo- Regência de Júpiter– Este pada relaciona-se com todo o tipo de ilusões e com todas as lutas morais que lhe estão associadas. Neste pada, a serpente de Ashlesha é «presa» e o nativo pode, mais facilmente, ser enganado pelos outros, mais do que ele próprio a enganá-los. Mas estes nativos não são fáceis de conhecer, colocando continuamente máscaras entre si e os outros. Os planetas aqui colocados afetam negativamente o bem- estar do pai., que é afetado financeiramente pelas ações do nativo. Estas dificuldades também poderão ser sentidas pela mãe. Podem usar modos secretos de ganhar dinheiro e ter que trabalhar bastante longe do local de nascimento.

Segundo Parashara, os nativos- homens ou mulheres- nascidos no 2º, 3º ou 4º pada de Ashlesha destruirão (serão causa de morte) da sogra. Esta ideia complementa-se com a de que os nativos do 2º, 3º ou 4º pada do Nakshatra Moola serão causa de morte do sogro. Mas ,se o cônjuge não tiver irmãos mais velhos, não surgirão efeitos maléficos. Na Índia efetuam-se rituais no momento da casamento para ultrapassar estes efeitos.

2 comentários em “Um Outro Olhar sobre os Nakshatras- Aslesha”

ajude-nos a melhorar, deixe o seu comentário