Serapion de Alexandria- Definições das Configurações Celestes

 

Planeta Saturno

Neste artigo  descrevemos os significados de algumas definições usadas pela astrologia helenística, a partir da obra Paranomasia atribuída a  Serapion de Alexandria, que viveu na área mediterrânica no século I da era cristã. Esta obra é um glossário das configurações do horóscopo, explicando o significado de configurações que envolvem os signos, as casas e os planetas no horóscopo.

Alguns investigadores consideram que o texto existente e traduzido por vários estudiosos inclui as definições de Serapion e também de outros autores, sendo portanto posterior ao século I.

Reproduzimos neste artigo algumas dessas definições, para ajudar a compreender o vocabulário usado pela astrologia antiga e aprender a determinar melhor a força e fraqueza das configurações do horóscopo.

Estamos certos de que a compreensão destes significados ajuda qualquer astrólogo a compreender melhor as técnicas e os termos  usados hoje pela astrologia , muitos dos quais são usados sem ninguém ter explicado completamente o seu significado.

Signos Frutuosos– As 4 casas kendra ou «pivot» tornam os signos nelas colocados frutuosos.

Planetas Frutuosos– Os planetas, por seu lado, quando colocados em casas kendra ou em associação com o lote da fortuna ou que estão numa fase [1] ou acabaram de formar um trino com o Sol, ou estão em conjunção exata dita sinódica[2], são operativos e eficazes.

Planetas Cooperativos– Estes planetas também são ditos cooperativos. Já os que não se encontram nestas posições são ditos ineficazes. Os planetas que estão em aspeto com outros trabalham em comum, ajudam-se mutuamente.

Planetas em Simpatia– Estão em «simpatia» os planetas que estão à mesma distância de um determinado ponto, considerado harmonioso em virtude de lançarem aspeto mútuo.

Planetas em Antipatia– Estão em antipatia os planetas que não têm qualquer aspeto com outros, estando deste modo em aversão.

Planetas Desconectados– Os planetas colocados em signos distantes um do outro por uma relação de 6/8  casas estão desconectados.

Planeta ao Comando– Um planeta diz-se estar «ao comando» quando está colocado na própria casa e esta é uma casa pivot (kendra), acima do horizonte  e em aspeto com as luminárias (Sol e Lua).

Serapion coloca uma ênfase  especial na Lua e na colocação dos planetas numa casa pivot ou angular, afirmando que, quando um dos cinco planetas está colocado numa casa pivot e recebe o aspeto da Lua, mesmo que seja um aspeto considerado desafiador, como a quadratura, também está ao comando.

Sol e Lua ao Comando– Quando o Sol rege a «hora», comanda. Se a Lua estiver em trino com o Sol nessa circunstância, também comanda.

Planetas Dominantes– Os planetas que estão na situação referida atrás como «estando ao comando» dizem-se dominantes na natividade.

Planeta Eficaz– Quando um planeta está colocado numa casa pivot, sem receber o aspeto da Lua é eficaz mas não produz resultados tão significativos como na situação anterior.

Planeta Maltratado– Um planeta colocado numa casa que não lhe convém, ou está cercado por maléficos, ou em oposição, ou numa relação de dez casas em relação a outro (aspeto dexter) é dito estar «maltratado».

Boas Casas de Colocação– As boas colocações, acrescenta Serapion, são o Marcador da Hora[3], o Meio Céu[4], a 5ª  11ª casas, a 9ª e  a 3ª.

Más Casas de Colocação– Em contrapartida, a 2ª, 4ª, 6ª, 7ª, 8ª 12ª casas a partir do Marcador da Hora são maléficas.

Planeta que «aprende na direção de»- Um planeta que se move na direção de outro planeta que se move à sua frente «aprende na direção do que lhe vai à frente;

Erguer-se em conjunto com a Lua–  o signo que se move à frente da Lua, e para o qual esta se dirige, é dito que se ergue conjuntamente, pois estão no mesmo meridiano.

Signo que se mantém Levantado– O signo atrás da Lua, que não se ergue ao mesmo tempo que a Lua diz-se que «se mantém levantado».

Planeta em Superioridade– Um planeta colocado no 9º signo diz-se que tem «superioridade» em força (possui visão superior).

A superioridade ocorre ainda nas seguintes situações: quando dois planetas estão colocados no mesmo signo, aquele que está colocado no grau inferior tem superioridade sobre o outro.

Planeta na sua própria Carruagem– Quando um planeta está colocado no signo de exaltação, diz-se que está na própria carruagem.

Graus Piedosos de um signo– Os 15º à frente do Sol são ditos «piedosos» porque os planetas se libertaram  dos «raios do Sol».

Graus Profanos de um signo– Já os 15º iniciais em relação à posição do Sol são ditos «profanos» porque os planetas estão mais fracos por estarem sob os raios do Sol.

Planetas Orientais e Ocidentais– Os planetas são considerados «orientais» quando se elevam no horizonte antes do Sol; são considerados «ocidentais» quando se elevam imediatamente antes do Sol e depois da Lua.

Lua que se eleva de noite e Lua que se  eleva  de manhã: a lua que se move da conjunção com o Sol ( Lua nova) para a Lua Cheia diz-se que se «eleva de noite»; a Lua que se move da fase da Lua cheia para nova conjunção com o Sol ( Lua nova) diz-se que se «eleva de manhã».

No próximo artigo continuaremos a explorar este glossário com base na obra referida de Serapion.

 

[1] Um planeta está «numa fase» quando reflete uma certa porção de luz solar, numa porção da sua superfície, quando observado a partir de um certo ponto. Essa  porção é maior ou menor de acordo com a fase em que se encontra na órbita em volta do Sol.

[3] O Marcador da Hora é o Ascendente, por vezes usado não apenas para designar o grau em que se encontra o Ascendente mas toda a 1ª casa.

[4] O meio céu é a cúspide da 10ª casa, não a totalidade da 10ª casa.

Relacionados

Leave a Comment