Planetas e Casas na Astrologia Horária

Mostrador de relógio

A escolha da casa correta para analisar a questão da carta horária é fundamental. É o fator mais básico e fundamental da consulta horária. Neste artigo explicamos os significados básicos das casas  e planetas  tendo em conta as questões analisadas pela astrologia horária.

Escolher a casa apropriada para a análise exige mais do que «saber de cor» os significados das casas e dos planetas. É preciso ter alguma intuição para relacionar esses significados com a questão específica formulada.

Este passo de relacionar a pergunta com a casa que lhe é mais apropriada deve ser o primeiro passo da análise. E apenas depois disso se deve olhar para a carta como um todo.

Significados Básicos da Casas e Planetas

Na astrologia ocidental, a carta mostra a posição dos planetas no espaço, projetado na Eclítica, no caminho aparente do Sol através do espaço. Da perspetiva da Terra, o ponto em que o horizonte, a Este, cruza a Eclítica chama-se Ascendente e corresponde ao nascer do Sol.

Por vezes, os astrólogos consideram útil dividir as casas em dois hemisférios: as casas abaixo do horizonte (também designadas por noturnas) – 1,2,3,4,5,6, relacionadas com matérias pessoais e privadas; e as casas acima do horizonte (também designadas por casas diurnas): 7,8,9,10,11, 12, relacionadas com outras pessoas ou  assuntos públicos.

Existe uma complementaridade entre as casas: 1ª e 7ª, 2ª e 8ª; 3ª e 9ª; 4ª e 10ª; 5ª e 11ª ; 6ª e 12ª.

O ponto em que o horizonte cruza a Eclítica no Oeste chama-se Descendente e corresponde ao pôr do Sol.

Assim, o Ascendente é a cúspide da 1ª casa e representa o nascer do Sol, que é o começo de um novo dia. Simbolicamente representa, por isso, o começo  da vida, com o bebé que acaba de nascer ou o início de alguma coisa, de uma ação, ou de uma questão.

Deste modo, significa o querente, isto é a pessoa que faz a pergunta e que está a iniciar, com essa mesma pergunta, uma nova atividade, iniciativa ou empreendimento.

Tanto na Astrologia eletiva como horária, a pessoa que faz a pergunta ou querente é simbolizada por:

Ascendente ou cúspide da 1ª casa; o planeta que rege a 1ª casa; planetas colocados na 1ª casa; finalmente, a Lua é sempre corregente do querente, devendo sempre ser tida em conta.

Planetas e outros significadores

Na astrologia horária, os planetas não significam em primariamente aspetos da psicologia e caráter do nativo, simbolizam antes eventos e aspetos ou pessoas na vida do querente, descrevendo o comportamento de outras pessoas em relação ao querente, ou descrevendo os objetos e situações que são desejados ou objetos da questão por parte do querente.

Ainda assim, na astrologia horária é fundamental o conhecimento do simbolismo dos planetas e casas, para se poder fazer a correspondência entre estes símbolos e os factos/eventos/pessoas da vida real que são questionados neste ramo da astrologia.

Será preciso praticar para conseguir descrever bens os contornos de cada situação  que é objeto da questão, o passado da mesma e o seu desenvolvimento. À medida que o (a) estudante vai interiorizando os significados simbólicos usados, torna-se cada vez mais fácil esta análise integrada.

Os fatores mais importantes são os significadores- planetas e casas- sendo crucial associar corretamente uns e outros à casa   e questão em análise.

Papel Geral da Lua

Para além de ser corregente do querente, a Lua tem um papel geral de significador que não pode ser esquecido: ela não só ajuda a descrever o querente e a situação geral deste, como rege em termos gerais toda a situação, mostrando mudanças e movimentos que , de outra forma, poderiam não ser evidentes.

Os aspetos que a Lua envia e recebe , a sua força e dignificação, posição , etc. ajudam a compreender fatores adicionais aos significadores principais. A posição da Lua e os aspetos que forma dizem sempre algo importante sobre toda a questão que está a ser inquirida.

Quando, na carta  horária, há dissonância entre os significados da Lua e os outros significadores principais, isso muitas vezes indica causas diferentes para a questão analisada, que devem ser investigadas.

Porque Devem ser Usadas as Regências Tradicionais dos Signos

Embora haja astrólogos que usam os planetas exteriores na astrologia horária, a grande maioria segue as regências tradicionais dos signos.

Há boas razões para isso: as bases da astrologia horária foram estabelecidas no passado remoto, funcionando como um sistema completo em que os diversos fatores interagem uns com os outros de acordo com regras e princípios que têm sido comprovados.

Assim, a introdução de novos elementos, exteriores a essas configurações simbólicas, gera uma perturbação que destrói os elementos significadores  e pode resultar em análises menos fiáveis do que as feitas pelos astrólogos do passado.

Isto tem muito a ver com o facto de a astrologia ser um sistema simbólico. E, como referem alguns astrólogos a este propósito se, por exemplo, se altera a regência do signo Escorpião, retirando-a de Marte para a atribuir a Plutão, a regência de Carneiro por Marte deixa igualmente de fazer sentido pois há elementos simbólicos que dependem da atribuição desses dois signos a Marte. E todo o sistema deixa de fazer sentido.

Na astrologia antiga, da qual a astrologia horária surgiu como um ramo natural, há distinções simbólicas fundamentais para a interpretação, como a classificação em signos diurnos e noturnos (masculinos e femininos) e, se não se respeitar a regência tradicional, todos esses conceitos deixam de fazer sentido.

Outra razão importante para o não uso dos planetas exteriores, cujo movimento é muito lento, tem a ver com o facto de eles representarem aspetos sociais ou políticos,  ou transcendentes, cuja influência não é individual mas geracional, tendo por isso pouca importância na  vida do indivíduo. Ora, a astrologia horária tem tudo a ver com as circunstâncias individuais e não com as influências geracionais, embora estas também se façam sentir, como é óbvio, mas a nível secundário.

Os investigadores deste ramo da astrologia clamam por isso que o uso dos planetas exteriores não provou a sua importância na astrologia horária, pelo menos em termos de significadores principais. Assim, se deseja usá-los, convém ter em mente que eles são sempre um elemento secundário na interpretação.

Para compreender plenamente a regência dos planetas e os seus significados, os leitores menos familiarizados com esta matéria ganharão bastante ao ler os artigos publicados neste site sobre a dignidade dos planetas. O conhecimento desta matéria é extremamente importante para poderem analisar com sucesso uma carta horária.

Outros artigos de grande interesse são os que explicam a natureza e força/debilidade dos planetas e dos aspetos, na astrologia helenística, bem como a natureza das casas do horóscopo.

Encontra todos esses artigos no menu «Astrologia Helenística» neste site Os fundamentos da Astrologia foram deixados pelos astrólogos helenísticos e prosseguidos pelos astrólogos renascentistas, tendo alguns deles sido perdidos pelos astrólogos atuais que, por essa razão, falham muitas vezes a compreensão dos significadores da carta horária.

Entre os autores mais importantes da Astrologia Horária, está William Lilly, que viveu no século 17 e a obra Christian Astrology  que iremos em breve analisar para os leitores, na sua totalidade.

Para a astrologia horária, a descrição que Lilly faz dos significados das casas é considerada a referência fundamental.

Relacionados

Leave a Comment