Fazer Previsões com os Chronocrators

tempo da vida

O Chronocrator é o «senhor do tempo» isto é, é o planeta que, durante um determinado período, está ativo como regente da carta natal. Assim, os astrólogos antigos consideravam que a carta natal não desenvolve todas as suas «promessas» ao mesmo tempo. Na verdade estas ficam latentes até que o planeta chronocrator que as simboliza esteja ativo.

Existem várias técnicas para encontrar o planeta chronocrator para um certo período de tempo: uma é  a técnica das profectio anuais, de que falámos em artigo anterior e que permitem antever previsões para o período de um ano (também podem ser usadas para ver meses ou dias). Mas há também chronocrators para períodos mais longos da vida. As técnicas para determinar estes períodos foram explicadas por V. Valens, no século II são as técnicas da «libertação zodiacal», de que vamos falar neste artigo.

Nos tempos antigos o uso dos chronocrators não se reduzia ao horóscopo individual. Na verdade, os planetas, que se tornam «marcadores do tempo» quando estão ativos como chronocrators determinam também, pelos seus ciclos, os acontecimentos da História da Humanidade. Como dissemos em outro artigo nos tempos antigos os principais chronocrators eram os planetas mais longínquos (na época, eram Saturno e Júpiter, o primeiro com uma órbita que dura cerca de 30 anos e o segundo com uma órbita de 12 anos). Sempre que Júpiter entrava em conjunção com Saturno a cada 20 anos, esse era o início de um novo ciclo num ciclo maior que durava 198 anos e 265 dias. Após vários ciclos repetidos, a cada 800 ou 965 anos, o signo em que se dava a conjunção era o mesmo. Quando esta grande conjunção se dava no signo de Sagitário, esse era considerado um período de máxima importância e com grandes mudanças. Esta análise macrocósmica das conjunções de Júpiter e Saturno levou à sua designação como os «grandes chronocrators».

O uso dos chronocrators esteve em uso até à Idade Média, tendo-se perdido  o seu uso na astrologia ocidental da atualidade.

Quanto ao uso dos chronocrators para analisar o horóscopo individual, note-se que há semelhanças entre este sistema e o sistema vimsottari dasa usado pela Astrologia Jyotish. Tal não é de admirar, uma vez que este ramo da astrologia recebeu amplas influências da Astrologia Helenística, como referimos em outro artigo.

Vettius Valens no século II e Firmicus Maternus, do século IV deixaram a explicação do uso destas técnicas, tendo muitas delas ficado perdidas no tempo. A tradução de textos em Grego e Latim está, no entanto, a recuperá-las.

Rahu e Ketu estão excluídos deste cálculo , sendo considerados apenas os 7 planetas conhecidos nos tempos antigos.

Tal como sucede com o sistema vimsottari dasa, também nos períodos atribuídos aos chronocrators há períodos maiores e períodos menores.

Para explicar a técnica da «libertação zodiacal», seguimos Chris Brennan.

A primeira tarefa a fazer é determinar onde está colocada a Parte ou Lote da Fortuna e a Parte do Espírito.  Os signos e seus regentes serão  o ponto de partida para iniciar os períodos maiores, da mesma forma que, para as profectio, era o Ascendente o ponto de partida.

A escolha da Parte da Fortuna ou da parte do Espírito como início depende do tipo de análise que desejamos fazer: para prever a concretização de assuntos  relacionados com a carreira, a direção geral que a vida da pessoa irá tomar, usa-se a Parte do Espírito; para questões ligadas á saúde , ao corpo, usa-se a Parte da Fortuna. Há uma exceção a esta regra, quando ambas as partes ocorrem no mesmo signo. Neste caso, segundo Valens, a parte da fortuna deve mover-se um signo para a frente.

O signo em que o lote usado está colocado tem um número de anos atribuído, a partir dos anos atribuídos ao seu regente. Porém no caso de Saturno, os seus períodos têm duração diferente. Em Capricórnio tem a duração de 27 anos e em Aquário 30 anos. Assim, para cada signo de colocação é a seguinte a duração: Caranguejo: 25 anos; Leão: 19 anos; Gémeos e Virgem 20 anos, Carneiro e Escorpião 15 anos; Sagitário e Peixes 12 anos; Touro e Balança 8 anos.

Se usamos o lote da Fortuna na análise e esta está colocada no signo Carneiro então, o primeiro regente  do período maior rege a carta nos primeiros 15 anos de vida; para determinar os períodos seguintes, segue-se a ordem do Zodíaco; o período seguinte segue a ordem natural do Zodíaco : a seguir ao primeiro período encontrado, neste caso, será Vénus o regente do período, que durará 8 anos. E assim sucessivamente. Como alguns planetas têm períodos bastante longos, um indivíduo experiencia apenas alguns destes  períodos planetários durante a vida. Deste modo, alguns dos significados dos planetas manifestam-se apenas nos subperíodos de outros períodos maiores, o que faz com que muitos astrólogos deem mais importância aos subperíodos do que aos períodos maiores.

Para encontrar os subperíodos, começamos pelo planeta que rege o período maior e, simplesmente, reduzimos os anos para meses: se o Sol rege o período maior, de 19 anos, o primeiro subperíodo tem regência do Sol, durante 19 meses. Como a ordem seguida para determinar o regente dos períodos segue a ordem natural dos signos do zodíaco, então, do mesmo modo que o próximo período maior será de Mercúrio, regente de Virgem, o mesmo acontece nos subperíodos: o 2º período menor do período do Sol terá regência de Mercúrio durante 20 meses  e sucessivamente, até se esgotar todo o período maior.

Os cálculos para determinar os períodos maiores dos planetas baseiam-se em anos de 360 dias. Para os períodos menores, os meses calculam-se como tendo 30 dias. Deste modo, em cada período maior, cada subperíodo representa 1/12 do respetivo período maior. Esta técnica pode aplicar-.se em divisões mais pequenas de semanas e dias.

A análise destes períodos tinha por finalidade fazer previsões futuras de eventos. São os seguintes os fatores a ter em conta para a interpretação destes períodos de libertação zodiacal.

Interpretar os Períodos de Libertação Zodiacal

Como referimos atrás, os períodos planetários de que falamos têm como referência direta o signo de colocação dos lotes e os signos subsequentes. Assim, deve-se:

  1. Ver se no signo considerado há planetas e qual o seu estado (dignidade, natureza benéfica ou maléfica);
  2. Ver se há aspetos de oposição ou de quadratura para esse signo e qual a natureza desses planetas (benéfica ou maléfica);
  3. Analisar o estado do planeta que rege o período maior (dignidade, aspetos recebidos, natureza maléfica ou benéfica).

De acordo com C.  Brennan, que usa estas técnicas na análise astrológica de forma habitual, os dois primeiros fatores são os mais importantes para determinar a qualidade do período e os eventos .

Note-se que, para usar esta técnica, é preciso ter em conta o secto que domina  e qual é o planeta benéfico para este e qual é o planeta maléfico. Para uma carta diurna, Júpiter é o planeta benéfico enquanto Marte é o planeta maléfico; para uma carta noturna, Vénus é o planeta benéfico do secto, enquanto Saturno é o planeta maléfico.

Com base nisto, é possível delinear quais serão os períodos da vida mais positivos e quais serão os períodos mais desafiadores.  Há algumas regras a ter em conta para fazer essa previsão:

  1. O signo que contém o planeta benéfico do secto ou signos que enviam aspetos de quadratura ou oposição para o planeta benéfico do secto produzirão alguns dos resultados mais positivos na vida do nativo quando os regentes estiverem ativos no período como chronocrators.
  2. Por outro lado, o signo que contém o planeta maléfico do secto contrário ou os signos que enviam aspetos de oposição ou quadratura com esse planeta maléfico indicam os períodos, quando o regente  desses signos está ativo, mais difíceis da vida. Os períodos do signo  que contém o planeta maléfico a favor do secto ou os períodos dos signos que lançam aspetos de quadratura ou oposição para esse planeta , por seu lado, podem coincidir com alguns eventos negativos mas são em geral muito menos negativos do que os relativos ao planeta do secto contrário.

Dito por outras palavras, Saturno é bastante mais maléfico para uma carta diurna  pois é o maléfico do secto contrário, e menos maléfico para uma carta noturna; Marte é menos maléfico numa carta diruna do que numa carta noturna, pelas mesmas razões.

Esta técnica tem a virtude de ser bastante simples e de permitir ficar com uma visão geral quase imediata de quais serão os períodos mais positivos, potencialmente, e quais serão mais negativos.  Mas não se deve esquecer,  no entanto, o que dissemos inicialmente: quando usamos o lote da fortuna estas previsões dizem respeito à saúde e ao corpo, quando usamos o lote do espírito estas previsões dizem respeito à carreira e direção geral da vida.

Deixe um Comentário a sua opinião conta