Astrologia Horária- Introdução

(alt(=" ")

Neste artigo começamos  a   explicar a Astrologia horária e as suas técnicas e procedimentos, no primeiro de uma série de artigos em que mostraremos como funciona  este ramo da Astrologia e que podemos considerar como um pequeno curso sobre a Astrologia Horária.

Os leitores que habitualmente nos seguem, sabem que este ramo da Astrologia corresponde, na Astrologia Jyotish da Índia, à astrologia Prashna.

Iremos, muito brevemente,  explorar detidamente a abordagem da Astrologia Prashna no nosso site https://aprendizdeastrologia.com; e, neste site, iremos abordar o mesmo ramo da astrologia tal como tem sido praticado na Astrologia Ocidental.  Deste modo os leitores poderão comparar métodos , semelhanças e diferenças.

Astrologia Eletiva e Astrologia Horária

Já temos referido em outros artigos que a Astrologia eletiva e  Astrologia horária são ramos diferentes ainda que partilhem técnicas em comum: basicamente, enquanto que a Astrologia horária levanta uma carta para o momento em que se faz uma determinada pergunta, a Astrologia eletiva escolhe o momento «mais propício», para fazer uma determinada atividade ou tomar uma decisão.

O princípio que está na base da realização da consulta horária é o de que o momento em que se faz uma pergunta, tem uma ligação direta com o resultado  da matéria dessa questão. Isto porque corresponde, na ordem da existência, ao momento da conceção ou manifestação, através da pergunta, de alguma coisa, no contínuo espaço/tempo em que vivemos.

Essa é a razão pela qual a pergunta da consulta horária deve corresponder a uma necessidade real da pessoa que a faz porque, ao fazê-la, o assunto em questão é imbuído de realidade pela mente , marcando-se, desse modo, a conceção do próprio evento no espaço e no tempo.

Como referiram muitos filósofos ao longo do tempo, a mente tem propriedades criadoras, especialmente quando há um forte motivo, interesse e emoção associados à pergunta que é feita. E compreende-se também porque se acrescenta que uma pergunta deve ser formulada apenas uma vez e não repetidamente.

Isto é a base do sucesso da consulta da Astrologia horária. Já a consulta da Astrologia eletiva implica o estudo das configurações planetárias mais propícias para realizar alguma coisa, levantando-se um mapa para o momento em que as configurações celestes são as mais felizes para a matéria em questão, no espaço e tempo em que a pessoa vive.

Tanto a Astrologia Horária como a Eletiva são praticadas desde há mais de 2 mill anos, tendo sido as primeiras formas de Astrologia a serem praticadas de forma sistemática, uma vez que a astrologia centrada no indivíduo é posterior a estas. Deste modo, têm sido amplamente testadas e comprovadas como modos fiáveis de efetuar previsões.

Princípios Básicos da Astrologia Horária

Para compreender e utilizar este ramo da Astrologia, é necessário conhecer as suas técnicas específicas e as suas regras de interpretação. E, neste ponto, embora muitos dos significados gerais dos planetas e das casas continuem a ser válidos, há outros completamente diferentes que é preciso dominar.

Deste modo, uma pessoa versada na prática da Astrologia de horóscopo (mapa individual) não tem preparação para analisar e interpretar uma carta astrológica da Astrologia horária. Terá de aprender e praticar.

Deste modo, o primeiro procedimento, nesta área da Astrologia, é aprender a identificar o planeta ou planetas que significam a pessoa que faz a pergunta e o planeta ou planetas que significam a «matéria da questão» e ver como ambos se relacionam na carta.

Como nas análises em geral, se se relacionarem de forma positiva, a matéria da pergunta terá bons resultados; se isso não acontece, então, os resultados não serão positivos.

É necessário, antes de mais, conhecer os significados de cada uma das casas do horóscopo e as áreas de vida e pessoas que cada uma representa. Assim, pode-se relacionar facilmente a matéria da pergunta com uma dada casa em particular.

Depois é necessário ver quais os signos que preenchem cada uma das casas da carta horária:  e os significados gerais do planeta que as rege.

A este propósito, deverá lembrar-se que é preciso ter em conta dois níveis de significação dos planetas: um geral e um específico:

Os planetas são significadores gerais (por exemplo, Mercúrio significa a comunicação e o discurso, as mensagens, o ensino, etc.) mas, como regentes de uma dada casa  também são significadores  específicos das áreas que essa casa representa.

A seguir é preciso ver se há planetas colocados nas casas que são importantes para a consulta horária: os aspetos que formam com outros planetas e, em especial, com os que são significativos para a matéria da pergunta.

Devemos ter em conta que os aspetos a considerar não são os da Astrologia Jyotish mas os aspetos definidos tradicionalmente pela astrologia ocidental.

Há ainda um outro aspeto a considerar: muitos astrólogos preferem  usar, nos cálculos para a carta da Astrologia horária, o sistema de casas de Regiomontanus. Neste sistema de casas, o Equador é dividido em 12 porções iguais, sendo projetadas na Eclítica com um ângulo de cerca de 23º 5 em relação ao Equador.

Os leitores podem escolher, em qualquer software de astrologia, o sistema de casas preferido. Poderão fazê-lo online com facilidade de forma gratuita. Um site que recomendamos para esse efeito é  https://astro.com.

Nos próximos artigos continuaremos a explicar os conceitos e procedimentos da Astrologia horária.

Relacionados

Leave a Comment