Sugestão para o Fim de Semana

Chega mais um fim de semana de  Outono aberto mas suave, apesar do breve arrufo matinal que se anuncia em  gotas incertas de chuva, aqui e ali.

Nada que nos demova de uma saída ao ar livre, em contacto com a natureza para harmonizarmos as nossas energias com o novo ritmo do Outono. Sentir e respirar os  novos tons  da vegetação que lentamente começa a tingir-se de dourado e vermelho, respirar o ar  lavado da Terra que se aquieta para descansar, é revigorante  e repolariza as nossas energias.
Para os que estão por Lisboa, recomendo as visitas guiadas, organizadas no seio da Assembleia da República, para hoje e amanhã, pela lindíssima cidade de Lisboa. As visitas são grátis. Junto o contacto telefónico para mais informações.
Bom fim de semana!

Rota das Coleções
Percurso pela cidade de Lisboa através dos espaços por onde passaram as coleções de história natural da Unidade de Museus da Universidade de Lisboa que funciona hoje nos espaços da antiga Escola Politécnica.
29 set/12: 10h-17h

TAPADA DA AJUDA
Passeio pela Tapada da Ajuda
29 set/12:
10h 

Rota da Geodiver-Cidade
Percurso pedestre pela geologia urbana.
30 set/12: 14h30-17h

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA
Palácio de S. Bento

213 910 849

Compreender o Destino Pessoal – a Associação dos Nodos com os Outros Planetas.


Quando Rahu e Ketu se encontram associados a outros planetas  existem experiências específicas ligadas aos significados desses planetas e à sua localização na carta natal que definem o destino pessoal .
A energia de Rahu e Ketu  altera-sequando em  associação com outros  planetas– pois assumem  a natureza desses planetas magnificandoas suas qualidades.
Rahu distorce  a energia dos outros planetas  exagerando os seus efeitos, que podem fazer-se sentir externamente ou psicologicamente ,cria ilusões de grandeza e de poder  associadas aos significados dos planetas e à sua localização. Rahu cria o desejo obsessivo pela posse mas simultaneamente faz surgir o medo de perder isso que se possui  pelo que podem surgir muitos comportamentos compulsivos  e dependências. Rahu também significa  todos os tipos de veneno e de substâncias intoxicantes (venenos, álcool, drogas).
 As conjunções dos planetas com Ketu  revelam tipos de experiência que já foram muito trabalhadas  e onde já desenvolvemos muitas competências. Desse modo, os planetas conjuntos com  ketu representam energias refinadas e maduras da nossa identidade embora  a pessoa possa não se sentir satisfeita com esse desenvolvimento. Isto faz com que Ketu interiorize e de certo modo desintegre  a energia dos planetas com que está associado.
Costuma-se dizer que Ketu nega o planeta com o qual está conjunto. O que se passa é que Ketu magnifica o planeta a que se  associa de maneira invulgar : ele é o ponto onde o karma da pessoa é processado e libertadopara o  pólo de Rahu onde é vivenciado através das experiências significadas por Rahu.
Rahu na conjunção com um planeta mostra uma energia em desenvolvimento; Ketu mostra o ponto onde essa energia será completada.
A associação dos nodos com os outrosplanetas revela  as seguintes características psicológicas específicas:
A associação com o Sol: 
Rahu conjunto com o Sol O Sol simboliza a alma  e é por isso uma referência essencial . Quando conjunto com Rahupode criar um tremendo desejo de podere de ser o centro do mundo.  A pessoa fica obcecada pelo seu poder pessoal, procurando tudo o que lhe permita alcançar a máxima visibilidade.  O indivíduo sente-se impelido a exprimir uma personalidade forte, carismática e muito confiante, a imagem do seu  poder pessoal. Em algumas pessoas isto pode ser percepcionado como «um grande ego» e com expressões narcisistas de um extremo auto- centramento.
 Em todos os casos, porém, a imagem de autoconfiança esconde por vezes muito stress e ansiedade em relação às suas capacidades e valor pessoal.  O indivíduo necessita de explorar todos os aspectos da sua realidade pessoal para descobrir o significado da individualidade e  das metas do seu auto- desenvolvimento. Esta pessoa precisa de construir e  de estruturar o seu ego. É  este o foco do seu desenvolvimento na existência.
Ketu conjunto com  Sol- É uma associação difícil porque o indivíduo é o maior crítico de si próprio, sempre insatisfeito com todas as suas acções e manifestações da sua individualidade. A função de Ketu é o trabalho interior que permite à almadescobrir a verdadeira essência  da identidade individual .  Para  alcançar isso Ketu cria sentimentos de desamparo, falta de confiança  e dúvidas acerca de si próprio . A forma como atua é a da humilhação e a  da perda  da  estabilidade mental. Nos indivíduos mais fracos isto leva   muitas vezes  a formas de dependência próprias de Rahu/Ketu, como as drogas e o álcool.
 Quando  Ketu está conjunto com o Sol, a auto-estima da pessoa é duramente colocada à prova. Esta pessoa é  perfeccionista , porém, nenhuma acção lhe traz o conforto da auto-realização e da satisfação pessoal. A nível subconsciente, esta pessoa está  progressivamente a libertar-se do ego pessoal e a desenvolver um sentido de identidade mais profundo e interior.  Ela dá-se conta, como ninguém, de todas as armadilhas e ilusões construídas  pela sua personae as  formas de manipulação geradas pela vaidade pessoal e pela ambição mundana
 Estas pessoas passam muitas vezes por uma infância em que se confrontam com situações que os levam a duvidarem constantemente de si próprios.   Muitas delas tornam-se pessoas altamente espirituais embora pessimistas em relação ao mundo material.
A Associação com a Lua:
Rahu conjunto com a Lua- A associação com a Lua é  uma das mais difíceis em termos de experiência pessoal. A Lua significa a nossa mente emocional, a consciência reflexiva nutridora e protectora,   a nossa capacidade para nos  harmonizarmos com o nosso ambiente e nos sentirmos em «nossa casa». Quando a Lua está conjunta com Rahu existe um sentimento de corte e de separaçãoentre os sentimentos e as emoções e o corpo e o ambiente físico. Há  uma generalizada  sensação de desadequação e de alienação.
Há muitas vezes relacionamentos dolorosos , de todos os tipos porque  a pessoa  procura no exterior a segurança emocional que lhe falta interiormente  mas  o seu sentimento de desadequação não podeser  colmatado  dessa forma porque o seu sentimento de vazio tem origem no interior de si própria.
Com o tempo a pessoa interioriza o seu foco de atenção e  os tumultos emocionais apaziguam-se e pode mesmo desenvolver uma forte capacidade psíquica de percepção.
Ketu conjunto com a Lua- Esta combinação  mostra uma pessoa que é extremamente crítica em relação à sua aparência física e às suas competências mentais e emocionais. É uma combinação também muito difícil pois há uma dificuldade em a pessoa se aceitar a si própria e às suas imperfeições e provoca muitas e difíceis mudanças de humor incontroláveis, sentimentos de culpa profundamente enraizados no inconsciente que muitas vezes  emergem na consciência e perturbam o equilíbrio emocional. Existe uma permanente sensação subliminar de auto- rejeição. 
A associação com Vénus
Rahu conjunto com Vénus- Vénus é o planeta dos relacionamentos, da criatividade, da Arte,  dos prazeres físicos, da sexualidade e dos confortos gerais da vida. Rahu conjunto com Vénus magnifica todos estes significados pelo que pode levar a pessoa a procurar obsessivamente todo o tipo de confortos e luxos,  todos os prazeres,  podendo tornar-se bastante promíscua a nível da sexualidade e dos relacionamentos.  Há a tendência para a experimentação  insaciável de tudo o que a pessoa identifique como a sua fonte máxima de prazer .
A outro nível, em alguém  com talento artístico, por ex., pode levar à obsessão pela  criação (nunca aquietada) do objeto perfeito a nível artístico. Esta combinação pode , quando bem colocada, trazer riqueza e conforto à vida da pessoa. Mas há a tendência para a contínua irrequietude que nunca se satisfaz com o que alcança, seja qual  for a área em que a combinação se exprime (por causa do aspeto de Ketu). 
Ketu  conjunto  com Vénus-  Quando Ketu está colocado numa casa benéfica de acordo com a relação funcional dos planetas, pode trazer experiências de grande abundância material. Isto sucede porque a casa onde se encontra Ketu é percepcionada como um vazio gerando a necessidade de o preencher e, associado a um planeta benéfico, Ketu  aumenta as qualidades da casa onde se encontra, sobretudo se a conjunção se dá no signo do próprio planeta (neste caso Vénus). 
Quando isto sucede, nos períodos dasa de Ketu e Vénus, pode ser atingido grande sucesso material. Embora Ketu seja  um indicador das perdas, também mostra as áreas de vida onde tendemos a compensar esse sentimento de perda. Também é referido, no entanto, que toda a riqueza trazida por Ketu no seu período de 7 anos pode ser perdida no final desse período.
Para além destes aspectos,  há a referir que a conjunção de Ketu com Vénus mostra que a pessoa tem muitos talentos artísticos e criativos previamente desenvolvidos. 
Esta pessoa  explorou todos os aspectos  simbolizados por Vénus na sua experiência pessoal e, no presente, mostra a tendência para ser crítico em relação  a esses aspectos, tendo dificuldade em aceder de forma espontânea a essa área de vida que é objecto de insegurança e de dúvida em relação a si próprio.
 Ao nível dos relacionamentos, esta pessoa precisa de aprender que uma relação com os outros só é  duradoura  se for  para além dos aspectos físicos  e impulsivos da paixão e  se centrar numa interação mais profunda  que envolva a expressão espiritual do ser.
(Continua)

Sugestão para o Fim de Semana

  
 Hoje começa o Outono, convidando às atividades em espaços resguardados.
#
Para o receber, porque não uma feira de arte contemporânea diversificada, com  obras de pintura, escultura, desenhos, joalharia de autor e uma selecção de livros de arte e objectos de colecionadores particulares: pintura de artistas europeus e norte-americanos, arte africana; gravura japonesa; fotografia de Werner Bischoff, Fritz Henle, Josef Ehm, George Hurrell, Erwin Blumenfeld, Horace Bristol, Pierre Toutain-Dorbec bem como edições editoriais esgotadas em todo o mundo.
Esta feira está aberta  até 23 de Setembro, na Livraria Barata em Lisboa  e é  o resultado de uma parceria entre a Livraria Barata e a Galeria Microarte com a missão de privilegiar o relacionamento próximo da Arte Moderna e Contemporânea com um público mais alargado, na qual a Microarte comissariou seis exposições.
A arte é  uma expressão criativa  de grande valor e traz harmonia e beleza às nossas vidas e, por esse facto, ajuda-nos a entrar em harmonia connosco e com os outros.
Bom Fim de Semana!

Efeitos de Rahu e Ketu no horóscopo #2


No Lal Kitab, método de previsões de origem persa  seguido por muitos astrólogos védicos, estabelece-se uma relação  indissociável  entre os nodos Rahu e Ketu e Saturno, mostrando dessa forma a intrincada relação destes factores astrológicos  com a questão do Karma.
Saturno é aqui descrito com uma serpente cuja cabeça (boca) é Rahu Ketu é a sua cauda. Esta abordagem defende que, quando Ketu  está colocado no horóscopo em posição anterior à de  Saturno, este  comporta-se como grande benéfico para o nativo; mas, se  Saturno está colocado depois de Ketu  comporta-se de forma «venenosa» na sua vida. 
A colocação de Rahu e Ketu na carta natal indica uma polaridade entre duas áreas da vida da pessoa,e uma dualidade entre os tipos de experiência significados por essas casas do horóscopo.
Para compreendermos, no entanto,  o significado de Rahu/Ketu na carta natal precisamos de esclarecer os pressupostos da sua interpretação se. Como referido já por mim em diversas mensagens anteriores  a Astrologia Jyotish enraíza-se na Filosofia Védica e nos seus pressupostos. 
Um desses pressupostos é a tese da reincarnação que considera  cada existência  como  uma jornada nova da alma que se reinicia de acordo com um Karma passado. Como tal, continua um processo anterior de desenvolvimento  (simbolizado por Ketu), e começa um percurso de desenvolvimento de novas experiências e competências (simbolizado por Rahu).
 
Aquilo que Rahu e Ketu  significam na carta natal é, deste modo ,uma dualidade tensional entre o passado de uma entidade e o seu futuro  como um novo  conjunto de possibilidades de ser.
 Esta polaridade indica, não apenas o foco do «destino» na existência, mas também uma tensão entre experiências passadas (Ketu), numa área de vida bem desenvolvida anteriormente e para a qual a pessoa possui competências afinadas; 
E uma outra, (Rahu) na qual a pessoa desenvolve intensos desejos e obsessões relativamente aos assuntos significados pela casa da colocação de Rahu e para a qual  necessita de  desenvolver novas competências.
Onde quer que se encontre na carta natal, Rahu indica o principal foco de vida da pessoa,aquela área onde o indivíduo  se move com intensos  desejos que  dão força às suas ambições. O  desafio nesta existência será o de encontrar um equilíbrio entre as experiências simbolizadas por Rahu e a área de vida oposta  representada por Ketu. 
Enquanto Rahu gera incessantemente desejos em relação a alguma área do mundo material, levando a pessoa a esforçar-se por atingir o objecto do seu desejo, Ketu envolve-se no mundo espiritual   gerando o sentimento de renúncia e insatisfação em relação ao mundo material e, muitas vezes, privando-nos daquilo que Rahu  nos dá.
Rahu e Ketu são ambos necessários no processo de desenvolvimento da alma: Rahu representa o nosso ego encorajando-nos a procurar o sucesso ,a gratificação e o poder numa determinada área da vida. Mobiliza a mente subconsciente e actua no seu âmbito impulsionando – nos, muitas vezes com sentimentos de auto-ilusão, a acreditar que tudo é possível e está ao nosso alcance.
Rahu é o «planeta» do sucesso material e dá riqueza e ganhos materiais numa determinada área quando está forte e bem colocado.
Enquanto Rahu está focado nos assuntos materiais terrestres, Ketu  traz à superfície conhecimentos prévios que são pertinentes para, na vida presente, aprendermos a desligarnos de todos os pontos de estagnação emocional que impedem  a libertação da alma.
  Pela influência  de Ketu somos instados a ir além do   raciocínio intelectual, a  acolher a intuição e a confiar na fé interior que nos permite libertar as energias subconscientes desbloqueando os nós emocionais que nos prendem  em cápsulas  paradas no tempo.
Ketu pode causar bloqueios e sofrimento nas nossas vidas, privando-nos do que mais desejamos para nos obrigar a libertar do mundo material. 
Simbolicamente, Ketu representa a alma que apreende a essência das  coisas  mas permanece em eterna insatisfação  que não pode ser superada  no mundo material.  Seca toda a alegria mundana em tudo o que toca, incluindo os objetos com que Rahu está obcecado,  mostrados pela sua  colocação por casa e por signo.  Ele representa a nossa capacidade de conhecer sem a mente pensante.
A colocação de Rahu  nas casas angulares (1,7, 4,10)  e nas casas 5ª e 9ªbons resultados quanto aos ganhos materiais, quando está forte, trazendo felicidade momentânea, aquisição de riqueza e uma posição poderosa. Mas os seus efeitos nunca são completamente positivos. São acompanhados de ansiedade e de tensão que obrigam a pessoa a virar-se para o significados de Ketu e este, com o seu sentimento se insatisfação,  de falta, acaba por  nos levar a  procurar a verdade que subjaz para lá das ilusões materiais.
Muitos astrólogos consideram que as energias de Rahu e Ketu são as mais fortes da carta natal porque revelam  onde é  que  actuam  as principais forças associadas aos desejos Kármicos  sendo por isso poderosos indicadores do destino pessoal.
A dialética entre o desejo insaciável de Rahu e a dúvida, crítica e insatisfação de Ketu  é a forma pela qual a alma aprende as suas lições nos assuntos simbolizados pela casa e signo em que este está situado. A localização dos nodos e os seus trânsitos  indicam as áreas de maior transformação das nossas vidas.
Rahu simboliza a força do desejo que nos traz para o mundo físico; Ketu  retira-nos dele impulsionando-nos para o mundo espiritual. Deste modo, ambos significam os ciclos de nascimento e morte no mundo físico.
Rahu pode trazer muita riqueza e poder no mundo material mas esta vem sempre com um preço : a satisfação dos nossos desejos com Rahu é sempre acompanhada  de alguma tristeza ou insatisfação, que nos priva de uma alegria duradoura.
Rahu e Ketu magnificam  as energias dos planetas que se associam a eles, e assumem   as suas características.  Os seus efeitos no horóscopo são visíveis nas casas que ocupam; nas casas ocupadas pelos planetas seus dispositores; na natureza dos planetas que estão conjuntos com eles e nas casas do horóscopo que estes regem; nos dispositores do Nakshatra dos nodos. A análise destes factores da carta natal mostra o destino da alma.
(Continua)

Rahu e Ketu – O Eixo do Destino no Horóscopo


Rahu e Ketu –  Os nodos do Destino
A combinação das interacções energéticas dos planetas no momento e no local em que nascemos é a matriz da existência individual nesta Terra. A carta astrológica mostra a nossa personalidade, o tipo de experiências e de relacionamentos  que iremos ter; as linhas gerais da  carreira,  da estrutura familiar, os  aspectos financeiros e o sucesso material,  a saúde. Ela é a expressão do nosso destino potencial.
Essa matriz é determinada por aquilo a que a filosofia Védica chama Karma.  E, para conhecermos os momentos em que os eventos kármicos da nossa vida acontecerão, a Astrologia Védica/Jyotish utiliza uma metodologia específica – os períodos planetários Vimsottari Dasa – e  também  os trânsitos dos planetas.
Na revelação desses períodos, Rahu e Ketu desempenham um papel  fundamental, tanto ao nível dos seus trânsitos como dos seus períodos Dasa.
Rahu e Ketu não são planetas  uma vez que não correspondem a nenhum objecto com massa, são antes áreas de poderosa  energia, correspondente aos pontos de intersecção entre as órbitas da Terra e da Lua. Os dois pontos de intersecção dessas órbitas correspondem a uma perturbação electromagnética  poderosa que tem efeitos marcantes na determinação do «destino». 
A Astrologia chama a esses pontos de intersecção «nodos»: um nodo norte, que recebe o nome de Rahu e um nodo Sul que recebe o nome de Ketu. Eles permanecem sempre em oposição de 180º e, na Astrologia Védica, formam o eixo Kármico dos eventos que serão enfrentados nesta vida. Indicam as áreas da nossa vida que serão o centro ou o foco desses eventos kármicos. Reenviam, deste modo, para o passado que emerge no presente.  Em concordância com isto, Rahu/Ketu têm sempre movimento retrógrado.
Mitologia e Significado Simbólico de Rahu/Ketu
Segundo a Mitologia Hindu  no início dos tempos houve uma batalha terrível entre os deuses e os demónios.  Como a batalha nunca mais se decidia a favor de nenhuma das partes, Vishnu decidiu juntar todos os oponentes. Conjugando esforços, conseguiram extrair o néctar da imortalidade (Amrit) do fundo do mar.

 

Quando  os deuses e os demónios se sentaram, cada grupo em local separado, para receber a sua parte do néctar, Vishnu, mestre do disfarce, disfarçou-se  de uma bela donzela e, sem que os demónios se apercebessem do que sucedia ( por estarem encantados a olhar para ela) deu o néctar  a beber aos deuses.
Rahu, um dos demónios, apercebeu-se do embuste e, disfarçando-se ele próprio de deus, conseguiu beber o néctar da imortalidade. Surya(Sol) e Chandra (Lua) aperceberam-se do logro e denunciaram-no.
De imediato, Vishnu cortou a cabeça de Rahu mas era tarde: este bebera Amrit e tinha-se tornado imortal. A partir de então, Rahu separou-se em duas partes, tendo a sua cabeça mantido o nome de Rahu e a metade inferior recebeu o nome de Ketu. Os dois  estão condenados a permanecer opostos um ao outro para sempre.
A história diz ainda que, desde então, Rahu e ketu são inimigos eternos do Sol e da Lua. Rahu não perde uma ocasião para «devorar» o Sol e a Lua, dando origem aos eclipses solares e lunares.
Esta história  permite-nos entender alguns aspectos interessantes: o primeiro é que, no dualismo  entre o espírito e a matéria, estava pressuposto que estes não estavam destinados a misturar-se nem a ligar-se: os seres espirituais pretendiam reservar a exclusividade da imortalidade para si próprios;
Em segundo lugar, os menos favorecidos, os «não-deuses» em que se incluía Rahu não se conformaram com esta pretensão e lutaram pelo seu direito à imortalidade. Rahu conseguiu aceder-lhe e, segundo o mito, Vishnu acabou por conceder-lhe e a Ketu, a dignidade de deidades planetárias . 
Porém,  ao ficar dividido em duas partes,  Rahu/Ketu ficou condenado para sempre a lutar com a dualidade matéria /espírito no âmago do seu ser: metade do seu ser deseja terrivelmente o mundo material e fica obcecada com ele- Rahu;
A outra  metade permanece eternamente insatisfeita com o mundo material e anseia por libertar-se dele, fazendo com que nenhum objecto, acção ou sentimento relacionado com o mundo material atinja alguma vez a  da concretização verdadeira felicidade e  da auto-realização.
Rahu é uma cabeça sem corpo. Sem corpo físico, fica obcecado com tudo aquilo com que contacta. Essas obsessões atuam ao nível da mente subconsciente. Ele distorce as percepções , vê todas  as coisas através dos intensos desejos . Fixa-se na aparência  material das coisas, não deixando ver a real essência destas. 

 

Rahu representa  os nossos desejos materiais mais profundos e irracionais,  manipulando muitas vezes  o nosso ego com mil ilusões pelas quais mascara a verdadeira natureza  dos desejos.
Num nível mais profundo Rahu impele-nos, por força do nosso Karma, a desejar intensamente tudo o que precisamos de aprender nesta existência.  Como ensina a Filosofia dos Vedas, a encarnação  da alma no mundo físico tem um propósito de aprendizagem e Rahu impele-nos para  o desejo de experienciar o que mais precisamos de aprender.  
Há experiências que apenas aprendemos no mundo físico e através de um corpo físico.  Os desejos intensos de Rahu mostram a área da nossa vida onde existe um desequilíbrio que é preciso superar. Por isso cria esse estado de  concentração e de desejo nessa área da vida. Mas, se nos libertamos desse desejo através da expressão de Ketu, podemos atingir um estado de iluminação interior e  de evolução espiritual.
Enquanto Rahu deseja expandir-se no mundo material,  Ketu anseia por refugiar-se e retirar-se do mundo material ,sente  uma insatisfação e irrequietude permanente que apenas se dá conta daquilo  que lhe falta, projectando a sua percepção de vazio em todas as realizações mundanas de Rahu de tal modo que todos os sucessos no mundo material acabam por se esgotar numa sensação de vazio e  revelar-se como uma ilusão. Ketu  destrói  o prazer pelas posses materiais, mostrando  o seu carácter ilusório e o vazio em que se transformam.

O eixo das casas em que Rahu e Ketu estão colocados dá-nos pistas importantes  acerca do propósito de vida da pessoa Mas a energia de  Rahu  pode  finalmente abandonar o desejo pelo mundo material. Nesse momento  dá-se a conversão da sua energia e  esta, associada à energia Kundalini , sobe do Chacra da Raiz  para se juntar a Ketu no Chacra da Coroa, num processo de iluminação espiritual.

(Continua)

O Planeta Saturno no Horóscopo #1


Saturno,  grande maléfico ou  libertador?
Saturno é considerado  como o «grande maléfico» na Astrologia. A sua energia  está associada com restrições, dor, sofrimento, limitação, escuridão e morte.
Arquetipicamente, Saturno representa o mundo material na sua forma, estrutura e  duração: ele é o princípio estruturador do mundo finito que começa com a criação do espaço e do tempo e se desenvolve em múltiplas formas que têm uma duração determinada.
Saturno representa  a cristalização da vida nas muitas  formas da matéria, vida finita, destinada a durar um certo tempo e então  perecer.  Por isso a sua conotação mais sombria é a da figura escura da morte que ceifa sempre inexoravelmente  as formas de vida entretanto criadas. 
Os significados de Saturno são muito complexos. Ele representa, por um lado, a  materialização na forma da centelha da vida que, deste modo, fica petrificada numa exangue falta de esperança  qual prisioneiro condenado. Mas  é também, por outro lado,  o símbolo da libertação  desse destino  de cristalização, mostrando que há uma forma de escapar ao mundo sombrio da morte: esse caminho é o do asceta, o daquele que, no âmago mais escuro da sua alma perdida, reencontra finalmente a sua centelha de luz.
A descida da vida ao plano da matéria é uma maldição e um encantamento: a alma escravizada no mundo material e submetida aos infindáveis desejos de sucesso,  fama e  poder neste mundo  esquece-se de si  ao fundir-se com a  sombra das ambições mundanas.
 E esta perdição  que é um auto- encantamento  pela miragem das riquezas do mundo só pode ser superada através do esforço próprio e da disciplina que remove os múltiplos espelhos do mundo para se recuperar na interioridade simples    de um eu que aspira à verdade e à  simplicidade da sua vida essencial
Na reconversão doolhar cada indivíduo vislumbra no seu âmago a centelha de luz que aspira a mais do que os prazeres e o poder deste mundo, aspira a libertar-se  e a ser livre outra vez.
Saturno simboliza, deste modo, a noite alquímica da alma , a «descida aos infernos», a experiência dos limites a que o mundo material pode descer nas suas ambições e desejo de poder para, numa súbita inversão descobrir que a identidade é mais do que o ter e o possuir, é querer ser mais do que isso. 
 Saturno representa  o caminho duro e disciplinado que temos que fazer para nos libertarmos da fascinação do mundo material. O asceta é aquele que compreende a dependência  em relação ao mundo  material e cultiva a disciplina para recuperar uma dimensão mais  verdadeira do seu ser.
E o carvão, o negrume que Saturno simboliza, começa então, lenta e intensamentea transmutar-se pelas experiências dolorosas da vida, na  pureza  simples do diamante. Nesta«obra ao negro», Saturno simboliza o esgotar de todas as emoções e desejos humanos relacionados com o mundo material  e a aprendizagem de como todas elas são vãs sem o desenvolvimento interior que acaba por dissolver as estruturas materiais nas quais apoiávamos a nossa vida.
Referências Mitológicas de Saturno
Existem várias histórias acerca de Saturno. O Linga Purana diz que Saturno é filho da divindade solar  Rudra. O Markandeya Purana conta a história mais divulgada  segundo a qual  Saturno é filho de surya (sol) e da sua esposa Chaya (sombra).  A história conta que, durante o nascimento de Saturno,  Surya passou mal  devido à influência  do aspecto causado por Saturno  e que, desde então, ambos têm relações tensa.(em alusão à oposição de funções da energia e ambos).
No Brahma Purana refere-se  a profunda  devoção de Saturno  por Krishna. O sol, seu pai, vendo essa devoção, resolveu casá-lo com a filha de Chitra, que era extremamente forte e poderosa.  
Num certo momento a esposa de Saturno desejou ter um filho e expressou esse desejo a  seu marido mas este, embevecido com a sua meditação a Krishna, esqueceu-se dela e ignorou o seu pedido. Zangada, ela lançou sobre  o marido, Saturno, a maldição de que, doravante, todos os que olhassem para ele seriam destruídos. O casal acabou por se reconciliar mas a maldição continuou irrevogável, pelo que Saturno passou a  desviar o olhar de todos os que se cruzavam com ele para evitar   a sua destruição. Este simbolismo é bem claro em termos astrológicos pois as casas do horóscopo para as quais Saturno lança o seu aspecto veem destruídos os seus significados (3ª, 7ª e 10ª casas a partir de si próprio). 
Krishna é uma reincarnação de Vishnu  o preservador , representando, na tríade divina (com Brahma- o criador  e Shiva- o destruidor), o papel de manter e preservar. O mito aponta, deste modo , pela associação entre Saturno e Krishna, para a função  saturnina de construir  formas para manter a vida nos seus limites. Na mitologia Hindu a dissolução nunca é um fim em si mesma, Shiva, o Destruidor, dissolve para recriar a espiral infinita da vida.
A função complexa, representada por Saturno, de libertação em relação à matéria, aparece no mito associada a uma «maldição.» Mas Saturno representa  a libertação da cruz da morte material pelo esforço individual, pelo mérito do homem que se quer transcender a si próprio e que, nesse esforço gigantesco, conquista  a aspiração à imortalidade.
Uma  história  muito popular e repetida, fala de um rei poderoso  que, um dia, estando de mau humor, insultou Saturno. Este, que  sobrevoava  o reino, naquele momento, voando no seu abutre, ouviu-o  e,  de imediato, sentenciou o rei a passar por muitos obstáculos e experiências dolorosas, fazendo-o perder todas as suas posses e poder. 
 Após uma série de experiências extremamente  difíceis nas quais o rei  perdeu  tudo aquilo a que estava apegado, Saturno apareceu-lhe e mostrou misericórdia porque o rei tinha mostrado grande resistência  nas dificuldades e não se deixou vencer por elas . 
Para o recompensar, Saturno  perguntou-lhe qual era o seu maior desejo: o rei respondeu que o que ele  desejava era que mais  nenhum  ser humano  tivesse que enfrentar  tantos  obstáculos como aqueles  que ele tinha vivido. Agradado com a resposta do rei, Saturno devolveu-lhe tudo o que ele tinha  perdido  e ainda mais.
Esta história mostra o modo típico de actuação da energia de Saturno na nossa vida.

Efeitos da Colocação de Vénus no Horóscopo #2


Efeitos da colocação de Vénus  no Horóscopo
Vénus é o 2º planeta mais próximo do Sol e, a seguir à Lua, é o astro mais brilhante no céu. 
Astronomicamente tem algumas semelhanças  com a Terra: tem uma massa que é cerca de 80% da massa da Terra, um diâmetro que é 95%  do da Terra. Ambos têm deste modo tamanhos e campos gravitacionais bastante semelhantes. Vénus é maioritariamente composto por sílica ,está coberto por uma camada   de  densas  nuvens de ácido sulfúrico e  a sua atmosfera é composta principalmente por C02.
Vénus leva cerca de 11 meses a orbitar o Zodíaco. Permanece cerca de 28 dias no mesmo signo.
Na carta natal Vénus mostra a nossa capacidade para sentir contentamento e felicidade; mostra  o nosso sentido de harmonia com a vida; representa o nosso sentido estético, a nossa forma de apreciação do belo e indica o nosso gosto ou talento em relação às Belas Artes:  Música, Pintura, Dança, etc.  No  horóscopo dos grandes artistas encontramos um  Vénus proeminente.
 Vénus indica a nossa sensibilidade, o nosso refinamento e gentileza.
No nível externo, Vénus representa a nossa procura do prazer, do conforto e do luxo. Representa os prazeres dos sentidos e os confortos do corpo. Representa a sexualidade e a atração sexual em ambos os sexos.
Na carta natal masculina, Vénus simboliza a esposa.
Um Vénus benéfico e forte na carta natal dá-nos o refinamento que direciona a nossa  energia criativa  na procura do sublime, da verdade última, da devoção e do amor universal que permite a transmutação do egoísmo e nos torna seres mais evoluídos espiritualmente; permite-nos a apreciação do Belo e  o sentimento de  fraternidade que nos liga aos seres que nos são próximos  mas também a  todos os outros, numa comunidade universal.
 Um Vénus fraco e  a receber aspectos desarmónicos pode tornar-nos vaidosos e superficiais, procurando a cada momento a adulação e a auto-exibição narcisista  da  beleza e dos seus adornos; pode conduzir-nos a uma procura desenfreada pelo prazer em todas as suas formas, até à  exaustão e à auto-indulgência que se transforma em preguiça e  sensualidade vazia.

 

Vénus rege dois signos na Astrologia Védica: Touro  e Balança e dá  bons resultados  quando  está colocado nestes signos. Mas tem os melhores resultados quando está localizado no signo de Peixes, tendo o  pico  a 27 graus de Peixes. De 0 a 15 º de Balança tem  a dignidade de «mooltrikona» onde dá resultados ainda mais  positivos  do  que no resto desse signo.
Vénus também dá resultados positivos quando está nos signos regidos por Saturno: Capricórnio e Aquário, mas principalmente em Capricórnio, onde se torna «yogakaraka», ou seja, um planeta muito auspicioso para os nativos. Em Aquário  numa carta natal feminina pode dar atributos masculinos   (robustez atlética, por ex.,).
Quando está colocado no signo de Virgem Vénus dá os seus piores resultados  pois neste signo está «debilitado». O pico da debilitação atinge-se a 27 º de Virgem.  Isto acontece apesar de Vénus e Mercúrio terem energias compatíveis ou «amigas» entre si. 
A razão tem a ver com os aspectos ocultos da relação alquímica entre Vénus e Mercúrio  enquanto os dois aspectos da mente: Mercúrio representa a inteligência humana mundana como já explicado anteriormente e Vénus, num sentido elevado representa a abertura espiritual para uma forma de compreensão que está para lá do intelecto racional na mente intuitiva.
 Esta última não pode expressar-se quando a outra é dominante e viceversa  por isso Vénus fica debilitado em Virgem da mesma forma que Mercúrio fica debilitado em Peixes, signo da exaltação de Vénus. Mas ambos são necessários e indispensáveis  por isso formam uma parceria a que alguns chamam o «casamento alquímico de Vénus e Mercúrio»  querendo com isso dizer que, em cada indivíduo, estes  dois planos da mente estão presentes e, embora tenham funções opostas, são complementares.

 

Vénus é o significador natural da 7ª casa , da felicidade , da beleza e da criatividade. É o significador dos luxos e dos trabalhos estéticos. Também significa as quedas  de água, as flores, a juventude, as Belas Artes.  Com Saturno, é significador da Justiça (Saturno fica exaltado no signo de Vénus, Balança). 
Quando colocado na 4ª casa, Vénus tem a força direcional (Digbal) que torna a sua energia poderosa. Dá também bons resultados nas outras casas angulares 7 e 10; dá resultados muito auspiciosos quando está colocado na 5ª casa e na 9ª casa  da carta natal. A sua colocação na 12ª casa permite alcançar ganhos materiais,  luxo  e confortos;
A  sua colocação nas  casas natais 3, 6 e 8  resultados mistos favorecendo alguns aspectos e negando outros. Porém, sendo um planeta benéfico, Vénus nunca dá resultados totalmente negativos.
Estas indicações são genéricas. Para além da colocação nas casas do horóscopo é necessário  ter em conta a força (medida quantitativamente pelos métodos da Jyotish- shadbal, Vimsopack, Ashtakbarg) e os aspectos recebidos de outros planetas antes de um juízo final sobre os efeitos do planeta na carta natal.
Quando em trânsito, contando-se as casas a partir da posição da Lua natal, Vénus dá bons resultados na 1ª (felicidade e riqueza); na 2ª (dinheiro e respeito); na 3ª (contacto com objectos belos); na 4ª (felicidade nas associações com amigos e mulheres); na 5ª (riqueza e prosperidade); na 8ª ou 9ª (Felicidade); na 11ª (riqueza, coragem e sucesso); na 12ª (riqueza e confortos materiais).
Quando transita pelas casas 6ª(pode fazer inimigos e perder riqueza); (discussões e problemas com o cônjuge/parceiro); 10ª (pode fazer inimigos, perder dinheiro, ter stress mental); nestas casas os trânsitos de Vénus podem ser perturbadores da vida da pessoa nos aspectos indicados.

 

O dia atribuído a Vénus é a Sexta Feira; a sua direção é o sudeste; a cor é Branco;
Os  planetas amigos são Mercúrio, Saturno e Rahu; Marte e Júpiter são seus iguais (neutros); 
os  planetas inimigos são o sol e a Lua.
metal é a Prata; a  pedra preciosa é o diamante;  atinge a maturidade entre os 25 e os 27 anos  com o pico aos 25.  Na Numerologia rege o  número  6.

O Planeta Vénus no Horóscopo #1


Significado Simbólico e  Mitologia
Existem várias histórias  na Mitologia Védica acerca  de Vénus (nome sânscrito Shukra). Referirei aqui a mais repetida pois ela ajuda -nos a tornar mais claro  o significado da  energia deste planeta que,  com Júpiter, é o segundo dos  grandes benéficos naturais.
Vénus é filho do  sábio  vidente  Bhrigu , mestre das Ciências Espirituais e conhecedor dos textos sagrados,  e que ensinou ao filho toda esta sabedoria. 
Entre Júpiter e Vénus existe uma relação de antagonismo (Júpiter é uma energia cuja função é  a preservação das forças da vida  no mundo material e Vénus dirige a sua energia para a libertação em relação ao mundo material, contribuindo para a destruição neste plano de existência). 
Júpiter assumiu a função de guru ou professor dos deuses e  Vénus assumiu, por razões de antagonismo com Júpiter, a função de professor dos Asuras (demónios). 
O mito conta que, para proteger os Asuras que morressem em campo de batalha com os Devas(deuses)  Vénus adorou o deus Shiva  e aprendeu com este  um método para trazer de novo à vida os demónios mortos. 
A história continua narrando a preocupação dos Devas  com este poder de Vénus que é o segredo  da imortalidade: Júpiter resolveu enviar o filho, Kaca,  para aprender com Vénus e obter desse modo o conhecimento desse segredo.
Após a filha de Vénus se ter apaixonado pelo filho de Júpiter, os Asuras descobriram a identidade deste  e mataram-no. Ao ver o  desgosto da filha, Vénus ressuscitou o jovem mas este  voltou a ser morto pelos  Asuras  e foi  novamente ressuscitado, num ciclo que  se repetiu  várias vezes até que com  astúcia os Asuras desfizeram o jovem morto  num que   colocaram  no vinho  e Vénus bebeu-o sem saber o que continha
Ao ressuscitar, o Jovem  falou de dentro de Vénus e este  acabou por lhe transmitir o segredo da imortalidade de modo que o jovem, saindo do corpo de Vénus, usou neste a fórmula da imortalidade, tendo-o trazido   novamente à vida. 
 
Esta história mostra, entre outros aspectos igualmente importantes, que a oposição entre as funções criativa e destrutiva dos planetas não é uma situação de exclusão absoluta: através desta história que envolve o filho  de Júpiter observamos que, no fim, ambas  as funções trabalham para um objectivo comum no ciclo da vida  e são, por isso, complementares.(Vénus salva o jovem da morte e este, por sua vez, salva Vénus ao recitar o mantra que o traz novamente à vida).
Júpiter representa a sabedoria dos princípios transcendentes, uma sabedoria que mostra  que a dimensão divina está presente no âmago dos seres; mas Vénus representa a possibilidade da ligação  entre os seres divinos e os seres não-divinos– os Asuras são os não-deuses e, ao ensiná-los e trazê-los de novo à vida, Vénus mostra  que pode haver continuidade da vida no conjunto de todos os seres, através do princípio de coesão ou atração universal, expresso no mundo físico pelo electromagnetismo  e no mundo subjectivo pela  compaixão, a simpatia e o amor.
Deste modo, para além dos significados mais óbvios e conhecidos, Vénus tem outros significados mais profundos: a sua energia é a expressão da força universal de atracção que une todas as coisas num mundo  unitário  que supera as divisões entre finito e infinito, mortal e imortal. 
É o princípio de união em todas as suas formas.Todas as civilizações antigas reconheceram a importância especial de Vénus. Os antigos Maias centraram  mesmo a sua religião e o seu calendário neste planeta. Também é  muito antiga a associação entre Vénus e a imortalidade:
Os egípcios chamaram-lhe Ankh, a cruz da vida e  entre os Vedas Vénus é associada com Lakshmi/ Radha, a companheira de Vishnu, representando o princípio feminino mais elevado, a capacidade de se harmonizar com o divino pelo sacrifício do ego individual  e a devoção e empatia com todos os seres.  
Com Vénus os Asuras  condenados pelos deuses à  morte definitiva  recuperam a possibilidade de regressar à vida através do amor . Este significado  de Vénus relacionado com a conquista da imortalidade fá-la aparecer como a alta sacerdotisa do conhecimento  oculto e dos mistérios.  
Vénus mostra que no  ciclo eterno da evolução não há  seres  excluídos e que o segredo da imortalidade é o princípio universal de coesão que agrega e que une:  no mundo físico e biológico, através da união sexual que perpetua, num novo ser, a vida que o originou; 
 No  mundo espiritual e do conhecimento, a união entre a mente intelectual finita e discursiva (representada pela energia de Mercúrio) e a mente intuitiva (Atma) que, por essa  via, atinge o equilíbrio no princípio da justiça e do amor  universal que permitem a todas as criaturas o mesmo destino final. 
Enquanto personificação deste princípio ela é Radha, a amada de Krishna e representa o nosso contentamento  ou felicidade individual.
Vénus tem a sua expressão mais elevada na constelação (Nakshatra) Revati situada na parte final do  12º signo ( Peixes). Vénus tem aqui a dignidade de exaltação e  isto mostra a importância dos significados que ela representa  para o conceito de salvação (Moksha) expresso nesse Nakshatra (ver aqui).
Não é por acaso que Vénus é o único planeta que tem, na 12ª casa do horóscopo, resultados benéficos.  Ela representa o ponto de equilíbrio entre todas as polaridades da vida, o ponto em que cessa o antagonismo entre os opostos  para surgir a integração  entre o mortal e o imortal, o masculino e o feminino e  em que, através da beleza e do amor,todas as coisas encontram finalmente o seu ponto de união.

Efeitos da Energia de Júpiter no Horóscopo #2


Júpiter é um  planeta gigante gasoso  simbolicamente considerado como o maior benéfico. Astronomicamente pensa-se também que exerce uma função de  protecção da Terra em relação aos muitos  asteroides que repetidamente se aproximam da órbita do nosso planeta, impedindo muitos deles de atravessar a atmosfera terrestre.
Júpiter completa uma volta em torno do seu eixo em cerca de 9 h e 55 min. Permanece cerca de um mês em cada signo, demorando cerca de treze meses a orbitar o Zodíaco.  Fica retrógrado cerca de 4 meses e uma semana em cada ano. Tem 39 luas, mais do que Saturno.
Na Astrologia Védica/Jyotish  Júpiter rege os signos de Sagitário e Peixes.  
Quanto à «dignidade» astrológica tem exaltação em Caranguejo – com a máxima força em desse signo- , «mooltrikona» entre 1 e 10 º de Sagitário  e debilitação em Capricórnio, onde tem os seus  resultados menos favoráveis, principalmente a 5º de do signo
Júpiter significa a Graça Divina e, para os que acreditam na reincarnação, simboliza os créditos pelo bom Karma de encarnações anteriores. Deste modo, considera-se que os significados positivos de Júpiter na carta natal exprimem Karma positivo na vida da pessoa  para ser vivido na existência presente.
Júpiter resultados positivos quando está  colocado nos signos  do Sol,  da Lua e de Marte ou em aspeto ou associação com estes.  A sua colocação nas casas do horóscopo 1, 5 e 9   é muito auspiciosa.   Porém, quando  está  colocado  no Ascendente a pessoa tem tendência para engordar. Devido ao facto de favorecer a riqueza e a sorte, também dá muito bons resultados na 2ª  e 11ª casas ; nas casas  angulares 4, 7 e 10 pode dar bons resultados mas também pode dar alguns resultados adversos.
 Nos signos regidos por Vénus e Mercúrio (Touro, Balança, Gémeos e Virgem) tem resultados menos auspiciosos,(mas menos do que em Capricórnio) embora devam ser considerados também os aspectos que recebe e as casas em que se localiza.
Na Astrologia Védica/Jyotish , Júpiter é considerado o significador natural das seguintes casas: 2= riqueza ; 5= filhos, inteligência, criatividade; 7=marido; 9=pai, sorte e religião; 10= profissão e status; 11= ganhos, realização dos desejos.
Por ser o maior benéfico, Júpiter nunca dá resultados completamente adversos na carta natal  mas considera-se que a colocação na 6ª, 8ª e 12ª casas  do horóscopo é a que  produz menos resultados benéficos (a não ser que  ele esteja exaltado ou no próprio signo) .Para além da colocação nas casas é necessário ter em conta que estes resultados podem mudarse Júpiter receber  algum aspeto  de outros planetas ou  se está  associado  a outros planetas benéficos/maléficos.  E também é preciso ter em conta a força, determinada quantitativamente pela Jyotish (Shadbal, Vimsopack, Ashtakbarg).
Quando é favorável na carta natal Júpiter potencia a fama, sucesso, honra, bom nome, riqueza,  honestidade,  pureza de propósito, os filhos e boas relações com estes. Também favorece as  viagens distantes e torna a pessoa  bondosa e caridosa,  respeitadora da verdade e de princípios morais  e éticos. Torna a pessoa ambiciosa mas  não a qualquer  preço; torna-a sábia e respeitada como uma autoridade no seu campo  e reconhecida por todos. Favorece uma elevada posição social e o desempenho de funções proeminentes no estado e na sociedade.
As pessoas com Júpiter positivo na carta natal são notadas pela sua serenidade, pela natureza compassiva, pela inteligência , pela sorte, pela  paz interior e felicidade. Um Júpiter fraco  ou  com  aspectos negativos na carta natal pode causar despesas desnecessárias frequentes, falta de sorte, problemas no percurso académico, dificuldades em ter filhos ou má relação com eles, problemas com o cônjuge e pouca harmonia na vida familiar.
Júpiter indica, na carta natal, o propósito de vida do destino individual nesta existência.  A Astrologia Jyotish  considera que, nas cartas  astrológicas femininas também indica o destino da vida conjugal. Num horóscopo feminino  Júpiter é o significador do marido. A posição em que se encontra no horóscopo, os aspectos que recebe e a sua força dão informação relevante acerca do marido e das energias actuantes na vida conjugal. 
Júpiter  mostra em geral o sentido de justiça, compaixão, grau de compreensão, tipo de atitude e de princípios seguidos pela pessoa, a sua potencialidade  para expandir a sua vida e a sua identidade  e o sucesso potencial que ela pode alcançar nesse intento
Os efeitos benéficos de Júpiter são tais que ele pode reduzir substancialmente  carácter negativo das energias dos planetas designados por «maléficos» quando está conjunto com eles ou pelos aspectos que forma na carta natal.
No corpo humano Júpiter rege os quadris, o baixo abdómen, a pressão arterial, o fígado e o pâncreas.
 Júpiteré um planeta masculino cuja natureza é a de sabedoria e conhecimento  (Sattvik). O dia atribuído a Júpiter é a Quinta Feira; a  cor é amarelo; a pedra preciosa é a safira amarela;
A direcção é Nordeste; o metal é o ouro; na numerologia o  número é o 3.
A maturidade  é 15-20 anos (com o pico aos 16).

Passeio de fim de semana – Vila de Sintra

Começa mais um fim de semana com temperaturas superiores a  trinta graus. É um fim de semana perfeito para um passeio pela bela vila portuguesa de Sintra, a Serra da Lua, enaltecida pela sua beleza por poetas como Byron.

Sintra é um lugar único, com uma atmosfera mística, bela e misteriosa, com os seus palácios e jardins, o velho castelo dos Mouros a vigiar do alto e a oferecer uma visão majestosa sobre a serra e o casario cá em baixo, os lagos e, para todos os que não dispensam uma guloseima, tem os seus doces tradicionais- as queijadas e os travesseiros.

Passeie , suba até ao castelo a pé, de preferência, visite os palácios, divirta-se e desfrute desta bela vila romântica.
Bom Fim de Semana!