Nakshatra da Lua Anuradha

Grupo de pessoas em encontro de trabalho

Os nativos com a Lua no Nakshatra Anuradha possuem forte consciência social e são especialistas em conseguir formar acordos e alianças em ambientes de pressão. Sentem  a necessidade de se proteger a si e aos outros de todos os perigos que podem ser prevenidos e evitados. 

Surgem como protetores naturais das ameaças que é possível antever. São capazes de usar os aspetos negativos, as tensões e conflitos alterando o seu caráter prejudicial e transformando-o em aspetos vantajosos e benéficos. São por isso excelentes negociadores e diplomatas, superando a visão dualista primária do «certo e errado» e taticamente usando os fatores desafiadores para criar um novo ambiente ou situação positiva.

São, basicamente, motivados para formar alianças, num trabalho incansável para restaurar a ordem e a coesão num contexto de grupo.

Estes nativos trabalham muito bem em circunstâncias de pressão e de tensão e não abandonam a sua persistente atividade até conseguirem alcançar o equilíbrio que pretendem.  Ajudar a sobreviver a ordem social e cósmica, instaurar ordem quando há um aparente caos, é algo que motiva fortemente estas pessoas, que não cessam o seu trabalho até que essa ordem seja reposta.

São reguladoras, estruturam e organizam a realidade em que vivem e atuam. São respeitadoras das leis e das regras e exigem essa ordem na vida social com a qual interagem e na sua vida pessoal e emocional. Resistem a tudo o que ataque o seu mundo ordenado, lutando se for preciso para restaurar a ordem e prevenir o ataque ao seu modo de vida.

Situando-se no signo Escorpião, o Nakshstra de Anuradha produz uma personalidade que recorre ao segredo  como estratégia, se isso for necessário para assegurar a segurança emocional.  Quando confrontada com o perigo – não apenas para si  própria mas para o grupo social em que se integra, a Lua em Anuradha adota uma estratégia defensiva pela qual enfrenta os perigos de frente, através de uma estratégia de controlo dos danos possíveis que podem ocorrer.

Para tal, usa os meios legais em vigor para defender os seus direitos e os da comunidade.

 O nome deste Nakshatra que se segue a Visakha (este significa «a tempestade» enquanto Anurada  significa o regresso à ordem social) liga-se assim à ideia de «retorno à ordem depois da tempestade». Assim, existe nestas pessoas a motivação inata para estabelecer uma ordem com regras e leis que organizem a vida e as interações sociais, estabilizando assim o modo de vida de todos.

Estabilidade e ordem são duas palavras essenciais para estas pessoas. E estes nativos são muito eficientes a trazer ordem e estrutura a qualquer organização ou instituição. Em ambientes hostis ou desavindos, são as pessoas certas para restaurar a ordem e a estabilidade, procurando o acordo entre todos.

Ao mesmo tempo que revelam estas competências de diplomacia, gostam de liderar e de ocupar posições de autoridade e de realçar a sua natureza vitoriosa. Gostam de «ser os primeiros» e de vencer e alguns podem gostar de uma carreira militar.

O talento especial destes nativos é  o de encontrar pontos de união entre pessoas em conflito  e o de estabelecer uma ponte de harmonia entre estas, permitindo que o relacionamento possa manter-se através de contratos e pelo assumir de direitos e deveres mútuos aceites por todos. 

Por isso são  reconhecidos como os diplomatas que conseguem acordos pós- guerra, conseguindo superar situações de hostilidade e de conflito aberto como poucos.

 Estas pessoas gostam de conhecer a fundo o que permite aos seres humanos desenvolver um relacionamento  bem- sucedido. Mas a energia do Nakshatra pode ser contraditória,  devido às energias inimigas de Marte e Saturno.

Na sua vida pessoal, os nativos de Anurada sentem necessidade de estabilidade  e o seu sentimento de segurança advém da existência de regras e de leis que estruturam os comportamentos aceites e as interações sociais. A sua lição básica é aprender a estabilizar as suas emoções e o seu mundo interior.

Estas pessoas  ligam-se com grande intensidade aos outros e também a quaisquer objetivos materiais. Isso causa-lhes muitas experiências emocionalmente negativas. São muito abertas aos outros e apegam-se como se fosse a coisa mais importante das suas vidas.

E quando não são correspondidas a sua mente torna-se muito instável e causa sofrimento emocional. Este não dura, no entanto, muito tempo, pois Saturno, o regente do Nakshatra, rapidamente faz passar esse sofrimento. O ciúme pode ser uma força disruptiva nas vidas destas pessoas.

Sentem o impulso para ajudar os outros,  para os «salvar» , tendendo a pensar que os indivíduos que revelam comportamentos mais negativos, podem mudar se se esforçarem bastante para criar neles o estado de equilíbrio que levará a essa mudança. É claro que, muitas vezes, esta não acontece. 

Os relacionamentos  são o campo de batalha que mais faz sofrer estes nativos mas, à medida que vão amadurecendo podem usar essa experiência e sofrimento para ajudar outros, sendo bons conselheiros e psicólogos.

Porém, a posição da Lua no Nakshatra de Saturno e num signo com regência de Marte  coloca problemas pois Marte e Saturno são inimigos e Saturno é também inimigo da Lua.

Assim, estas pessoas precisam de ter grande força de vontade e determinação para alcançar estabilidade emocional.  A persistência e a determinação , aliadas a uma grande capacidade de trabalhar continuamente são as grandes qualidades da Lua em Anuradha.

Estas pessoas conseguem, deste modo, neste Nakshatra, combinar a agressividade e o ímpeto para vencer de Marte  e o desejo de ordem e  coesão social de Saturno.

E este ímpeto é dirigido em grande parte para criar entendimento entre seres humanos desavindos e em conflito, podendo começar o seu trabalho de procura de alianças muito cedo na vida, tentando criar entendimento entre os membros da família. Isto exige esforço e muita energia e tem pouco de diversão e de alegria, é apenas «fazer o que deve ser feito».

Os acordos que os nativos com a Lua em Anuradha têm de fazer são, por norma, difíceis, desenvolvem-se em ambientes de hostilidade e inimizade ou mesmo guerra aberta. E estas pessoas podem mesmo recorrer à ameaça da força, velada ou aberta, até conseguirem esses acordos que «têm de ser formados» dê por onde der. 

A obrigação de colocar em acordo realidades  inconciliáveis gera considerável stress a estes nativos, que podem ser forçados desde a infância a manter esse tipo de alianças necessárias para a sobrevivência e essa experiência dá-lhes o ímpeto interno para conseguirem acordos sempre que estes são necessários, por muito difíceis que sejam as condições em que terão de trabalhar.

E podem usar a autoridade  ou a ameaça da força para implementar alianças, quando estas não são possíveis de outro modo.

 Na sua vida, estes nativos estão muitas vezes em posições em que precisam de conseguir fazer acordos entre partes intratáveis ou perigosas. Mas vão conseguindo retirar força emocional à medida que vão sendo bem- sucedidos na tarefa.

Podem, igualmente, ter de formar amizades de interesse ao longo da vida, como estratégia para alcançar os seus objetivos , sempre dentro da lei e sem infringirem as normas aceites e em que acreditam. Gostam de se associar com pessoas que têm os mesmos objetivos de natureza social e que trarão benefícios para todos.

Gostam especialmente de fazer parte de redes alargadas de acordos e alianças que beneficiam muitas pessoas. Tais acordos podem ser com frequência difíceis devido à resistência das partes envolvidas e a pressão de conseguir chegar a acordo pode gerar comportamentos de ansiedade no nativo, que podem tornar-se destrutivos.

Não raramente, estas pessoas envolvem-se em organizações internacionais em que podem ter de viajar para conseguir acordos. Trabalham em geral em funções públicas. São sóbrias, trabalhadoras e têm reconhecidas capacidades de liderança.

São gestores de topo, executivos, presidentes de instituições, exercendo funções sociais de liderança. Nascem, de resto, com a predisposição para desempenhar papéis de liderança e de responsabilidade social. Revelam isso no caráter desde a infância, sempre assumindo as responsabilidades, ajudando a família, etc.

Quando o período dasa de Mercúrio ocorre durante os anos da infância e adolescência, os nativos com a Lua no Nakshstra Anuradha desenvolvem uma forma muito intelectual de lidar com a realidade, sendo muito críticos e intelectualmente brilhantes, o que pode ser difícil para os pais,  a sua capacidade crítica e grande argúcia pode ser desafiadora para alguns pais.

O grande sentido de responsabilidade sociais destas pessoas pode levá-las a trabalhar sem descanso para melhorar as condições de pessoas socialmente frágeis como as crianças.

Quando a Lua está colocada no 1º pada  os nativos abordam os outros a partir de uma perspetiva amigável,  tentando estabelecer relações cordiais com os outros, formar alianças.  Mas nem sempre estas amizades duram pois a energia de Escorpião é de transformação súbita e a realidade destas pessoas muda. Gostam de encontrar as causas profundas para todas as coisas e para o funcionamento mental dos indivíduos. 

Quando uma relação de amizade não corre bem tornam-se obsessivos procurando entender as razões de isso ter acontecido. Ficam atormentados com o «porquê» pois o conhecimento disso é visto como a chave para alcançarem sucesso na vida.

Veem os relacionamentos com os outros como a motivação mais importante das suas vidas. E ficam atormentados, deprimidos. Podem mesmo, em situações extremas, tornar-se perseguidores de alguém por quem ficam obcecados. Também podem ser excelentes profilers.

Quando a Lua está colocada no 2º Pada, os nativos são capazes de dar ordem e estabilidade ao que está desorganizado. Têm grande atenção aos pormenores . Gostam de estabilizar- a sociedade, um relacionamento, veem o que está a causar o desequilíbrio e encontram forma de trazer ordem.

Gostam de ajudar os que estão em situações extremas de desordem e caos, enfrentando situações de guerra ou de emergência e gostam de ajudar os que estão nesta situação. Podem ser voluntários, membros das forças internacionais que levam ajuda aos que sofrem situações extremas e de perigo , podem se médicos de emergência, etc.

Quando a Lua está colocada no 3º pada os nativos têm a capacidade deformar acordos e alianças mostrando uma disposição de mediação, calma. A sua mente é calma e estável, organizada, sobretudo à medida que vão amadurecendo. Apaziguaram e aprenderam a  controlar as emoções e são excelentes diplomatas. Sentem curiosidade e desejo de conhecer as causas das coisas a fundo mas fazem-no sem obsessão.

Por isso, aprendem a formar relacionamentos estáveis com os outros. São mentalmente muito criativos. Este pada é o mais tranquilo do signo Escorpião, o menos atormentado e disruptivo. Concretiza o grande objetivo do Nakshatra, que é encontrar estabilidade dentro do caos.

Quando a Lua está colocada no 4º pada  a mente adota as características mais comuns no signo Escorpião.  A sua energia é muito intensa e procura entrar nos relacionamentos de forma tão intensa e apaixonada que causa desequilíbrio. Se um relacionamento não resulta, estes nativos são capazes dos atos mais extremos, incluindo matar o outro ou matar-se a si mesmo, perdendo completamente o rumo.

A mente pode ser por isso muito escura neste pada. Estes nativos são, no entanto, capazes de conhecer a fundo o modo como funciona a psique dos outros. E podem usar esse conhecimento para se curarem a si próprios .

Poderá Gostar de Ler

Deixe um comentário a sua opinião conta