Retificar o Nascimento- Método Animodar

Mãe com bebé recém nascido

Neste artigo descrevemos o método de retificação do nascimento segundo o método  Animodar, dado por Ptolomeu na obra Terabiblos e descrito por Lilly na sua obra Christian Astrology.  Lilly afirma que, no seu tempo, muitos autores «instruídos» seguem este método de retificação. Falámos em outro artigo do método de Hermes.

Neste método, sabemos a hora aproximada do nascimento e queremos apenas saber o grau exato do Ascendente.

Procedimentos de Retificação no Método Animodar

Segundo Ptolomeu, quando se conhece apenas com uma estimativa, a hora do nascimento, deve levantar-se a carta com a estimativa que temos mais próxima e, seguidamente, observar o ciclo de lunação anterior ao nascimento:

  Anotar o grau do signo da última Lua Nova, se tiver sido esta a última lunação antes do nascimento; ou, se tiver sido uma Lua cheia, anotar antes o grau do signo em que se encontrava a Luminária acima do horizonte- o Sol ou a Lua, conforme o caso.

Isto vê-se vendo em que hemisfério do horóscopo está o Sol e a Lua. O grau daquele que estiver acima do horizonte é o considerado.

Levanta-se a carta com a estimativa da hora do nascimento, em primeiro lugar. A seguir, observa-se, na carta levantada, qual o planeta que tem mais dignidades essenciais no grau da última Lua nova ou Lua cheia, conforme o caso e tem-se em conta também a hora da Lua nova ou Lua cheia.

A hora da lunação é importante porque a dignidade essencial da triplicidade é diferente para o período diurno e noturno. Isto é particularmente importante quando se considera a Lua nova.

Tendo decidido se consideramos a última Lua nova ou a última Lua cheia , e anotado o grau ou da Lua nova ou da luminária acima do horizonte antes do nascimento, usamos a tabela das dignidades essenciais para vermos qual é o planeta que tem mais dignidades no grau do signo em causa.

Damos um exemplo, para mais fácil entendimento: uma pessoa nascida no dia 24 de janeiro de 1960 um pouco antes das 6 h da manhã.

Consultamos as efemérides e vemos que a última lunação antes do dia do nascimento foi uma Lua cheia no dia 13 de janeiro, às 23h 51’ a 23º 49’ do signo Caranguejo.

Observamos a carta levantada para a hora estimada e vemos que, nesta, o Sol está abaixo do horizonte enquanto a Lua está acima do horizonte a 7º 40’ do signo Sagitário.

Consideramos este último valor, pois temos a Lua acima do horizonte. A seguir, vemos a tabela das dignidades essenciais, o signo Sagitário e as várias dignidades dos planetas neste signo:

Observamos que Júpiter rege o signo, rege também a triplicidade porque a lunação ocorreu à noite, rege ainda o termo , isto é o grau em que se encontra colocada a Lua. Nenhum outro planeta tem tantas dignidades,  por isso, este é o planeta que vamos usar.

Olhamos para a posição de Júpiter na carta de estimativa que levantámos: Júpiter está colocado a 26º 23’ do signo Sagitário. O Ascendente por estimativa, por sua vez, dava 29º 23’ do signo Sagitário, pelo que a posição de Júpiter está sem dúvida mais próxima do Ascendente.

A seguir, alteramos o grau do Ascendente para o grau de Júpiter para o dia em causa.

Mas se estivesse mais próximo do Meio do Céu do que do Ascendente, colocávamos esse grau no meio do céu e ajustaríamos a carta levantada inicialmente, testando-a com cada um destes ângulos.

O problema, segundo Lilly, é que este método não permite decidir em situações como a seguinte:

Quando há 2 planetas com o mesmo número de dignidades essenciais no grau do signo onde se encontra o planeta que rege o grau da Lua nova ou Lua cheia antes do nascimento, mencionado atrás, escolhe-se aquele que está mais perto, em graus, do Ascendente ou M.C.

Lilly dá um exemplo concreto que acompanhamos: uma pessoa nascida em 25 de setembro 1616 por volta das 11 horas, Inglaterra.

O Sol encontrava-se colocado a 2º 32 ‘do signo Balança, logo, acima do horizonte, havendo uma Lua cheia, com oposição entre a Lua e o sol, encontrando-se a Lua abaixo do horizonte. Deste modo considera-se o grau do signo de colocação do sol, pois a última fase de lunação anterior ao nascimento foi a Lua cheia que ainda decorre após o nascimento.

Observa-se, em seguida, qual o planeta que tem mais dignidades no grau ocupado pelo Sol. Saturno, que fica exaltado em Balança e tem aí a sua triplicidade e também termo, é o planeta com mais dignidades. Isto pode visualizar-se facilmente olhando para a tabela das dignidades essenciais.

A seguir vê-se onde se encontra Saturno colocado, se está mais perto do Ascendente ou do Meio do céu.

Estando Saturno, nesse dia da natividade, colocado a 9º do signo Touro, está mais perto do Ascendente. Assim, considera-se que o Ascendente está a 9º 2’ do signo Capricórnio.

Porém, neste mesmo dia, Vénus estava também a 2º de Balança e alguns podem considerar que tem mais dignidades essenciais do que Saturno, tornando difícil decidir qual dos planetas deve ser usado e, desse modo, tornando também difícil decidir qual é o verdadeiro Ascendente da carta.

Segundo Lilly, nem o método Animodar nem o de Trutine de Hermes são tão corretos para retificar a carta como o uso dos acidentes.

Por curiosidade, damos aos leitores alguma informação adicional sobre o exemplo que demos em primeiro lugar, para o qual tínhamos a hora conhecida do nascimento e que usámos para testar  o método Animodar.

Para a hora do nascimento conhecida, o Ascendente está a 27º 7’ do signo Sagitário. Pelo método Animodar, a posição de Júpiter daria 26º 23’ do signo Sagitário, uma diferença de 20 minutos. Parece um pouco demais, mas os leitores poderão testar o método aplicando-o a cartas nas quais tenham conhecimento exato da hora.

No próximo artigo daremos conhecimento do método defendido e usado  por Lilly.

Relacionados

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments